04 outubro, 2008

Fazer figas e agradecer a Jesus Cristo

“É preciso ter calma, não dar o corpo pela alma...”

Segue, aqui, a visão do Arsenal FC vs FC Porto nos mass-média Franceses.

Eis o que ouvi e o que li: vou tentar ser o mais fiel possível, para um melhor esclarecimento do debate actual no seio da família Portista.

1. imprensa radiofónica:

As rádios nada salientaram quanto ao jogo, limitando-se a comunicar o resultado e a classificação do grupo. Isto às 6h00 da manhã, hora de Paris. Só a France-Inter estendeu o comentário dizendo: “Derrota severa do FC Porto perante o Arsenal”. Comentário simpático, já que, implicitamente, o jornalista coloca o FC Porto e o Arsenal FC, graças ao adjectivo severo, no mesmo plano. Note-se que as emissões de rádio matinais são as mais ouvidas.

2. imprensa televisiva:

Nos canais (públicos) que vi o Arsenal FC vs FC Porto não foi citado.

3. imprensa on-line:

Existe o comentário do diário “L’Equipe”, on line, redigido, imediatamente, após o jogo. Ou seja, em data de 30 de Setembro de 2008.

Dá o seguinte: “Arsenal magistral. Os homens de Arsene Wenger deram uma lição de futebol ao Porto que se afundou à medida que o desafio decorria. Os Gunners ficam, assim, à frente do grupo e sossegam-se após o passo em falso do último jogo.”. O mesmo jornalista escrevia no final da primeira parte: ”Primeira parte agradável. Os Portugueses são perigosos no contra-ataque“.

Existe, igualmente, o comentário da revista “So Foot”, on line, em data de quarta-feira, 1 de Outubro. Outra visão.

Dá o seguinte: “Almunia é uma loura branqueada. Almunia é uma bomba latina, DJ... Manu teve o mérito de estar quando era preciso, ou seja, durante os primeiros vinte e oito minutos. Período durante o qual Cristian Rodriguez e Lisandro Lopez tiveram a oportunidade franca de ir ao cú dos artilheiros. Além de fazer figas e agradecer a Jesus Cristo durante estas investidas Portuguesas, o guarda-redes Espanhol assistiu, igualmente, aos golos de....”.

4. imprensa papel:

Dos inúmeros diários consultados, só não li o Oueste-France (esgotado nas bancas) e o “20 minutes” (diário gratuito do metropolitano Parisiense). Nenhum fala do jogo. Só o resultado é transcrito.

Pois: as coisas sérias só começarão nos oitavos de final! Bem tem razão a melhor revista Francesa de futebol, quanto a mim, "Les Cahiers du Football", de só comentarem após os oitavos. E aí já estaremos em directo. Nas qualificações directas.

Existe uma excepção para a edicão papel. O que é obrigatorio. É a do diário “L’Equipe”. Escreve Bruno Constant (página 4, a 1 de Outubro do ano em curso). Leiam com atenção:

“Após a sua derrota perante o Hull City (1-2), no último sábado, os jogadores de Arsene Wenger queriam absolver-se. Está feito. Deram uma lição ao Porto (4-0). Os Londrinos encabeçalham, assim, o primeiro lugar do grupo G , beneficiando do empate do Fenarbahçe e do Dínamo de Kiev (0-0). Ficaríamos tentados em pensar que o episódio Hull foi uma avaria. Mas tudo não foi assim tão simples como o poderia deixar pensar o placard. Se os artilheiros recuperaram a sua vontade ofensiva (sete cantos e dois golos ao intervalo), continuam a ter o mau hábito de deixar o adversário ser perigoso logo que, este, entra no seu meio campo. Os Portugueses criaram três oportunidades nítidas de golo antes que Van Persie inaugure o marcador. Foi preciso um pouco de sorte aquando do remate de cabeça do antigo parisiense, Cristian Rodriguez, que esbarrou na barra (13’), o talento de Almunia aquando o chuto de Lisandro (26’), e toda a vigilância de Clichy, na linha de golo, aquando uma nova tentativa de Lisandro (28’), para que o Arsenal não estivesse a perder. Perante tal ausência de realismo, os artilheiros não tiveram piedade (...)“.

5. síntese:

Como se pode observar, os artigos da imprensa Francesa não falam de humilhação. Quer a edição on-line do “So foot” quer o diário “L’Equipe” falam de pouca sorte ou de falta realismo.

