16 junho, 2009

17 comentários:

  1. NORTADA

    Por Miguel Sousa Tavares

    NEGÓCIOS DE VERÃO

    1 Não me venham cá com o mercado e as suas durae lex, sed lex: o valor da transferência de Cristiano Ronaldo para o Real Madrid é um escândalo e, quanto à suposta verdade inelutável do mercado, aí está a maior crise económica planetária dos últimos oitenta anos para mostrar como o mercado pode ser desregulado pelo excesso de ambição e falta de regras.

    Como Ronaldo é português, fatalmente vem ao de cima o espírito nacionalista, a que eu chamo saloio, e que nos impede de ver as coisas como as veríamos se fosse um jogador estrangeiro. Nenhum jogador de futebol vale 94 milhões de euros. Nenhum. O que o Real Madrid fez, numa semana em que gastou 160 milhões de euros a comprar Káká e Ronaldo, é não apenas indecoroso face aos valores em si, como é também insustentável, financeira e desportivamente. Há anos atrás, quando se lançou na política de aquisição dos «galácticos», que lhe valeu a presidência do Real, Florentino Pérez financiou-a através da venda do património imobiliário do clube, no centro da cidade, e numa daquelas manobras em compadrio com a autarquia local, que tão bem conhecemos também por cá. Mas, agora, que esse património já não existe, como vai Florentino Pérez financiar estas compras, que elevam para 500 milhões de euros o endividamento do Real Madrid? É verdade que os direitos televisivos em Espanha são astronómicos (até ver…) e que o merchandising resultante da venda dos direitos de imagem dos jogadores pode atingir montantes fabulosos. Mas isso não chega. Pode ser até, como ele disse, que, dentro de um ano, haja um milhão de espanhóis com a camisola de Ronaldo, comprada nas lojas do clube: continua a não chegar — são, no máximo, 30 milhões de euros. Por isso, a pergunta que todos fazem em Espanha é como é que o Real Madrid vai conseguir amortizar estas loucuras do seu presidente e, pior ainda, o que sucederá se não conseguir?

    Desportivamente, toda a gente percebe facilmente que, com negócios destes, a concorrência fica mais do que distorcida, fica falseada. E não são as lágrimas de crocodilo do Sr. Platini que impedem que tal seja verdade. Há uma dúzia de clubes europeus que disputam a Liga dos Campeões cronicamente e em condições que, à partida, lhes dão toda a vantagem. Há muito que deixaram de ser clubes nacionais, para se transformarem em multinacionais, detidos por príncipes árabes sem saber o que fazer ao dinheiro, especuladores da bolsa americana, senhores das máfias do leste europeu ou grandes construtores civis, como Florentino Pérez. No extremo limite desta condição, temos o Liverpool, que disputou os quartos-finais da Champions este ano, com um treinador espanhol e sem um único jogador inglês como titular. Quem pode dizer ainda que se trata de um clube inglês e que representa o futebol das Ilhas? E temos — num patamar abaixo, na condição simultânea de compradores e vendedores — os grandes clubes portugueses: compram jovens esperanças brasileiras e sul-americanas para as revender mais tarde e bem mais caro, enquanto desprezam as jovens esperanças portuguesas, condenadas a expatriar-se para um terceiro patamar, o dos clubes gregos, romenos ou cipriotas.

    Na origem do problema está a teimosia da UE em querer aplicar, sem nenhuma adaptação, as regras de livre circulação de trabalhadores no espaço europeu, como se não entendessem que uma competição europeia de clubes, com quotas de acesso por país, implica um mínimo de correspondência entre a filiação nacional de um clube e a composição da sua equipa. Por este andar, qualquer dia, poderemos ver um Corinthians ou um River Plate a domiciliarem-se em Moscovo ou em Lisboa e disputarem os nossos campeonatos e a Liga dos Campeões Europeus.

    (CONTINUA...)

    ResponderEliminar
  2. 2 Entretanto, parece que há um problema de adaptação do «Circo Ronaldo» às novas regras do marketing impostas pela sua recente filiação a Madrid. Los Angeles e Paris Hilton não ajudam muito a vender um milhão de camisolas em Espanha. Ele vai ter de passar férias em Palma de Maiorca ou Ibiza e arranjar aqueles instantâneos namoros de Verão (planeados ao detalhe pelo seu marketing de apoio) com vedetas da TV ou da canção espanhola. É só uma questão de mudar a agulha.

