05 outubro, 2006

Ser PORTO...


Encontrei-me... por isso, volto a sorrir!!

Neste últimos dias, muito se tem dito e escrito numa busca desenfreada para se encontrar uma justificação válida para os porquês de tão fracas e miseráveis prestações dos nossos meninos de azul e branco vestidos, nos 2 últimos jogos realizados – Londres e Braga. Ciclicamente, por estas alturas, lá dão um ar da sua graça os «costumeiros abutres» para tentar ainda mais baralhar ou minar a nossa visão dos factos… a esses, por mim, podem continuar a falar que eu não vos ouço!

Cada cabeça, sua sentença… quero dizer com isto que cada um de nós tem uma opinião formada sobre os reais motivos de tal situação anómala para o lado do Dragão. De todas as opiniões já lidas, encontra-se de tudo um pouco… umas muito próximas, outras completamente díspares das restantes, etc, etc.

Eu próprio, tenho a minha… e apesar de continuar a mantê-la, entendi dar-lhe um ligeiro acréscimo ao «alvo», passados que foram estes dias de reflexão. Quero dizer com isto que mantenha que a culpa desta situação é repartida em partes iguais pelo Treinador Prof. Jesualdo Ferreira, pela sua táctica do «medo», e também pelos jogadores que mostraram com a sua atitude em campo neste 2 jogos, salvo raras excepções, um total desrespeito pelo emblema que carregam ao peito, com a total falta de atitude e garra a todos os níveis desesperante.

É então aqui, que entendo localizar um novo «bode expiatório»… NÓS PRÓPRIOS!!

Nós próprios, sim!!... sócios, adeptos, simpatizantes ou simples anónimos, sim !!... porque não conseguimos ser racionais ou toleráveis ao ponto de perceber que quanto mais «berramos ou reclamamos», mais nos humilhamos a nós próprios e ao mágico clube que tanto amamos!

Admito que embora eu tenha sofrido em silêncio e envergonhado pela forma como tu te comportaste nestes últimos 2 jogos… eu sei… eu sei bem que quando chegar o dia, vai ser mais forte do que eu e lá estarei eu de novo no meu Dragão, na secreta esperança de voltar a ser feliz.

Erros todos cometemos, o problema é não apreender nada com eles. Por isso, temos que pensar o futuro com a certeza que ainda somos o Futebol Clube do Porto, que amanhã teremos de ser muito mais Porto. Que temos de novo de recorrer à nossa mística como povo, de procurar os sentimentos e a identidade que nos fizeram crescer. E que teremos de encontrar Homens que partilhem desses sentimentos e dessa identidade.

Nós que pertencemos a esta mágica Massa Associativa do FC Porto, só podemos ter um único propósito e um único espírito:

Sempre Orgulhosa.
Com cultura de luta e garra.
Com cultura de exigência.
Com cultura de ambição.
Com cultura de vontade.
Com cultura de não aceitar desculpas esfarrapadas.
Com cultura de dar a cara.
Com cultura de lealdade.
Com cultura e paixão pelo jogo.
Com cultura de VITÓRIA.
Menos que isto, podes ser adepto do Nacional, do Braga, dos Ridículos ou dos Escamas …

Meu mágico FC Porto… no próximo dia 14, quando nos voltarmos a encontrar “face-to-face”, prometo que te direi bem alto e em bom som para que todos o ouçam:

Estou aqui para te apoiar, estou aqui porque te amo...
nunca te trairei, porque sem ti, eu não sei viver!!

Há quem seja viciado em álcool, em drogas, em mulheres ou no jogo.
Eu, apenas sou viciado no Futebol Clube do Porto.



PS - Um reparo para os adeptos do “lenço” ou do “assobio” no próximo dia 14… apesar de tudo o que tem acontecido nos últimos dias, apesar do que possa vir a acontecer, ir ao nosso Estádio é um privilégio que deve ser utilizado com honra, com lealdade, e com respeito pela nossa equipa. Apoio incondicional no estádio, sempre!!!. Depois, em família, irritemo-nos à vontade, ok???