Uma coisa parece certa para os jornalistas Franceses, citados: O FC Porto fez 30 minutos excelentes na primeira parte. Porque se vai abaixo em seguida? É algo que que não consigo entender. Tanto mais que não parece ser a primeira vez. Parece uma incógnita.

Deixo o debate em aberto !

E Viva o Porto !

30 comentários:

  1. pela primeira vez em 3 anos, desejo mesmo que o jesualdo ferreira saia do porto.

    ao contrario de um post anterior, avalio a permanencia do jesualdo, em forma de competencia ou incompetencia.

    e este demonstra mais incompetencia que competencia.

    se este for competente, que continue , mesmo que perca todos os proximos jogos.

    se este for incompetente , que saia, mesmo que ganhe tudo o que tem a ganhar.

    o mesmo vai para a direcção.

    para todos os que criticam a direcção, que depois esta mesmo não ganhe com maioria praticamente absoluta,sem contestação alguma.

    não precisamos de estrelas. nao precisamos de um "pinto da costa" pela fama ou pelo estrelato.

    nem na direcção nem na equipa tecnica nem no campo. precisamos de competencia, seja ela portuguesa, estrangeira, estrela ou anonima.

    e competencia é o que já nao vejo neste clube, a todos os niveis.

    decisões controversias, contratações erradas, tacticas erradas e jogadores a jogarem mal.

    algo ( quase tudo ) vai mesmo muito mal no reino do dragão.

    ResponderEliminar
  2. sinceramente, sobre o proximo jogo contra o sporting, so espero isto :

    ver a competencia da equipa. não pela vitoria.

    a vitoria tem sempre mil e um factores, tal como a sorte, e neste caso , tal como o SLB ( senhor lucilio batista ).

    mas a competencia tem que ser analizada.

    dias maus e jogos maus ocorrem sempre. o caso do arsenal pode ter sido um dia mau, opcões erradas, mas com alguma razao ou logica por detrás.

    espero que indiferente da vitoria e derrota, os comentadores deste blog possam dar a sua opinião fria e racional sobre a competencia deste FC Porto. e depois sobre isso, friamente e racionalmente, opinem sobre as soluções a tomar

    ResponderEliminar
  3. Coitados daqueles, que caindo, não são capazes de se levantar.
    Eu acredito que o F.C.Porto se vai levantar em Alvalade e vai ultrapassar a terça-feira de má memória, que foi o jogo em Londres.
    Depois desse jogo e como o campeonato vai parar, falemos e discutamos, tudo!
    Um abraço

    ResponderEliminar
  4. PortoMaravilha :


    Mesmo que não falem em "humilhação"
    (quiçá por não gostarem dos ingleses ) podes crer que foi isso que aconteceu !


    Abraço

    ResponderEliminar
  5. Felizmente que o clube regional dos saloios não tem nenhum canal , assim em vez de vermos os malucos do riso ou os Gato fedorento podemos sempre assistir aos jogos deles para darmos umas boas e ridiculas gargalhadas ... como o Wenger...

    ResponderEliminar
  6. mEU CARO tIAGOJCS,

    Boas gargalhadas todos damos, em altutas diferentes da vida. Espantoso é que tu, como adepto do clube de trazer por casa, tenhas ainda vontade de rir.

    Aparentemente, o "dream team", "melhor plantel dos últimos 10 anos", "a espinha dorsal da Selecção", "melhor clube do Mundo em 3 anos", etc, etc, etc, já esgotaram o reportório de fazer rir, para as bandas do galinheiro.

    Serás, provavelmente, um daqueles casos clínicos, retratados com toda a propriedade nos episódios do House. Sofrendo provavelmente de uma qualquer disfunção cognitiva, consegues apenas encontrar forças para encarar o teu dia a dia na desgraça dos outros...

    Caso os comprimidos te tenham feito perder parcialmente a memória, as gargalhadas do Wenger foram dadas à custa de um clube tricampeão. E isso, já se sabe, não é para todos. Só mesmo para alguns.

    Por isso, vai lá para o buraco de onde saiste, dedicar-te ao passatempo predilecto dos benfiquistas: ver a RTP memória. É mesmo a única forma de veres aquelas cores que idolatras a vencr alguma coisa...

