09 abril, 2010

Paralelismos e um novo Dragão apadrinhado por golaço de Falcao!

http://bibo-porto-carago.blogspot.com/

  1. Costuma-se dizer que “burro velho não aprende línguas”, Jesualdo é disso exemplo e ultimamente, de quando em vez, quando faz uso da sua, nem sempre é feliz no que debita cá para fora. Não querendo bater no ceguinho, a Calçada, no entanto, achou de muito mau tom, o professor no final da jornada pretérita ter-se escondido atrás de declarações que mencionavam que o derbi minhoto tinha decorrido de forma “pouco clara”, para esconder as limitações de um grupo que nunca foi constante ao longo da época, e nunca, antes, apontar quem realmente nos quis atacar. Até então, o treinador portista nunca tinha vindo, de sobranceria, a terreiro elucidar factos como agora o quis fazer. Não vale a pena, agora, “desancar” em quem nunca nos fez mal, até porque se estamos no lugar em que estamos, também, é por culpa própria. Até, porque segundo é consensual, a vitória dos minhotos bracarenses não merece contestação no que aos penalties diz respeito, se um até possa ter sido mal assinalado, no entanto outro ficou por assinalar. E se “burro velho não aprende línguas”, cuidado professor, da terra dos estudantes, diz-se que, já há quem queira falar tripeiro…


  2. Nunca apreciei as matemáticas, fui sempre dado mais às humanidades e às linguísticas, mas que diabo, fui-me apercebendo à medida que crescia que a ciência exacta também faz parte da vida e é importante, talvez por isso comecei a dar mais atenção às estatísticas. E não é que o futebol me ajudou! Hulk, o senhor das bolas perdidas, com a fama de na cara, ao menos e abençoado, não falhar nenhuma bolada; aquele que estatisticamente, castigado, era melhor para o FCPorto do que a jogar. Ora, acaba-se castigos e lá vem a matemática “quilhar” a própria matemática, isto equivale dizer que dois jogos, já, com Hulk, são sinónimo de sete golos para o Porto, dois golos do brasileiro, três assistências para golo, e a armada avançada portista ganhou nova alma. Agora percebe-se, porque seis milhões, ou mais de metade dos estudantes portugueses detestam a matemática!


  3. E por falar em castigos, deviam punir aqueles que não sabem ser coerentes. Ricardo Costa por exemplo, o senhor sabe tudo, com pompa e circunstância em conferências de imprensa “improvisadas”, vem em bom português castigar o inimigo, salvaguardando-se, no entanto, que considera a decisão desajustada e exagerada. Meses depois de ter sido desautorizado, não percebe a leveza da pena reconsiderada. Uns demitem-se, sem explicação com tabu enfeitado, outros, talvez dementes e orgulhosos, dizem-se presidentes de comissões disciplinares. Retorque o calceteiro que “há doidos para tudo…”.


  4. Costuma-se dizer que o melhor fica sempre para o fim, pois então não queria deixar de partilhar o orgulho que sinto em ter levado comigo o meu afilhado, junto com o seu pai e avô, no passado sábado, ao seu primeiro jogo no estádio do Dragão. E como é importante, juntos dos nossos, ver que a nossa estreia é marcada por uma vitória do clube que amamos, apadrinhada com um golo de levantar o estádio e com uma goleada sem contestação! Três anos, são a idade do minor, mas de certo que por muitos a sua estreia será lembrada. Também o padrinho, nunca esqueceu a sua estreia, fora há dezassete anos, no saudoso Estádio das Antas, tinha os seus 8/9 anos, e se é permitido o paralelismo, recordo-me que a minha primeira vez no estádio do clube que amo, ter sido, também, contra uma equipa da Madeira (o sub-divisionário União da Madeira), também, ter entrado a perder com um erro, desta feita com frango de Baía, mas de ter acabado, também a golear pelos mesmos 4-1 e de ter visto, um golaço de Timofte de livre, tal como fizera agora Falcao mas de bicicleta. Nesse ano, ficámos em segundo atrás do Benfica, foi na longínqua época de 93/94, foi também aí que, com reflexão, iniciámos o rumo para o Penta! Coincidências ou não, Gustavo, o FCPorto ao menos já o trazes no coração!
ps - Gostaria de dedicar este post à estreia do meu afilhado do seu primeiro jogo no estádio do Dragão. Fica já agora o vídeo, por curiosidade e para mais tarde recordar, com o resumo do jogo que marcou a minha estreia:



Abraço e fiquem por aí…que eu fico!

14 comentários:

  1. So para corrigir algo. O inicio do Penta foi em 94/95. Na época do vídeo foi o Benfica campeão.

    ResponderEliminar
  2. João, criaste uma grande responsabilidade: levaste o miúdo e o F.C.Porto ganhou. Isso significa que o puto passa a talismã e meu caro, pergunta à Mafaldinha se não é verdade, obriga a que até haver um resultado negativo, o miúdo tem de ir sempre ao Dragão. Desenrasca-te.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  3. "foi na longínqua época de 93/94, foi também aí que, com reflexão, iniciámos o rumo para o Penta"

    O João explicou-se bem, fez-se a reflexão em 93/94 e nessa BOA REFLEXÃO o rumo ficou traçado e começou o percurso do penta com o 1º êxito em 94/95.

    O João espera e eu tb q a reflexão seja esta época (2009/10) e a partir da px os êxitos não parem:)

    ResponderEliminar
  4. Confesso que estou um pouco baralhado, então a "grande" equipa apanhou 4 no ananás!?

