06 janeiro, 2013

Primeira parte de bom nível podia ter dado em goleada

http://bibo-porto-carago.blogspot.pt/

FC Porto 1-0 Nacional

Liga 2012/13, 13.ª jornada
5 de Janeiro de 2013.
Estádio do Dragão, no Porto.
Assistência: 27.109 espectadores.


Árbitro: Rui Costa (Porto).
Assistentes: João Santos e Bruno Rodrigues.
Quarto árbitro: Carlos Reis.

FC PORTO: Helton; Danilo, Otamendi, Mangala e Alex Sandro; Fernando, João Moutinho e Lucho (cap.); James, Jackson Martínez e Varela.
Substituições: James por Defour (46m), Varela por Kelvin (72m) e Lucho por Castro (90m).
Não utilizados: Fabiano, Abdoulaye, Dellatorre e Sebá.
Treinador: Vítor Pereira.

NACIONAL: Vladan; João Aurélio, Miguel Rodrigues, Mexer e Marçal; Moreno (cap.), Revson e Diego Barcellos; Candeias, Mário Rondon e Mihelic.
Substituições: Mihelic por Keita (46m), Revson por Claudemir (55m) e Diego Barcellos por Isael (65m).
Não utilizados: Gottardi, Jota, Edgar Costa e Sérgio Duarte.
Treinador: Manuel Machado.

Ao intervalo: 1-0.
Marcador: Jackson Martínez (24m).
Cartão amarelo: Moreno (53m), Mexer (73m), João Aurélio (88m) e Fernando (90m+1).

Podia, mas não deu.

Não deu em goleada porque o guarda-redes adversário esteve soberbo na baliza e só não defendeu o cabeceamento de Jackson no golo que fez o resultado final.

Não deu porque a 2ª parte foi má e intermitente, tendo acabado o jogo com uma equipa pouco rotinada.

Para a 1ª jornada após pausa de Natal e na semana anterior a visitarmos o Estádio da Luz para um clássico que já está aceso à algum tempo, o mais importante seria vencer o jogo de hoje, independentemente do resultado final. Não deixar fugir o 1º lugar ainda antes dessa viagem era a prioridade.

O 11 mais forte estava em campo, tendo em conta os disponíveis. Entrada forte do Porto no jogo, tomando de assalto, desde logo a área do Nacional. Boas dinâmicas, qualidade de jogo e até velocidade na posse de bola permitiam criar perigo quase em catadupa.

A equipa do Nacional, apesar da boa organização defensiva, nunca conseguiu sair bem no ataque, nem contra-ataque, pelo que foi uma nulidade em termos ofensivos.

Aos 25’ canto do lado esquerdo do nosso ataque e Jackson a aparecer muito forte ao 1º poste a fazer o desvio para o espaço liberto junto ao poste contrário. À imagem do jogo com o Moreirense, voltava a ser de canto e de cabeça que o nosso melhor marcador faz o 1-0. Desde este momento até ao intervalo só deu Porto e com fortes possibilidades de tranquilizar o resultado a seu favor.

A destacar pela negativa a lesão de James. Lesão muscular que ainda não se sabe a gravidade, mas aparentemente afastará o colombiano do clássico da Luz (esperemos que não…).

Para o seu lugar entrou Defour, passando Lucho a movimentar-se mais sobre o corredor direito, sempre com a grande profundidade e liberdade que Danilo tem no corredor direito.

Na 2ª parte a exibição do Porto teve menos qualidade e foi um jogo com menos ritmo que na 1ª parte. Os espaços desapareceram, muito por força da subida de linhas do Nacional e consequente maior pressão no meio-campo do Porto.

Foi uma exibição pálida nos últimos 45 minutos, ainda assim com Vladan a ser figura, mais uma vez, e a negar alguns golos aos azuis e brancos.

Para o final do jogo e sem nunca ter ameaçado verdadeiramente a nossa baliza, os homens do Nacional conquistaram muitos livres que colocaram na área, mas com a defesa sempre bem colocada a serem todas as tentativas de golo do empate anuladas com sucesso.

Boa vitória pela exibição na 1ª parte. Segurança defensiva e novamente sem golos sofridos foi importante e transmite confiança. Mais um azar com a lesão de James a colocar no ar a ideia de aparecimento de soluções rápidas para os flancos (neste momento apenas disponíveis Kelvin e Varela... Equipa B? Mercado?).

Vamos fortes à Luz e saíremos de lá reforçados, é o que todos esperamos!

Melhor em campo: Danilo – gostei muito do brasileiro hoje, tanto em termos defensivos e mais ainda na envolvência que dá ás nossas acções ofensivas.