    ResponderEliminar
  7. Na minha modesta opinião também acho que a imprensa nacional exagerou um bom bocado. Nós como PORTISTAS não podemos dar grande importância ao que eles dizem, se fosse um daqueles da segunda circular diziam era normal a equipa estava em formação ......... Já sabem o resto do filme .
    Quanto ao nosso F C PORTO acredito que vamos ganhar o próximo jogo acham que a direcção está a dormir ’????
    Temos que apoiar o nosso clube F C PORTO SEMPRE com qualquer treinador, eu sou sempre PORTISTA .
    Lucho logo que saibas noticias do jogo de andebol dis




    Abraço

    ResponderEliminar
  8. Porto Maravilha,

    Independentemente do que foi escrito na imprensa francesa, a realidade foi claramente diferente.

    O Porto foi humilhado. Esmagado. Fez uma exibição patética. E, nem mesmo na primeira meia-hora, período referido pelos media franceses, se viu algo de excelente. O Porto sobreviveu, com alguns sobressaltos, evidenciando pecados maiores, que o viriam a vitimizar, mais tarde.

    Pese isso, gosto da análise fria e racional feita pela imprensa gaulesa, longe do sensacionalismo gritante dos media ingleses, sempre prontos a glorificarem os clubes nacionais, evidenciando uma postura muitas vezes xenófoba para as cores estrangeiras.

    Apesar de tudo, eu acredito. Numa exibição condigna. No orgulho daquele emblema. Amanhã em Alvalade.

    Que vençamos. Porque senão, lá teremos que arrostar com mais uns artigos de "opinião" do suspeito do costume, nas páginas da Bola, "desmascarando" negociatas, etc e tal. São os portistas que eles gostam, lá pela redacção do pasquim...

    ResponderEliminar
  9. Eu espero que o Rodriguez jogue contra o Sporting.

    PortoMaravilha:

    Bom post

    visitem

    http://campeoesfcporto.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  10. Infelizmente, Portomaravilha, o que dizem os gauleses não foi o que eu senti na 2ª parte do jogo em Londres. Porque não foi só jogar mal, foi o olhar para a cara dos nossos jogadores e ver que os que não estavam aterrorizados, parecia que estavam drogados e longe daquilo.

    De qualquer maneira, o Sporting não é o Arsenal e, o Paulo Bento não é melhor do que o Jesualdo (talvez até seja pior) e se o Prof não inventar é bem possível que, pelo menos, não percamos. Vamos acreditar que a equipa, no jogo de Londres, se esteve a guardar para o jogo do WCXXI e se apresente bem fisicamente e tacticamente com um Lucho Gonzalez de volta ao seu esplendor.

    PORTO SEMPRE!

    P.S. É bonito ver como os GAYvotas gostam de vir aqui ver este como se vive este grande clube apesar de palermas. Eu, por mim, coisas dos vermelhos, até me dá arrepios...

    ResponderEliminar
  11. Portomaravilha:

    Oportuno como sempre este teu post. A 1ª parte foi razoável mas já se detectavam buracos enormes na esquerda do nosso meio campo e defesa. A 2ª parte foi como todos admitem patética...Olha hj o Wenger não se riu, 1-1 em sunderland...

    abraço

    ResponderEliminar
  12. Começo com vitória no nacional de basquetebol. Vitória em Ílhavo, por 88-78, mostrando alguns dos predicados que se espera levem os Dragões à vitória final.

    Foi um Porto atípico, pela ausência de Nuno Marçal, João Figueiredo e Paulo Cunha. Muitas caras novas, primando pela juventude, com destaque para o belo jogo do base Daniel Monteiro. 17 pontos, vários triplos preciosos, cirúrgicos para manter o Porto na corrida pela vitória.

    E ela não foi fácil. 1º período francamente mau, que terminou com um parcial de 21-14. Nos Dragões, sobressaíram os 2 americanos. Agradou-me Christian Burns, com notável capacidade técnica e mobilidade, marcando inclusive de triplo. Kevin Martin, melhor marcador com 22 pontos, trouxe poder de fogo na luta das tabelas. Poderoso nos ressaltos, ganhou inúmeros ofensivos. Pena que cometa alguns erros primários.
    Foi um Porto de recurso, com muitos jovens lançados às feras, mas suficiente para vencer. E isso é que importa.

    ResponderEliminar
  13. SÓ BOAS NOVAS CARAGO:

    ANDEBOL:

    GANHAMOS NA MADEIRA 23-31

    ResponderEliminar
  14. O Porto não joga hoje com a Cambra em hóquei?

    ResponderEliminar
  15. É sempre está a jogar.
    E pela info do fiel antilamp do forum dos dragões está Cambra 1-4 FC Porto, já na segunda parte.

    E, ao intervalo a Oliveirense batia o Benfica por 1-0.

