15 novembro, 2006

Um museu e um pavilhão… de papel

Antes de ir ao assunto em si, fui ‘provocado’ no bom sentido da palavra obviamente, pelos comentários no anterior post do Miau e do Jorge… sinceramente, este era também um dos assunto que tinha em mente abordar nesta semana de ‘paragem futebolística’, mas o Amigo Zirtaev do blog ‘Portistas de Bancada’ resolveu antecipar-se e estragar a festa… lol… se quiserem ler esse post, podem fazê-lo clicando aqui, visto que é um daqueles blogs que vale sempre a pena visitar tal como eu que o faço diariamente, mas avancemos.

Vou fazer aqui uma critica construtiva (e não destrutiva…) ao Grande PdC, porque para mim, tenho-o como o melhor Presidente do Mundo, mas, e há sempre um mas, gostaria de ver o dinheiro do clube investido em algo mais positivo, o que verdadeiramente, não acho que tenha acontecido nos últimos anos, basta olhar para as fortunas gastas em contratações mais que duvidosas, as fortunas gastas em indemnizações a certos treinados, etc, etc.

É um facto indesmentível quanto a mim que desde Maio de 2003, aquando da conquista em Sevilha da Taça UEFA, desde aí para cá, o dinheiro tem abundado e de que forma, sendo certo obviamente que não somos nenhum Barcelona, Real Madrid, Manchester ou Chelsea em termos económicos, mas que entraram pequenas fortunas nos cofres, acho que nem vale a pena discutir essa questão.

Já se passaram cerca de 3 anos sobre a inauguração do Estádio do Dragão e quando penso em certas e determinadas situações que possam parecer questões laterais e de menor importância naquele imenso Estádio, de verdade, não o são. E porque não o são? Eu explico.

Até essa data, o FC Porto era um clube que se orgulhava das suas modalidades ditas amadoras e hoje quando olhamos para elas, reparamos que essas encontram-se espalhadas por tudo quando é lado nas redondezas da cidade do Porto… aquilo é Gondomar, aquilo é Santo Tirso, aquilo é Matosinhos, etc, etc… ai que saudades de há uns anos atrás, quando ainda antes de entrar para o velhinho Estádio das Antas para ver o meu FC Porto jogar, ainda havia tempo para ver um jogo de hóquei, de andebol ou de básquete no antigo Pavilhão Américo Sá… que saudades desses velhos tempos!

Lembro-me também por muitas vezes ter-me deslocado ao Porto com um grupo de amigos, era eu ainda um ‘putito’, apanhávamos o comboio bem cedinho em Espinho e lá ia eu todo “Sr. Contente e Feliz” fazer as minhas comprinhas de ‘souvenirs’ na Loja Azul, já que o dinheiro não era muito (ia a semanada quase toda… lol) e aproveitando o tempo que ainda nos restava antes de irmos novamente para Campanha a pé, dávamos ainda uma saltada ao antigo museu que estava localizado por baixo da arquibancada e deliciávamo-nos com toda aquela magia que pairava no ar que nos extasiava a alma e nos engrandecia o orgulho Portista até ao infinito… que saudades desses velhos tempos!

Um museu de um clube é uma espécie de local sagrado e abençoado. É um repositório da história desse clube e das suas conquistas.
No nosso caso, era lá que poderíamos expor taças que são únicas em Portugal, como é o caso da Supertaça Europeia e das duas Taças Intercontinentais.
Era lá que poderíamos expor a Taça do Arsenal e tudo o que ela significou para os adeptos em 1948.
Era lá que poderíamos expor as chuteiras do Pinga, as luvas do Barrigana ou o boné do Pedroto.
Era lá que poderíamos expor as taças das conquistas no Hóquei, no Basquetebol, no Andebol, na Natação, no Atletismo, no Ciclismo e em tantas outras modalidades.
Era lá que poderíamos levar filhos, familiares, amigos ou conhecidos, para sentirem a grandiosa história do FC Porto.
Era lá que poderíamos ir para recordarmos e nos emocionarmos com as glórias vividas.
Era muito mais coisas...

Por isso Sr. Presidente Jorge Nuno Pinto da Costa, pode não lhe parecer, mas acredite que estes são dois temas que podendo numa primeira visão parecer insignificantes se equiparados aos ‘milhões’ que o futebol movimenta, são elementos tão importantes em termos de grandeza e de significado para os atletas, para uma comunidade, para uma cidade e para uma região, como o nosso magnifico Estádio do Dragão.

São também estes pequenos pormenores que nos ajudam a formar psicologicamente e emocionalmente como Portistas… ainda não existem, senão no papel… peço-lhe que esqueça a contratação de um qualquer Léo Lima, de um qualquer Sonkaya, de um qualquer Alain, de um outro qualquer que mesmo que muito esforçado, nunca nos trará nenhum ‘aditivo’ e com esse dinheiro, mande finalmente erguerem-se os tão desejados Museu e Pavilhão que por ora, não passam de um esboço num qualquer papel.