    3 Cissokho é o primeiro grande negócio de Verão dos nossos clubes e, como não podia deixar de ser, feito pelo FC Porto. Este nem chegou a aquecer o lugar: chegou em Janeiro, parte em Julho. E tantos anos que o FC Porto esperou para ter um lateral-esquerdo digno do lugar e da função!

    O negócio é, sem dúvida, das arábias: custou 300.000 euros, sai por 15 milhões. E tudo seria inatacável, se não subsistisse uma dúvida sobre quanto é que o FC Porto detinha do seu passe. Sabe-se que os 300.000 euros foi o que os azuis pagaram à partida por 60% do passe, comprado ao Vitória de Setúbal, e que o resto ficou nas mãos de uma empresa detida pelo empresário António Araújo — personagem não muito clara, do círculo íntimo de Pinto da Costa. Consta agora que, entretanto, o FC Porto terá comprado mais 20 ou 30% do passe ao Sr. António Araújo — mas não se sabe por quanto nem se isso aconteceu, de facto. O que não se percebe também é a razão pela qual, a um preço tão barato, o FC Porto não gastou logo mais 200.000 euros para ficar com a totalidade do passe. Hoje, o lucro da revenda seria todo seu, sem ter de dividir não se sabe quanto com mais alguém. Alguém que teve a grande sorte de ter o seu produto exposto na montra da Liga dos Campeões, à boleia da camisola do FC Porto.

    Na rampa de saída estão agora Bruno Alves e Lisandro. Ambos serão perdas imensas na equipa, mas, como todos os anos sucede, é preciso vender os anéis para poder pagar os prejuízos crónicos da gestão corrente — tornados inevitáveis pela existência de uma folha de pagamentos que tem mais de 70 jogadores seniores a receberem ordenado do clube, dos quais 44 emprestados!

    Na calha para substituir Bruno Alves está Nuno André Coelho que, ou muito me engano, ou rapidamente atingirá o estatuto dos grandes centrais que o FC Porto produz, como epidemia saudável, há vinte anos. Já Lisandro López vai ser bem mais difícil de substituir. Jogadores como ele custam… o mesmo que ele. E os que são baratos, ninguém pode garantir que consigam produzir metade do que ele produz ao fim de dois anos de aprendizagem.

    Mas, para quem ainda pudesse ter dúvidas sobre a conveniência de continuar a contar com Jesualdo Ferreira para o futuro, aqui fica mais uma resposta. Não são apenas os três campeonatos consecutivos, as três fases de eliminatórias da Champions e uma Taça de Portugal que ele acumulou em três anos. É a capacidade notável que ele tem demonstrado de transformar jogadores que pareciam sem grande margem de progressão em estrelas cobiçadas pelos tubarões. Bruno Alves e Lisandro López são os casos mais notáveis. Mas também o são Cissokho, Fernando, Raul Meireles.

    É certo que nem tudo são sucessos e por isso é que não vemos ninguém a cobiçar o Farías, o Mariano González ou o Freddy Guarin. Mas basta acertar duas apostas por ano para deixar a administração da SAD do clube tranquila. Imagine-se o que não seria o pânico se o FC Porto chegasse ao fim da época e não conseguisse fazer um grande negócio de Verão?

    4 Não foi um grande negócio, mas foi uma grande e esperada golpada: a de Luís Filipe Vieira, ao antecipar eleições para Julho, para poder ser reeleito sem problemas e sem riscos. E diz ele que não está agarrado ao poder! O que faria se estivesse!