    ResponderEliminar
  16. Resultados finais:

    Cambra 1 - FC Porto 5
    Oliveirense 3 - Benfica 2
    O Tó Neves marcou, pelo menos, 2

    Um bem haja para ele :-)

    ResponderEliminar
  17. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  18. Grande tarde para o FC Porto, vitórias no andebol, basket e hóquei. E enquanto isso os mouros (em hóquei)levaram na tabuleta em Oliveira de Azeméis. Embrulha! oxalá esta boa onda continue amanhã:)

    ResponderEliminar
  19. Força PORTO !!!!!! no Andebol mais uma grande vitória desta nossa equipa que bem merece pois tem mostrado força de vencer em todos os jogos , na madeira não é fácil de ganhar . Basquetebol e hóquei também com vitorias parabéns aos atletas e equipas técnicas . Será que temos de levar os jogadores do futebol para eles verem como é jogar com garra para vencer ????
    Já agora eu também tenho uma costela da Oliveirense.Grande Tó Neves.
    Amanhã até os COMEMOS!!!!!!
    Abraço

    ResponderEliminar
  20. Viva !

    Eu, como já antes escrevi, só comecei a ver o jogo aquando da bola salva sobre a linha. Aí pensei que o Porto tinha perdido o jogo. E, infelizmente, tive razão.

    O título do meu artigo não é mais que a reprodução duma frase do So Foot on line. Este mensal não é propriamente pro Portista. Pelo contrário. Efectivamente, o guarda redes do Arsenal foi salvo pelas figas e orações que deve ter feito.Ele limitou-se a ver o jogo.

    Em 28 minutos o Porto cria três oportunidades flagrantes, ou seja,aproximadamente,uma todos os nove minutos.

    E lá voltamos à simbólica da Trindade (3x9=27) Lol !

    Paulo Pereira :

    A segunda parte foi patética. Concordo.

    Humilhação ? Não, Nunca,Jamais !

    Vivi muito pior o 6-1 contra o Atenas (aqui toda a gente dizia e acho até que foi escrito que os jogadores do Porto, na altura,tinham saboreado os prazeres do Olímpio) que esta derrota.

    Azul Dragão :

    Retribuo o abraço. Penso que o teu comentário é pertinente. Eu pensei : O "So Foot" não gosta de Wanger. Não são pro Portistas, mas são ainda mais anti Wenger.

    Foi ,assim, que fiquei admirado que um jornal como o "L'Equipe", mais que pro Wenger, defendendo este contra Platini, a propósito da arbitragem vídeo, escrevesse esta mera frase. Por isso pedi no artigo para lerem com atenção . A frase é a seguinte :"Mas tudo não foi assim tão simples como o poderia deixar o placard ".

    Tenho que me ausentar um minuto. Já volto.

    E Viva o Porto !

    ResponderEliminar
  21. Pois é as coisa estão a correr bem e oxalá continuem amanhã.
    Que chatice para alguns, que o F.C.Porto também tenha essas modalidades...

    Um abraço

    ResponderEliminar
  22. Comprem já o REYES, afinal só custa 8 milhões.

    Já que compram os jogadores do Benfas, é comprar mais este e a seguir o treinador, o roupeiro o preparador físico, etc, etc.

    Sim comprem tudo ao Benfas, pois jogadores portistas, técnicos portistas, e funcionários portistas, não podem trabalhar no FCP.

    Amanhã aguardo por mais uma vitória daquelas do antigamente. Sofridas, mas vitoriosos.

    Força Porto.

    ResponderEliminar
  23. Viva !

    Acabo de ler : Mais vitórias, mais alegrias.

    Falei hoje à tarde com um colega que estará disposto a comentar aqui ( Bravo Blue ) com foto e tudo . É jogador amador e treina os jovens. Disse-me o seguinte : "podiam ter matado o jogo, não o fizeram, pagaram-no".

    Pois : o meio campo do Porto foi-se abaixo. Queda saber porquê ? Para mim é falta de experiência. Não e nem mais.

    Mas não haverá outras opiniões ?

    Houve um jornalista do diário Madrileno "El País", que disse, já há algum tempo,que os únicos que sofrem são os médios.

    A tragédia ou a comédia dá-se no meio campo. Eu continuo a acreditar que uma equipa se faz de tras para a frente.

    Mas bom. Não percebo muito de futebol.

    Novidades importantes : O presidente da Federação Francesa de Futebol ( estava em 5 linhas no diário Libération) aceitou o princípio da arbitragem a cinco.