Não se esqueça disso Sr. Presidente… não nos desiluda e surpreenda-nos!!

8 comentários:

  1. Blue, longe de mim querer tirar-te ideias :-), mas é sinal que é uma preocupação que nos atinge a todos nós, portistas.
    Por outro lado mais uma "voz" nunca é demais para tentar mover consciências e fazer lambrar o que achamos que estar mal, por isso quase seria escusado dizer que estou de completo acordo com tudo o que dizes.

    Apenas um senão, embora concorde como já disse como que dizes. PdC já disse que era uma das suas prioridades o Pavilhão e por isso ainda não me referi a ele dando o devido crédito ao nosso presidente até ao final do mandato. Na altura da sua entrevista, de PdC, o jornal O Jogo escreveu que tudo estaria pronto para arrancar já em Março do próximo ano. Vamos aguardar e ter esperança que seja uma realidade isso que se escreveu.

    Um abraço.
    http://portistasdebancada.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  2. Caro Blue, como disse o Zirtaev, o pavilhão será o próximo objectivo de Pinto da Costa [tirando o título português e europeu ;)] como o presidente já afirmou numa entrevista ao jornal O Jogo e penso que só não foi construído antes porque na Câmara do Porto está um senhor chamado Rui Rio.

    Já o Museu concordo em absoluto! Penso que está na altura da Sad tratar desse assunto porque um clube com a história e as conquistas do FC Porto não pode ficar sem museu muito mais tempo.

    ResponderEliminar
  3. muito bom blog pessoal...
    continuem....

    visitem tambem o:
    www.futebolnatv.blogspot.com

    ResponderEliminar
  4. é com grande amargura que vejo o "nosso" Dragão tão desfalcado nestes dois aspectos!!!! O pavilhão sempre esteve previsto nos projectos de construção do estádio do Dragão e até hoje continua inexplicável o porquê de não terem avançado já com essa segunda fase do projecto "Dragão"!!! É por demais evidente que a falta que faz o museu do clube, é uma mais-valia obrigatória no nosso estádio, carago pá, eu vou poucas vezes ao estádio, é verdade, mas em vez de estar no shopping ou a "engonhar" durante aquelas horitas que antecedem o jogo iria de bom gosto visitar o estádio, e como eu iriam muitos mais (adeptos caseiros e visitantes!!!!). é obrigatória, pelo menos, uma sala de troféus, em qualquer clube, em qualquer estádio, e fico muito triste por, sempre que vou ao estádio, não ter a oportunidade de ver de perto, ali ao pé, aqueles grandes títulos que vi o meu FCPorto vencer...

    O "nosso" Porto está-se a perder nos meandros do mercantilismo, é uma inevitabilidade (este despegar ao camaradismo enraizado no binómio clube/adeptos) que se vai aproximando cada vez mais... é como dizes mais abaixo Blue, já perdemos a "loja azul", e eu pergunto: "o que se seguirá????"

    ResponderEliminar
  5. Penso q esses são 2 projectos fundamentais e então o pavilhão é crucial para q as modalidades ganhem ainda mais força...vejam no meu blog pq é q o slb está de novo no guiness..

    ResponderEliminar
  6. OLA PRESIDENTE E AMIGOS;
    e verdade que o f.c.p vendeu 1/5 da SAD aos espanhois????????????''

    quem souber alguma coisa que explique aqui ok!!!!!!!!!! obggggg

    PS:A CONTA PRA AJUDAR O TONECAS JA ESTA ABERTA E NA C.G.D. , QUEM QUIZER E SO FAZER UMA PEQUENA CONTRIBUIÇAO, ELE AGRADEÇE...

    ResponderEliminar
  7. Blue, concordo inteiramente com o que disseste.
    Pelos vistos somos muitos a pensar do mesmo modo, é bom não se dar descanso ao tema, o Museu é mesmo fundamental.
    Lembro-me da última vez que fui à Sala Museu no velhinho e saudoso Estádio da Antas pude localizar com orgulho uma taça que ajudei a ganhar quando nos idos anos 70 aí fazia Atletismo, e do orgulho de ver já a Intercontinental, a Super europeia a a primeira dos Campeões Europeus de 87. É certo, sou mais velho que a maioria da rapaziada que aqui escreve, mas jovem no entusiasmo pelo Clube.
    Quanto ao Pavilhão, ( saudades também do Américo de Sá ), lanço uma dúvida e um reparo ...
    A lotação vai ser só de 2000 lugares? Se é verdade, acho insuficiente. Este aspecto deveria ser revisto, não acham???
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  8. Nem é preciso acrescentar mais nada, subscrevo por inteiro a tua opinião. É a cultura portista que está em causa. O Santuário do Dragão é ali e lamento profundamente não ter voltado uma única vez a assistir um qualquer jogo de hóquei ou basquetebol desde que as nossas modalidades se espalharam por aí.

    ResponderEliminar