DECLARAÇÕES

Vítor Pereira

Vítor Pereira considerou que a vitória sobre o Nacional (1-0) deveria ter sido mais ampla. Em conferência de imprensa, após o jogo da 13.ª jornada da Liga, o técnico destacou o facto do adversário se ter apresentado “organizado”, a boa exibição do guarda-redes contrário e a segurança da defensiva portista, que não permitiu grandes oportunidades aos madeirenses.

“Defrontámos uma equipa organizada, que nos defrontou pela terceira vez em pouco tempo, pelo que é natural que corrija erros. Eles foram solidários e nós, com a nossa dinâmica, procuramos encontrar os espaços. Só tenho a lamentar a lesão do James e as ocasiões de golo que desperdiçámos. Depois, também apanhámos um guarda-redes inspirado, que em alguns lances evitou o 2-0, que nos traria tranquilidade para um jogo de melhor qualidade”, resumiu.

O treinador admitiu que a vantagem de apenas um golo colocou a equipa azul e branca “exposta”, mas realçou que o FC Porto “não consentiu nenhuma ocasião ao adversário”: “Fomos consistentes, desperdiçámos algumas oportunidades e o resultado poderia ter sido de 2-0 ou 3-0, o que seria mais justo. Estou satisfeito com os três pontos, continuamos no nosso caminho e na nossa luta”.

A extensão da lesão de James ainda será determinada pelo departamento médico, revelou Vítor Pereira, que preferiu abordar a recepção de quarta-feira ao Vitória de Setúbal (quarta-feira, 17h30), em detrimento do clássico no terreno do Benfica (domingo, 20h15). “Em primeiro lugar vamos ter o Setúbal para defrontar, o que não vai ser fácil e vai determinar a nossa continuidade na Taça da Liga”, declarou.

Em relação ao estado da relva do Dragão, o treinador acredita que ela necessita de “um pouco mais de tempo”. “Acredito que com mais tempo será uma boa relva”, frisou.


RESUMO DO JOGO

6 comentários:

Dragus Invictus disse...

Bom dia,

Antes do grande duelo da próxima jornada diante do Benfica, o FC Porto obteve uma importante vitória diante do Nacional da Madeira.
O jogo do próximo fim-de-semana pesou no subconsciente dos jogadores, e como é apanágio antes dos clássicos, os atletas imprimiram pouca agressividade ao jogo.
Ninguém se quer lesionar e estar ausente do grande duelo.
Foi pena a lesão muscular de James, que poderá impedir El Bandido de participar no clássico.
Com as ausências de Atsu (CAN), Iturbe (de saída) e de Kléber por lesão, as opções no ataque escasseiam.
Não obstante esta falta de agressividade, o FC Porto jogou o suficiente para vencer e convencer, e só o guarda-redes insular impediu um resultado mais avolumado.

Abraço e boa semana

Paulo

pronunciadodragao.blogspot.pt

lucho disse...

3 pontos, isto é que é importante rumo ao...tri!

lucho disse...

E no hóquei aquilo na luz parecia um funeral;)

Porto!!!!!!!!!!!

joao ferreira disse...

mais que nunca o grande porto precisa do nosso apoio esta semana vai ser complicada o jogo com o setubal tem que ser ganho para continuarmos em frente na taça da liga o que vai implicar que a gestão da equipa seja muito bem pensada pois domingo temos o jogo que todos sabemos e o nosso ataque não podia estar pior somente com 3 jogadores da equipa principal..
varela teve um bom inicio mas agora parace que adormeceu.. kelvin ainda está muito "verde" e sem james a situação complica muito... acho que a nossa equipa precisa de se reforçar principalmente no ataque..
esperemos quie james recupere.

grande vitoria contra os mouros no hoquei.

BRUNO ROCHA disse...

So um desacordo...DANILO, melhor em campo???Pode ser embirração mas nao gostei como tenho vindo a nao gostar do Brasileiro sobretudo em tarefas defensivas, muito macio, muito pouco agressivo sempre muito faltoso e que utiliza muito os braços para controlar o adversario direto sobretudo em açoes que este fica de costas para a baliza, ontem foi visivel o nºs de acções similares k k nao so provocaram faltas laterais como em excesso levam a natural admoestação disciplinar. Foram mtos os milhoes dispendidos neste jogador e ate a data ainda nao me convenceu, e mais preocupado fico pork cedemos MIGUEL LOPES k defensivamente pra mim é superior!!!....

Rui Anjos (Dragaopentacampeao) disse...

Jogo que o FC Porto não conseguiu simplificar muito por culpa da ineficácia no remate. Oportunidades flagrantes não faltaram.

A lesão de alguns jogadores nucleares está a tornar o plantel demasiado curto em função das provas em disputa, pelo que não me admiraria que no próximo jogo da Taça da Liga, Vítor Pereira recorra a jogadores da equipa B.

Voltando ao jogo a equipa esteve equilibrada até ao intervalo e depois perdeu frescura e discernimento, sem nunca por em causa a vitória tão justa quanto escassa.

Um abraço