    O "L'Equipe" nem referiu o assunto. Quanto a este diário : Dia nove deste mês será publicado um livro corajoso : "La Face cachée de l'Equipe" ( a face escondida" ).

    Quanto aos risos de Wanger. É sempre o problema da câmera. Ele estava a rir do Porto ou já estava a pensar noutra coisa ?

    Eu sei que é bom ser paranoia porque pode proteger. Mas ser paranoiaco em demasia chama-se masoquismo.

    Seria o primeiro treinador a rir do adversário ? Ele o treinador comentador vídeo, o vtc original, tenho as minhas dúvidas ?!

    Como Portista, por ter nascido na Rua da Constituição, por ter atrevassado o deserto, por ter ganho tudo o que há a ganhar,para mim, a humilhação é para comer em salada !

    E agradeço a atravessia do deserto de certa maneira. Aprendi a ser racional !

    E Viva o Porto !

    ResponderEliminar
  24. Dragon4,

    Sinceramente, esse teu recado não percebi...
    Então o Porto não tem ex-jogadores portistas na equipa técnica? E a treinar as camadas jovens? E jogadores que sentem o peso do Dragão?

    Se o remoque era para Jesualdo, carreira feita no Benfas, não penso que seja por aí...

    Artur Jorge e Mourinho eram portistas? Não me parece. No entanto foram ambos campeões europeus no FCP.

    ResponderEliminar
  25. O remoque vai para aquilo que nos têm faltado;

    RAÇA de um J.Costa, de um F.Couto, ou de um J.PInto.
    Este último num jogo contra o Benfas nas Antas em que a relva havia sido molhada, deu alguns encontrões no Pacheco do Benfas, já que este vinha com a força toda e feito doido, parou logo de correr. Acalmou e pensava 2 vezes quando lhe aparecia o J.Pinto pela frente.

    O J.Pinto que ensine aos mais novos como se faz, pois até para isso é preciso ter arte.

    Sim falta RAÇA, pois estamos muito macios e dóceis.
    É por isso que o meio campo arrebenta. Corre demasiado e não tem paragens para recuperar.
    Na CL, só fizemos 7 faltas???. Houve jogadores que nem uma falta fizeram.
    Que falta de luta.

    Não sou apologista das faltas e atentados à integridade dos adversários nem percas de tempo, porque isso às vezes se vira contra nós.
    Sou a favor daquelas faltas ( encontrões) que quebram o ritmo ao adversário. Junto à saída da sua grande área ou até ao meio campo.

    ResponderEliminar
  26. Já repararam que está a acontecer ao J.Mourinho o mesmo que ao Prof Jesualdo.

    Contestação está a subir de tom.

    E a sorte para o Mourinho foi o poste no último minuto do Inter, contra o Werder B. na CL.
    Se aquela entra, não sei não....

    O futebol como tudo na vida, tambem tem muito de sorte.

    Como alguêm já o disse, o Prof. é um "pé frio". ( Tem sempre azar )

    ResponderEliminar
  27. Sim, é certo k a sorte tem participação activa no jogo, mas tomaria eu ter o Mourinho no banco, Dragon4:)


    A contestação é normal, no caso do Special One. Pelo feitio característico dele, pelo sucesso, a imprensa, sobretudo em Itália, não lhe dá sossego.

    E ele tem um desafio brutal pela frente. Substituiu um técnico campeão, duas vezes seguidas. Significa o k? K no caso dele, com o esforço financeiro posto na sua contratação, o Mourinho só terá vida fácil se vencer a Champions. E, sinceramente, não acredito k tenha grandes hipóteses...

    Em relação a nós, acredito k amanhã a atitude será diferente. Menos submissa. Mais pragmática.

    ResponderEliminar
  28. Olha o Paulo Assunção enfardou 6, do Barcelona.

    Agora é que está num clube grande.

    Até na derrota...eh...eh.

    Quanto ao dia de amanhã...Deus te ouça, e que nos ajude a ter a estrelinha a nosso favor.

    Estou crente, que o WC XXI vai ficar cheio de água de tanto visconde a chorar....

    ResponderEliminar
  29. Sporting vs FC Porto: histórias do clássico

    É um dos maiores clássicos do futebol português. Será, porventura, o que menos importância tem actualmente no que concerne a jogos entre os três grandes, mas nem sempre assim foi. Nos primórdios das competições nacionais, com efeito, FC Porto e Sporting eram as equipas com maior notoriedade e, subsequentemente, os jogos entre si acabavam por ser os mais importantes.

