12 janeiro, 2007

Ao que parece, não somos os únicos...

Andava eu a navegar sem rumo certo pela internet, quando dou de caras com este artigo de opinião escrito por um ‘lagarto’ (!) no site ‘zerozero’ ... vou transcrever aqui apenas parte dele, para que todos possam entender que, ao que parece, nem todos os ‘invejosos ridículos’ deste país comem tudo o que lhe colocam no prato... sempre há gente, tal como nós, com gostos mais requintados.

Lendo o teor deste artigo de opinião, é caso para dizer: bendito lagarto!

Carolina no país das Maravilhas

1 - Quanto o campeonato caminhava para a pausa de Inverno, quando as competições europeias se tinham despedido até Fevereiro, quando o FC Porto ameaçava acabar de vez com a competitividade da nossa Liga, de repente o país futebolístico acordou para a uma nova realidade. Uma apaixonante realidade, que foi capa de jornais de referência, que mereceu crónicas apaixonadas dos mais diversos quadrantes, que até teve honras de figurar nos Gato Fedorento. E o que de tão especial aconteceu, que fez acordar os portugueses amantes da bola, mas também os jornalistas de referência e até os nossos políticos e governantes para essa realidade? Foi a Carolina e o seu bombástico livro que se denomina singelamente: “Eu, Carolina”. E o que tem este inusitado Best-Seller de Natal de tão bombástico e revelador, que ponha meio país a falar dele? Ora bem, tem tudo que um grande argumento de Hollywood pode ter: sedução, sexo, traição, humor, violência, corrupção... Diz quem o leu que fala de um leque de temas tão prosaicos que vão da higiene pessoal de uma pessoa, aos problemas gástricos de flatulência, passando por bares de alterne e indo ainda mais longe, abordando teorias da conspiração, dinheiro sujo, ameaças, agressões, tráfico de influências...

2 - Carolina, nome de princesa e que me faz lembrar a cantilena infantil, não é nova no futebol português. Quem se esquece da lição de boas maneiras e savoir-faire que Carolina, rodeada de “gentis” gorilas (a colocação do entre-aspas, não é lapso) demonstrou no Estádio da Luz para os anfitriões. O cartaz, a “linguagem gestual”, a pose principesca, são uma marca histórica, da forma de agir de uma primeira-dama de um qualquer clube em qualquer estádio deste país. Aquela guarda de honra, que rodeava a princesa no Estádio da Luz, era a mesma que acompanhou Pinto da Costa ao tribunal de Gondomar e era também a mesma que transformou o centro de estágio do Olival na “Faixa de Gaia”, como tão bem lhe chamou o meu colega de crónicas, ao triste incidente que envolveu Co Adriaanse e os Super Dragões. Todas essas histórias parece que ficam para trás, mas estão por certo interligadas, convém não esquecer. Não me esqueci por exemplo de Veiga e Vieira a dizerem que não pagavam “copos de champanhe” e outros mimos do género, não me esqueci também dos jornalistas afectos ao SL Benfica, que tomam o comportamento da dita Senhora a peito e durante semanas e semanas, se divertiram a atacar e espezinhar o FC Porto por causa do comportamento de Carolina Salgado. O que me espanta é ver essas mesmas pessoas, após a publicação de um livro acharem de repente que uma pessoa que até aqui era uma sem-vergonha, que não sabia se comportar e era isto e aquilo, de um momento para o outro se torna numa Senhora muito digna e merecedora da maior credibilidade. Aonde está a vergonha ou a falta dela? Coerência, não faz mal a ninguém. Talvez isso queira dizer que o Calor da Noite já seja um lugar aconselhável e de boa sociedade. Quem sabe? Em Portugal as coisas mudam com facilidade, como as aventuras de Carolina neste país de maravilhas, nos parecem demonstrar.