14 comentários:

  1. Caro Blue,

    BRAVO !!!!
    Isso não é vício, é QUALIDADE e EDUCAÇÃO (sabe, quanto a esta última, eu costumo dizer que ser PORTISTA é uma questão de (boa) educação !!!).
    É natural que quanto mais se goste, mais se exija, temos é que ver a melhor forma de o (exigir) fazer. Se escolhermos a errada, a probabilidade de mais sofrermos aumenta consideravelmente.
    Como sempre, também lá estarei no dia 14. E na jornada seguinte, e na seguinte à seguinte, e na seguinte a essa, e também na posterior à seguinte a essa, e por aí fora....
    Mas aposto que dia 14, se começar a correr mal, lá vem, sem demoras, como diz o nosso amigo Zirtaev, a “massa assobiativa”...espero que a equipa esteja antecipadamente preparada para isso e que mentalmente tenha capacidade suficiente para os obrigar a engolir o assobio !!!
    P.s. – Tencionava sugerir aos meus colegas o hino do Clube para “pano de fundo” do blog !!! Houve quem se antecipasse. Malandros...

    ResponderEliminar
  2. CARISSIMO AMIGO: estou contigo nisto tb a 95%, mas os outros 5% nao estou, e porqué?
    pq nao estou de acordo com o teu novo conceito de «bode expiatório».
    eu posso ter muitos nomes, mas nao faço parte desse teu novo grupo.

    ps:cuidado com os(cornos do bode)ehehehehehehehehehehehhehe
    malta e so uma piada, nao e pra ofender ninguem..

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar
  4. Jorge Olimpio Bento, dignissimo Presidente do Conselho Directivo do FCDEF, ontem na sua crónica habitual no jornal a Bol(h)a:

    "Ninguém se interrogou acerca das motivações dos administradores da Caixa. Ninguém rotulou e «promiscuidade» intolerável aquele casamento de interesses nada transparentes
    Como o leitor muito bem sabe, a comunicação social, particularmente a televisão, é useira e vezeira em campanhas contra políticos e autarquias que se relacionem com clubes de futebol. As aproximações e colaborações são, por via de regra, vistas como perigosa e inaceitável «promiscuidade». A sanha persecutória é de tal ordem que até parece que o futebol é causador de uma lepra que mina irremediavelmente os fundamentos da democracia e do regular e sadio funcionamento da sociedade.
    Claro que há algum exagero neste meu reparo; e não é bem assim. De facto os media não visam todas as autarquias, todos os políticos e todos os clubes por igual. A acusação de «promiscuidade» e de esbulho do erário público tem destinatários privilegiados. Se em causa estiver uma autarquia e um clube da «província» ou o governo e os clubes da Região Autónoma da Madeira, é certo e sabido que a acusação atinge o espírito de cruzada. Pelo contrário, ela nunca se aplica aos clubes da capital e à respectiva autarquia. Neste caso, não apenas fica de fora a acusação de «promiscuidade», como são escondidos da opinião pública os montantes dos apoios e benefícios concedidos. O que se passou, há tempos, com a construção dos estádios constitui prova irrefutável do que acabo de afirmar; a dualidade e a parcialidade de tratamento do assunto pelos media foram por de mais manifestas.

    Não, não estou a mexer no passado. Estou a referir-me a coisas muito graves do presente e à demissão da comunicação social de exercer a função da crítica, denúncia e questionamento. Vou ser mais explícito. Imaginemos que a Caixa Geral de Depósitos apoiava a construção de instalações do Futebol Clube do Porto, para não falar noutro clube longe da capital. Certamente se levantaria no panorama mediático um coro inflamado de suspeitas, protestos e condenações que fariam cair a Torre dos Clérigos e os responsáveis pelo apoio concedido. Alguém tem dúvidas de que seria assim?

    Todavia o caso ocorreu, só que com um clube da capital; e sobre ele não se levantou a mais pequena pergunta. Ninguém questionou os critérios que levaram a CGD a praticar tal colaboração. Ninguém se preocupou com a legitimidade da operação. Ninguém perguntou que tipo de negócio e investimento é esse. Ninguém se interrogou acerca das motivações dos administradores da Caixa. Ninguém quis saber se isso é benéfico ou lesivo dos contribuintes para a dita instituição. Ninguém rotulou de «promiscuidade» intolerável aquele casamento de interesses nada transparentes.