    Os primeiros jogos. Aconteceu assim em 1922, na decisão do primeiro Campeonato de Portugal, que colocou face a face, em duas mãos, o campeão de Lisboa, o Sporting, e o campeão do norte, o FC Porto. Mais sagazes e embalados pelo seu público, os portistas venceram o primeiro jogo por 2-1, mas em Lisboa, o Sporting, foi mais forte e superiorizou-se por 2-0, pelo que foi necessário recorrer a uma finalíssima para se achar o vencedor. Disputado no Bessa – por sorteio –, a 18 de Junho de 1922, o derradeiro jogo consagraria o FC Porto, como primeiro campeão de Portugal, mas só depois do prolongamento ao qual se chegou depois de Emílio Ramos ter dado a igualdade ao Sporting, que correra atrás do prejuízo causado pelo tento de Balbino, para os azuis e brancos, logo a abrir o encontro. João Nunes e João de Brito fariam os golos decisivos que despoletaram a festa do FC Porto. Comemorava-se também o feito de Gago Coutinho e Sacadura Cabral que tinham chegado ao Rio de Janeiro no dia anterior.

    Esse FC Porto tinha curiosamente um jogador formado no Campo Grande, de seu nome Velez Carneiro, médio centro, que tinha ingressado no clube dois anos antes, depois de oito anos na equipa de Francisco Stromp, e que seria assassinado à queima-roupa, dois anos depois, antes de novo título portista - comandados pelo eterno guardião húngaro Miguel Siska - , de novo, frente ao Sporting, em 1924, e depois do primeiro do Sporting como campeão de Portugal, em 1923.

    Anos mais tarde, em 1934/35, numa altura em que Ricardo Zamora assombrava com o seu brilho a Europa do futebol, decorrente da magnífica prestação ao serviço da selecção espanhola no Campeonato Mundial de 1934, era criado em Portugal, o Campeonato da Liga. Disputado por oito equipas, a competição chegava à sua etapa final, com uma deslocação do FC Porto, que era primeiro, ao campo do Sporting, que era segundo, mas com legítimas aspirações à conquista da prova – era a única equipa tirando o FC Porto, que lá podia chegar –, bastando-lhe para o efeito a vitória. A 12 de Maio de 1935, jogou-se então o primeiro Sporting versus FC Porto, no covil dos leões, para o campeonato nacional de futebol. A partida, disputada no Campo Grande, trazia um FC Porto ferido, por ter tido de repetir um jogo, que tinha vencido em primeira instância, que tornou a vencer, ao Belenenses, receoso, por ter perdido e empatado nas outras deslocações ao sul – o FC Porto empatara nas Salésias, na abertura do campeonato, perdera em Setúbal frente ao Vitória na 4ª jornada e nas Amoreiras, frente ao Benfica, na 10ª jornada, e desfalcado, por não poder contar com a sua maior estrela, Artur de Sousa ‘Pinga’ que se encontrava doente – único jogo falhado pelo ponta esquerda nessa prova. O Sporting, embora tivesse perdido na deslocação à Invicta, na 7ª jornada, por 4-2, naquele que foi, de facto, o primeiro jogo entre ambas as equipas para o campeonato, entrou bastante moralizado pela presença em massa dos seus adeptos, e adiantou-se no marcador à passagem do 25º minuto, com um golo de Ferdinando. Carlos Nunes, talentoso jogador de 20 anos, e Lopes Carneiro marcaram, antes e depois do intervalo, virando a contenda a favor dos portistas e o melhor que o Sporting conseguiu foi chegar ao empate, pelo seu avançado Soeiro, melhor jogador da equipa e melhor marcador desse campeonato com 14 golos apontados, a quem o FC Porto andava à tempos a tentar lançar a rede para a época seguinte, para criar um ataque demolidor, ao lado de Pinga, Lopes Carneiro, Waldemar Mota e Carlos Nunes. O Sporting, carregado de brio, para se defender, nessa altura, revidou com interesse em Pinga. Acabariam por não se concretizar, nem uma nem outra saída e, hoje, Pinga é figura eterna do FC Porto e Soeiro - tio e responsável pela chegada, anos mais tarde, de Manuel Vasques (um dos cinco violinos) ao Sporting -, o 4º melhor marcador de sempre do clube de Alvalade.