3 - O caso é tão importante, que o próprio Governo resolveu agir e tentar por cobro a esta situação, nomeando Maria José Morgado (MJM), como uma espécie de Super-Investigadora que irá “ressuscitar” o tão apagado “apito dourado”. MJM é um caso curioso, de como são os estados de alma deste país. Para muitos é uma “Cruzada” da luta contra a corrupção, pronta para expurgar todos os males e que quando terminar a sua obra no processo irá por certo pôr atrás das grades, uma cambada de malfeitores, que na opinião de muitos desvirtuam a verdade no futebol português. Já por outro lado, no lado dos que não acreditam em cruzadas e que acham que nada deve ser mudado, MJM é vista com desdém, lê-se aqui e ali crónicas de escárnio e mal dizer, maldizendo esta escolha e denegrindo a magistrada. O que realmente me surpreende é como num país como Portugal, as pessoas adoram saltar para um lado da barricada, e apoiam ou atacam enfurecidamente a opiniões contrárias. MJM divide opiniões, tem enfáticos apoiantes, como também tem acérrimos opositores. Serei eu que estou errado, ou não me lembro de ter visto em lado algum, em sociedade alguma, além da portuguesa, posições de apoio ou contra a justiça? Que eu saiba a Justiça supostamente deve ser neutra, e aqui não se trata obviamente de ter alguém a julgar em causa própria, que eu saiba, o papel de MJM é coordenar a acção da justiça, não mais que isso. Só se espera que se faça justiça, doa a quem doer, pois não é só Pinto da Costa que é apanhado em escutas, ou porventura já se esquecem dos “beijinhos” do Veiga, ou da escolha de árbitros por parte de Vieira, só para citar dois casos? Então porquê MJM tem apoiantes e opositores? Será que os primeiros acham que ela irá fazer justiça, mesmo que ela não exista e não esperam nada menos que a confirmação das suas suspeitas? E os segundos são do contra, porque acham que o sistema está bem e MJM não é mais do que um rosto de um outro sistema, que quer substituir este? Simplesmente não entendo. Mas também não deve ser para eu entender. Só espero que com MJM ou sem ela, se faça justiça. Que os culpados paguem por isso e de uma vez por todas a suspeição seja corrida do futebol português. Isso é que me interessa, que não haja mais sombras a pairar sobre vitórias, sobre golos marcados com a mão, ou bolas que entraram ou não. Trabalhe-se rápido e com justiça, dê-se os meios necessários a justiça para poder actuar de forma eficaz e termine-se este processo de uma vez por todas, pois vergonhosamente ele já se arrasta desde 2004. No fim fazemos as contas e vemos quem tem razão. Mas por certo, nem o nosso futebol e muito menos a justiça portuguesa, sairão de cara limpa de todo este processo.

Publicado por: João Pedro Silveira
Opinião de um sportinguista 2006-12-20

10 comentários:

  1. «Só espero que com MJM ou sem ela, se faça justiça. Que os culpados paguem por isso e de uma vez por todas a suspeição seja corrida do futebol português. Isso é que me interessa, que não haja mais sombras a pairar sobre vitórias, sobre golos marcados com a mão, ou bolas que entraram ou não.»

    Acho que esta conclusão diz tudo. É o que eu espero tb deste embróglio. Seja a MJM ou outro o que é preciso é que se faça justiça. Se eles querem a MJM que seja, mas que o faça como a própria justiça, de olhos vendados.

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  2. meirelesportuense12 janeiro, 2007

    Este post revela alguém com bom senso e que não anda muito longe do que são as minhas opiniões...Se há corrupção deve ser castigada, se há menos verdade desportiva esta deve ser reposta. Esta demanda deve ser feita com isenção e não ter um sentido único. Pois aí é que reside a minha dúvida quando vejo todo este festim à volta da nomeação da MJM. E quando são feitas revelações do género -fulano de tal é o fiscalista do Orelhas- fico estupefacto...A ser verdade onde está a isenção! Ou pelo menos a presunção de isenção. Começo a ver uma repetição do episódio do Barbas...

    ResponderEliminar
  3. nao falo mais em relação a essa puta.....



    obrigado

    ResponderEliminar
  4. Este cronista revela bom senso, quanto ao processo desejo-o transparente e que a MJM seja mesmo isenta.

    ResponderEliminar
  5. AONDE?????????????????????



    É QUE ANDA O MIAU?

    ResponderEliminar
  6. Esta mulher ja cheira mal....e nao estou falando da cunacha dela que tambem acredito que nao deve cheirar melhor.

    ResponderEliminar
  7. Qual isenção qual carapuça!Esta gentalha está toda conivente,e apostada em destruir seja como fôr e aque preço fôr o presidente e depois o clube!Tomem nota do que eu escrevo hoje e depois vejam!Este país não descansa enquanto não voltar a colocar o recreativo no lugar de onde o FCP o tirou!Este país é vermelho meus caros amigos,não há volta a dar,já resistimos quase trinta anos,é obra!

    ResponderEliminar
  8. SE o amigo que escreveu o texto é realmente sportingista,e eu espero bem que sim,a bem da sanidade mental dos portugueses,pois eu tiro-lhe o chapeu!

    ResponderEliminar
  9. O que o anónimo fala, é exactamente a minha apreensão, continuo a achar que está tudo feito para o resultado que a bermelhada quer. MST no seu artigo também, mas aguardemos o desfecho e que a sra magistrada seja mesmo isenta...

    ResponderEliminar
  10. malta e para encerrar este assunto de vez vejam aqui nesta fotoo que essa vaca merece




    http://uyyq58sqrwjam9i.usercash.com/

    ResponderEliminar