    Não sei se o apoio da CGD é ou não plausível no plano jurídico e financeiro, tendo em vista a defesa dos sagrados direitos dos seus contribuintes. Mas gostava de saber; mais, todos temos o inalienável direito de conhecer a verdade, o alcance e a justificação da operação em causa. E a comunicação social tinha e tem o dever de questionar, de não se calar, de não se remeter a um silêncio envergonhado e de nos informar com rigor, responsabilidade e clareza. Porém até agora optou por colaborar no encobrimento de uma situação que se apresenta — ela sim! — com contornos de uma promiscuidade abusiva e perversa.

    Não escapa a ninguém que no País, tal como no Mundo, imperam lobbies e organizações, pouco propensos a dar a cara à luz do dia. Igualmente é conhecida a existência de duas grandes organizações, uma de ordem religiosa e outra de matriz laica, que têm forte presença na cena nacional e nela exercem uma influência impossível de negar. Contudo pouca gente se apercebe de que há uma terceira força com evidente capacidade de manobra nos areópagos do poder. É ligada a um clube de futebol que tem gozado e goza de impunidade, proteccionismo e cobertura crescentes. Por este andar, é plausível supor que, dentro em breve, será vedado o desempenho de funções públicas de relevo a todo aquele que não se identifique com essa força e que denuncie os favores activos e passivos de que é beneficiária. Afinal, o sol quando nasce não é para todos."

    ResponderEliminar
  5. Grande comentário!
    Concordo e só não assino por baixo porque infelizmente a distância não me permite estar presente no Dragão a apoiar a nossa equipa. ;)

    ResponderEliminar
  6. Bibó puorto carago!!! Bamos ser campeões!!! (Gostei deste post!)

    ResponderEliminar
  7. Blueboy, és o adepto que qq clube queria ter. È por ter adeptos como tu que o nosso clube é o melhor. Parabens pelo teu portismo.

    Um post que veio do coração e que nos fala ao coração. 5 estrelas.

    Estou contigo.

    Um abraço.
    http://portistasdebancada.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  8. Grande post...Blue Boy.
    Mostras-te a força do Dragão!!!
    Concordo com o que disseste.

    FORÇA PORTO!!!

    Um Abraço,
    Tripeiro
    http://anti-lampiao.blogs.sapo.pt

    ResponderEliminar
  9. meirelesportuense06 outubro, 2006

    Quando chamo a atenção de alguém que gosto muito faço-o porque gosto desse alguém e não para o amesquinhar...Faço-o para tentar corrigir aquilo que eu julgo ter sido uma atitude errada segundo os meus critérios, que até podem estar desactualizados e incorrectos, mas são os que possuo, portanto faço uma advertência com boa-fé e nada mais...Aqui neste espaço que é um espaço aberto a todos, acontece o mesmo, argumenta-se com as armas que se possuem e quem dá tudo o que tem a mais não será obrigado concerteza...Eu sei que passam por aqui outros "figurões" com outras intenções mas que importa, se aquilo que digo é aquilo que eu sinto e corresponde no fundo ao sentimento da maioria não há que ter receio... Não adianta tapar o sol com uma peneira pois ele continuará a passar e a brilhar inexorávelmente...Mas quando for necessário partir do ponto zero isto é, no minuto zero do próximo desafio, a nossa voz estará como sempre esteve ao vosso lado, até demonstrardes de vez a vossa capacidade...

    ResponderEliminar
  10. meirelesportuense08 outubro, 2006

    Estive a ler uma série de artigos publicados pelo Jornal "A Bola" relacionados com a história do nosso Porto e é giro que sejam eles a dar-nos argumentos atrás de argumentos para consubstanciar este sentimento de dualidade de critérios em diversos aspectos...Isto é matéria que vem de muito longe desde os primeiros pontapés na bola...Consultem esses fascículos e não vão dar por perdido o vosso tempo...É mesmo giro...Então os capítulos sobre a Selecção Nacional e os jogos disputados por Mário Wilson - o grande capitão deles- contra o nosso FCP são elucidativos...1grande abraço.

    ResponderEliminar
  11. Que vício mais legitimo, e saudável... Parabéns pelo excelente gosto... e tal como o lema do nosso blog "TODOS JUNTOS SOMOS MAIS FCP" se é que é possível ser mais fcp eheheh

    www.fcpmirandela.blogs.sapo.pt

    ResponderEliminar
  12. bom que te tenhas (re)encontrado. o fcp, no momento em que atravessa, precisa de apoiantes lúcidos mas incondicionais. bem hajas.

    ResponderEliminar