    A maior goleada conseguida pelo Sporting, em casa, remonta à época de 1936/37, quando os portistas saíram vergados por 9-1. Os azuis e brancos, que durante muitos anos viveram sob a malapata de não triunfar a sul, venceram fora o Sporting, pela primeira vez apenas em 1948/49, e conseguiram o seu resultado mais expressivo, em Alvalade, em 1972/73, quando venceram por 0-3. Em casa, a história é, no entanto, diferente. O FC Porto já venceu o Sporting, por 10-1, em 1935/36, mas também já perdeu por 1-4, em 1959/60.

    Contrastes. Para se perceber o domínio caseiro do Sporting frente ao FC Porto é preciso olhar para os primeiros anos de campeonato. Até ao final da época 1960/61, os leões tinham vencido 22 vezes e permitido, apenas, quatro empates e uma vitória aos dragões. Todavia, o FC Porto é quem domina nas últimas três décadas. Desde 1977/78, os de Alvalade, em casa, só saíram por cima no clássico por nove vezes, empataram sete jogos e perderam 14. O melhor período do FC Porto em casa do Sporting, aconteceu entre 1990/91 e 1996/97, em que os dragões obtiveram seis vitórias e se registou somente uma igualdade, em 1992/93, primeira época do inglês Bobby Robson, em Portugal e no Sporting.

    Clássico à tarde, como no filme. Esse foi um dos últimos, senão último clássico disputado à tarde em Alvalade de que há memória. Aconteceu à 10ª jornada, dessa época (1992/93). O FC Porto, orientado por Carlos Alberto Silva, era líder isolado do campeonato, com mais dois pontos que o Benfica, e visitava o Sporting, que era apenas quinto classificado, com menos um ponto que o saudoso Salgueiros. O jogo começou bem para os leoninos, que se adiantaram no marcador antes dos dez minutos, pelo internacional polaco Juskowiak, referência do torneiro olímpico 1992, que aproveitou da melhor maneira um ressalto na pequena área azul e branca, para bater Vítor Baía. O FC Porto, pese a estratégia sempre defensiva que imperava enquanto era dirigido pelo ‘Professor Astromar’ conseguiria, no entanto, chegar ao empate, antes do intervalo, pelo internacional búlgaro Kostadinov, que aproveitando uma má decisão de Ivkovic, após centro do capitão João Pinto que levou a bola a embater no poste mais distante – ao qual é tirado o cruzamento – da baliza leonina, mergulhou para facturar de cabeça. 1-1 seria o resultado final. É curioso notar que essa equipa do Sporting tinha uma média de idade, embora parecida, ainda mais curta do que a que Paulo Bento deverá apresentar amanhã de início.

    Maior vitória e maior derrota nos confrontos em Alvalade. Foi a 4 de Abril de 1937 que o Sporting venceu o FC Porto, que realizava um campeonato abaixo do esperado, por 9-1, mais de um ano depois de terem sido copiosamente batidos pelos portistas (10-1), a 22 de Março de 1936, no estádio do Lima. Soeiro, com um poker, João Cruz, com um hat-trick, e Pireza, com um bis, construíram o resultado final, honrado por Pinga, para os da Invicta. O húngaro Joseph Szabo, que fora campeão em 1934/35 pelos azuis e brancos, era o treinador do Sporting. O FC Porto obteve o seu resultado mais dilatado sobre o Sporting, em Alvalade, em 72/73, no início da segunda volta, por 0-3. Os dragões tinham perdido na estreia, em casa, às mãos dos leões e realizaram, nessa época, em que eram penúltimos à 4ª jornada, com apenas dois pontos - duas derrotas e dois empates -, um campeonato de trás para a frente, concluindo-o à frente do rival.

    O pentacampeonato nasceu e festejou-se em Alvalade: a vingança de Robson e a engenharia de Santos. O Sporting embalou para o título no ano seguinte: Inácio trilha caminhos aprendidos nas Antas. Em termos internos, o FC Porto ostenta, como é sabido, a melhor série de vitórias em campeonatos nacionais, cinco. O primeiro e o último desses títulos tiveram expressão máxima em Alvalade. Em 1994/95, o campeão decidiu-se à 30ª jornada quando o FC Porto, de Bobby Robson, que fora despedido do Sporting na época anterior, derrubou o conjunto leonino, em Alvalade, com um golo de Domingos, que já fora decisivo na vitória portista, um ano antes, de penálti. Na 33ª jornada de 1998/99, quando os dragões, líderes isolados, com cinco pontos (quatro na prática, porque o Boavista tinha empatado em Faro e o FC Porto já era campeão ao entrar em campo) à maior sobre o Boavista, visitaram Alvalade para obter um resultado que teria sido, em qualquer caso, suficiente para os seus objectivos, uma igualdade a um golo. Pedro Barbosa, que passou pelos escalões de formação do FC Porto, adiantou o Sporting, no início da segunda metade, mas o esloveno Zahovic, concluiu na sequência de uma bola parada, a cinco minutos do fim, garantindo a festa azul e branca. Na temporada seguinte, em 1999/00 os rivais encontraram-se à 26ª jornada, com o FC Porto na liderança e o Sporting, a dois pontos. O encontro criou enormes expectativas, porque o Sporting não perdia há 16 encontros e em Alvalade acreditava-se piamente que seria, finalmente, aquele o ano da reconquista do campeonato depois de um jejum de quase duas décadas. O Sporting marcou dois golos antes do intervalo, num livre superiormente executado por André Cruz e num remate seco de Beto Acosta, de fora da área perante um desamparado Vítor Baía, após erro grave de Secretário que entregou a bola para uma zona de ninguém, arrumando a questão quanto ao vencedor do encontro e passando, dessa forma, para a frente da Liga, posição que não mais largaria até final.