    in abola.pt

    ResponderEliminar
  3. "O negócio é, sem dúvida, das arábias: custou 300.000 euros, sai por 15 milhões. E tudo seria inatacável, se não subsistisse uma dúvida sobre quanto é que o FC Porto detinha do seu passe. Sabe-se que os 300.000 euros foi o que os azuis pagaram à partida por 60% do passe, comprado ao Vitória de Setúbal, e que o resto ficou nas mãos de uma empresa detida pelo empresário António Araújo — personagem não muito clara, do círculo íntimo de Pinto da Costa. Consta agora que, entretanto, o FC Porto terá comprado mais 20 ou 30% do passe ao Sr. António Araújo — mas não se sabe por quanto nem se isso aconteceu, de facto. O que não se percebe também é a razão pela qual, a um preço tão barato, o FC Porto não gastou logo mais 200.000 euros para ficar com a totalidade do passe. Hoje, o lucro da revenda seria todo seu, sem ter de dividir não se sabe quanto com mais alguém. Alguém que teve a grande sorte de ter o seu produto exposto na montra da Liga dos Campeões, à boleia da camisola do FC Porto."

    Caro MST,

    Esse tipo de questões não se levantam. Nem percebo o seu alcance, objectivo e pertinência. A grande maioria dos adeptos não está de acordo com ela e nem se interessa sequer. Portanto, veja lá se evita essas questões e dedique as suas prosaicas linhas a odes constantes à administração da SAD do FC Porto. Obrigado.

    ResponderEliminar
  4. Para finalizar, caro MST, evite pensar pela sua própria cabeça.

    Vai ver que se chateia menos com estas coisas de gestão desportiva e financeira da SAD do FC Porto. Obrigado.

    ResponderEliminar
  5. O FC Porto detinha no momento da venda 90% do passe do Francês. O resto é mera especulação. Excelente negócio. Sem ser SEMPRE pró SAD digo aqui q neste particular a SAD esteve muito bem.

    ResponderEliminar
  6. O transformer, o rui santos e o MST tiveram direito a resposta no FCPorto:

    Rui Santos não fala verdade

    A FC Porto – Futebol, SAD detém 90 por cento dos direitos desportivos de Cissokho, que estão a ser negociados com o AC Milan. Tudo o que possa dizer-se a mais ou a menos é mentira. Assim sendo, Rui Santos mentiu no Tempo Extra deste domingo, quando disse que apenas 60 por cento do passe do defesa francês pertencem à sociedade azul e branca.

    Já não é a primeira vez, nem será seguramente a última, mas fica aqui o esclarecimento. Pode ser que, de futuro, este comentador tenha o cuidado de se elucidar antes de falar sobre o FC Porto. E, já agora, também não lhe fica nada bem insistir em insinuações sobre atletas que defrontam os Tetracampeões, especialmente quando não assume as mesmas «teorias da conspiração» quando as cores são outras.

    ResponderEliminar
  7. Dissiparam-se as dúvidas então. 90%, e não 60.

    No total dos prós e dos contras, o negócio é bom.

    Abraço

    ResponderEliminar
  8. Tenho pena de ver partir Cissokho, mas se formos realistas, temos que admitir que um negócio destes é quase irrecusável.

    Boa sorte ao Cissokho, que enquanto esteve por cá mostrou uma humildade extrema.

    ResponderEliminar
  9. MST, em ALTA e em BAIXA, como habitualmente:

    EM ALTA...

    ... porque de facto, não há jogador algum que valha 94 milhões de euros... até diria mais, nem 10, 20 ou 30, quanto mais, 94 milhões.

    ... o negócio do Cissokho é de facto, das Arábias... mas lá está, não vale os 15, nem de perto, nem de longe... mas aqui, excelente para o FC Porto.

    ... o Prof. Jesualdo, tem conseguido de facto, transformar alguns bons jogadores... em excelentes jogadores, o que é um outro seu mérito que a mais ninguém pode ser associado, senão ao próprio.

    EM BAIXA

    ... porque lá está, o negócio do Cissokho tinha mesmo que ter alguma coisa neblosa para isto e aquilo, fazendo-me lembrar a história da carochinha que se a minha avó tivesse coisos, era meu avô, ora pois claro. Desta vez, 300.000 euros deu e portanto, há que atacar, nem que seja por um peleiro... mas e se afinal, com mais este, não fossem 44 os emprestados, mas sim 44+1, o que se iria dizer? mais uma borrada da SAD que gastou 300.000 euros para deitar fora, quando o estrondo ainda poderia ser bem pior se tivesse os 100% do passe.