    Então o "perfume" (só se for de merda) do futebol português com clausula de 40 M€, fortíssimo no 1 para 1, não consegui passar uma única vez por um defesa!? (falo do Di-Maricas)

    Então o "magnifico" central, Ricardo Carvalho da luz (LOL), David Luiz, fartou-se de ser comido pelos avançados, e como se não bastasse, foi se armar em maradona, perdeu a bola, dando mais um golo aos adversários!? Tem clausula de 50M€ !?

    Sinceramente, com estes tristes de merda, vou mandar um e-mail ao Pinto da Costa a pedir para aumentar a clausula do HULK, que em comparação com estes mancos está muitíssimo baixa.

    CARREGAAAAAAAA LIVERPOOLLLLLLLLLLLLL

    ResponderEliminar
  5. Curiosamente, a caixa de comentarios do Bibo Porto está a voltar à normalidade...
    Muita gente está a voltar para a toca...

    ResponderEliminar
  6. Esperemos que os erros sejam corrigidos, e que a próxima época seja a do regresso ao nosso lugar, o 1º!

    ResponderEliminar
  7. Já agora e em relação a ontem...
    Não é que o mestre da tática também inventou e mexeu na defesa???!!!!Levou quatro.
    Tal como o nosso Jesualdo...
    Ninguém diz a estes treinadores que não devem inventar nestes jogos?
    Afinal Jesualdo não está só...
    Para quem fala que o Nuno não devia ter jogado a final da cerveja, porque não defendeu o Quim?
    Paralelismos engraçados e erros cometidos pelo "novo Mourinho" Arrgggg!!!

    ResponderEliminar
  8. 1.
    Não há dúvida, o “calceteiro” sabe colocar as pedras nos seus devidos lugares, muito embora eu tenha notado que, na minha opinião, a pedra do Professor esteja um pouco desalinhada com aquilo que penso dele, mas enfim, são desenhos de autor e como tal, pode-se discordar do estilo, mas não se pode negar o talento posto na obra.
    2.
    A pedrinha do Hulk está perfeita e aprimora o quadro. Pena é realmente ter sido escamoteada ao artista durante grande parte da calçada.
    3.
    O “rêbo” esquinado e mal talhado do “pavão vermelho” causa incomodo ao artista, mas por imposição do contracto não teve remédio senão inclui-lo no pavimento, e sendo assim os transeuntes terão de tropeçar nessa aberração e continuar a caminhada.
    4.
    O artista, ciente da beleza da sua calçada azul e branca, convidou orgulhoso o seu sobrinho para desfrutar da emoção única de contemplar o Dragão. Nesse delicioso pormenor relembra-me o brilho nos olhos do Fimoze de terceira geração (9 anos) quando sentado a meu lado trinca o cachecol do tetra-campeonato quando o Porto falha o golo, e como o esvoaça sobre a cabeça em cada vitória.
    Estas coisas não cabem em palavras.
    Só vividas.

    ResponderEliminar
  9. João Salvador o que escreves no fim deixa-me orgulhoso porque é algo que considero muito importante, são estes pequenos gestos que não deixam que a chama do Dragão passe em claro.

    As tuas Palavras:

    "...pois então não queria deixar de partilhar o orgulho que sinto em ter levado comigo o meu afilhado, junto com o seu pai e avô, no passado sábado, ao seu primeiro jogo no estádio do Dragão. E como é importante, juntos dos nossos..."

    Um grande abraço.

    ResponderEliminar
  10. Caro João,
    O meu pequeno tem 4 e canta sem hesitar
    "Allez PORTO allez
    nós somos a tua voz
    queremos esta vitória
    conquista-a por nós"
    Confesso que o "conquista-a" lhe custa ainda a dizer mas como o substitui por "conquistada" também é verdade e vou deixando.
    Confesso também, que ainda não o levei ao DRAGÃO, mas teimoso como é ainda embirra que quer lá ficar e nunca mais de lá sai.
    Abraços

    ResponderEliminar
  11. Bem essa de não querer bater no ceguinho e depois desatar a bater também acho que não foi muito feliz... enfim, quando o Jesualdo não comentava as arbitragens, era porque não o fazia, quando comenta - e lembro que ele falou na generalidade - é porque é um burro velho...
    além disso todos nós sabemos que um treinador nunca fala só para responder às perguntas, mas fala também para o balneário e para o seu empregador...

    ResponderEliminar
  12. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  13. @ Lúcifer

    MUITOS PARABÉNS! pelo vosso Tetra.

    (só é pena que tenha sido num resultado de um jogo de futebol e não no somatório de títulos conquistados de forma ininterrupta).

    saudações PENTACAMPEÃS!

    ResponderEliminar
  14. Estão todos a voltar para a toca porque com estas duas goleadas já vamos ser pentacampeões e já está tudo bem outra vez.

    A goleada em Londres nunca existiu.

    Os onze pontos de atraso em relação aos vermelhos não só serão recuperados nas póximas cinco jornadas como iremos repor os mesmo onze a nosso favor com que terminámos a época passada.

    Os três secos que levámos em Alvalade ou no Algarve nunca existiram.

    Estão bem explicadas as razões porque todos já estão a voltar para a toca. Afinal, já está tudo bem outra vez. Bastou ganhar dois ou três jogos e tudo que de mal foi feito evaporou-se sem deixar rasto.

    Era nesse mundo que adorava viver.

    ResponderEliminar