    Diferentes lados da barricada. Muitas são as histórias de jogadores e treinadores que alinharam em clássicos entre Sporting e FC Porto, por ambos os clubes, ou que simplesmente jogaram com o símbolo de ambos ao peito. Carlos Alhinho, António Oliveira, Eurico Gomes, Fernando Gomes, Paulo Futre, Jaime Pacheco, António Sousa, Emílio Peixe, Augusto Inácio, Mário Jardel, Fernando Mendes, Ricardo Fernandes, Edmilson, Rui Jorge, Costinha, são quinze, dentro de algumas dezenas de nomes. No actual plantel do Sporting, apenas Derlei jogou o clássico por ambos os clubes, sendo que Tonel, apesar de ter sido formado nas Antas, nunca o jogou pelo FC Porto contra o Sporting, ao mais alto nível. No plantel do FC Porto existe, além de João Paulo, que jogou numa derrota do Sporting, nas Antas, em 2002/03, Ricardo Quaresma, que se formou em Alvalade, antes de sair para Barcelona, onde o FC Porto o foi recrutar. O extremo e actual figura dos dragões estreou-se pela equipa principal do Sporting, na Liga, precisamente frente ao FC Porto, na jornada inaugural da temporada 2001/02. Foi uma estreia em cheio de Quaresma, então com 17 anos – entrou aos 22 minutos para o lugar de Sá Pinto –, que colocou a cabeça em água a Mário Silva, lateral esquerdo do FC Porto, e que os leões venceram com um tento solitário do romeno Marius Niculae, começando aí, da melhor maneira, a caminhada para o seu último título de campeão.

    A era Mourinho e a noite de Jorginho. Nos anos dourados de 2002-04, encarnados pela equipa liderada por José Mourinho, o FC Porto não perdeu em Alvalade e averbou uma vitória, em 2002/03, num jogo em que não deu qualquer hipótese ao Sporting, pese o escasso resultado de 0-1, construído com um golo de Costinha, e, um empate, em 2003/04, a uma bola, com golos de Jorge Costa após canto de Deco, pelo FC Porto, aos 10 minutos de jogo, e de Pedro Barbosa, na transformação de uma grande penalidade, à entrada para os últimos vinte minutos, depois de Fábio Rochemback ter falhado uma, ainda na primeira parte. Acabou por ser um jogo polémico, pelos acontecimentos no rescaldo, com o célebre episódio da camisola rasgada e pelas afirmações produzidas por José Mourinho: ‘Liedson é um enganador’ e ‘Presidente, deixe-me ir embora’ aludindo, pela primeira vez, à sua - futura - saída do futebol português. Dois anos mais tarde, no reinado de Co Adriaanse, o FC Porto venceria em Alvalade à 30ª jornada - o Sporting, tal como em 99/00, havia recuperado parte da desvantagem trazida para o FC Porto chegando apenas com dois de atraso ao clássico, que jogava em casa - com um golo solitário do brasileiro Jorginho, garantindo praticamente a conquista do título de campeão. Como será escrita a próxima página do clássico?

    ResponderEliminar
  30. Hóquei em Patins
    Portugal campeão europeu de sub-20

    A selecção nacional de hóquei em patins de sub-20 sagrou-se campeã europeia, ao vencer a Espanha por 2-1, na final da competição que decorreu na localidade alemã de Hamm. Portugal terminou a prova com 18 pontos, resultantes de seis triunfos noutros tantos jogos, enquanto a Espanha foi segunda com 13.

    ResponderEliminar