    ... ninguém cobiça Farias, Marianos e Freddys, mas lá está, mas tempos houve que tb ninguém cobiçava Pepes, Brunos Alves e outros que tais, perguntando eu agora: onde estão eles ou para onde se encaminham eles? e por quanto?

    Moral da história: nesta coisa do futebol, onde eu me incluo obviamente com a minha opinião, que bem pode ser diferente ou igual a tantas outras, valendo o que vale e nada mais que isso, nós, no lugar deles, é que eramos bons, até digo mais, eramos infaliveis carago! Erros connosco, era coisa impossivel de acontecer. Mas lá tá, eles não percebem nada daquilo e nós, é que somos bons, aliás, excelentemente bons e magnificos!!

    ResponderEliminar
  10. Bem dito Blue! A crónica está boa, mas como sempre, tem aquele "picanço" que é escusado. Tudo bem que deve criticar quando não está de acordo, mas a questão aqui é que bate sempre na mesma tecla! Senão vejamos, qual é o clube que chega ao fim da época com os seus jogadores todos com os mesmos minutos nas pernas? Ou então qual é o clube que chega ao fim da época, e que tem os seus jogadores todos com mercado? É óbvio que para jogarem sempre uns, há outros que jogam menos..
    E estou também agradecido ao Jesualdo por ter "despertado" vários jogadores, para darem realmente o máximo de si!
    Exemplo disso, o Mariano, o tal que "ninguém" o cobiça, que o ano passado acabou a época como "flop" generalizado e que não mostrou nada, e este ano chegou a ser herói...

    Abraço

    ResponderEliminar
  11. O MST queria que os todos os jogadores do plantel tivessem o Man.United, Barça, R.Madrid, Milan, Liverpool e Inter atrás deles. Todos mesmo. Os que jogam, os que não jogam e até os emprestados. Só assim é que para ele o plantel estaria bem feito.

    ResponderEliminar
  12. É verdade. Mas penso que o maior problema é mesmo ser de ideias fixas. Nestas coisas do futebol, há sempre quem se engane e defenda ideias, que mais tarde seja provado que são erradas. Já aconteceu comigo, e com todos. É normal. Mas é bom admitir isso, enquanto que o MST dê por onde der, para ele, nunca se enganou e diz sempre a verdade.

    E dou um exemplo... nem que o Quaresma estivesse a época inteira a lutar pela titularidade nas reservas do Chelsea (como esteve a segunda metade desta época), seria sempre o grande Quaresma! E nem que o Mariano fizesse "hat-trick's" em todos os jogos na próxima temporada, seria sempre o pequeno Mariano...

    Abraço

    ResponderEliminar
  13. Caro lucho,

    Não percebo o porquê de ter tido direito a resposta no site do FC Porto, mas se o site entendeu que me devia dar uma resposta, fico satisfeito. Nem todos podem dizer o mesmo. É sinal que lêem o que escrevo e me consideram tão importante, ao ponto de merecer uma resposta. Obrigado ao site do FC Porto.

    Tu próprio o disseste.

    ResponderEliminar
  14. "Não percebo o porquê de ter tido direito a resposta no site do FC Porto"

    Mas eu percebo e não me importo nada de to dizer...
    É simples... nem 8 nem 80, tu achas que nós estamos sempre de acordo com o SAD faz. Não é verdade, mas falando neste caso particular, estamos de acordo. Ao contrário pelo que tenho lido, tu nunca estás de acordo, dê por onde der. Já pareces o MST, aconteça o que acontecer...
    Esta resposta no site do FC Porto só prova que não se deve cuspir para o ar...

    Um Abraço

    ResponderEliminar
  15. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar
  16. Um pequeno esclarecimento:

    Só entro em diálogo com as altas patentes deste blog.

    Quanto aos outros, tenham lá paciência.

    Obrigado.

    ResponderEliminar
  17. Para as baixas patentes de "anónimos" que não sabem ler entrelinhas, o que o Lucho quis dizer foi que o site do FCP apenas respondeu e correspondeu com a verdade, factos e com números reais, a aqueles que falam muito (mas muitas vezes ou algumas, com muito pouco conteúdo qualitativo..)

    abraço

    ResponderEliminar