26 setembro, 2009

Clássico d'eleição!?!? ou não... voto Dragão!

Quando se pensava que a Pedreira pudesse ser bálsamo revigorante, onde o regresso às vitórias marcasse o reinício do ciclo de vida e o retomar das rotinas, o Dragão exibiu-se de forma abúlica, melancólica e soturna, como que aludindo à estação Outonal que irrompeu esta semana, deixando a massa adepta azul e branca nostálgica e à beira da depressão.

“Alguém vai pagar”… é nesta frase histórica de Mourinho, que ameaça tornar-se parangona clássica do subconsciente emocional Portista, que ganho ânimo, ainda que a mesma seja visão redutora da antevisão do Clássico.

Manda a tradição recente dos clássicos, (ainda que invertida a ordem caseira dos embates), entre Dragões e Leões, que a antecâmara competitiva esteja envolta de episódios de derrotas consecutivas e/ou exibições sombrias.

A pretérita temporada foi expoente máximo do que escrevo, após a derrocada no Emirates Stadium, o Dragão limpou a face. No mês seguinte, e numa conjuntura de desaires sucessivos, o caldo ameaçava entornar-se, desta feita, a vitória por pontapés da marca de grande penalidade, oxigenaram o Dragão e o professor pôde respirar de alívio.

É inútil tergiversar, o Clássico da 6ª jornada encerra novamente a obrigatoriedade azul e branca de sacudir a pressão, cortando novo sucedâneo de derrotas e exibições cinzentas, tornando lógico que a natureza destes jogos encerrem muitas mais vicissitudes que não tão somente, os 3 pontos.

Os Viscondes vivem dias de intrigalhadas internas, os nervos à flor da pele, crispam a outrora coesão/solidez defensiva, não sendo de estranhar a pouca eloquência exibicional, cujo ciclo de 4 vitórias, se saldou por pouca competência e aflitiva qualidade de jogo, mas se fez muito de crença, sofrimento e suor.

Surpresa táctica, seria Paulo Bento prescindir do seu 4x4x2 losango de conteúdo estanque e estático, desprovido de imprevisibilidade e dinâmica capaz de elevar o jogo para níveis de competitividade que passem para lá do lugar de vice-campeão.

Norma estruturante da configuração em diamante, tem sido Miguel Veloso habitar o vértice mais recuado e Moutinho numa espécie de nr. 10, podendo derivar em acções pelos flancos. Vukcevic e Angulo têm sido os interiores do desenho táctico, denotando notórias fragilidades na cobertura dos espaços entre linhas no miolo.

Caneira era umas das soluções face à permissividade dos flancos defensivos, imagem de marca neste início de época verde, a que se junta a debilidade ao nível do jogo aéreo, onde é justo dizer-se, Carriço resplandece e emerge como unidade de maior crescimento e maturação ao nível do sector recuado.

O futebol calimeriano vive à imagem do seu técnico, equilibrado, apelando à posse e inteligência, privilégio pelo rigor táctico, feito de progressão faseada, mas onde o seu bloco carece ainda de segurança de processos e denota uma obscuridade latente na ocupação do espaço ofensivo.

Contrariamente ao que os lagartos evidenciam, o princípio activo do losango, é um manancial de futebol bem mais atractivo, que basicamente, origina fortes apoios e a normal criação de 3 linhas, mas que não colhe observância no posicionamento evasivo de algumas unidades leoninas, traduzindo-se em menor qualidade e inépcia dos movimentos horizontais que preconizem largura de acção.

Vale aos leões a infatigável veia concretizadora de Liedson, que resolve os problemas de cariz ofensivo, sendo espelho mentiroso de uma propensão didáctica pouco colectiva.

Grosso modo, o onze sportinguista augura mexidas, Matigol e Yannick, perfilam-se como possíveis titulares, ficando a tónica da surpresa cingida ao eleito para defesa esquerdo.

Transversal à ideia de vitória azul e branca, está subjacente a vontade de o Dragão manter contacto com a dianteira, mesmo que pela frente tenha um Leão de espírito indómito.

Clássico é clássico, e este merece que Jesualdo dispa a imagem de técnico colado ao estudo táctico, feito de estratégias defensivas onde imperam o receio e o calculismo.

Se o Domingo configura tempo de outras decisões, o Clássico, não tendo ainda capital importância, terá que consubstanciar em definitivo a nossa linha de decisão face as várias dualidades em confrontação.

Robustez de jogo versus criatividade, dimensão física versus capacidade técnica, intuição pela baliza adversária versus inocuidade ofensiva, são inequações para as quais Jesualdo deverá encontrar fórmulas resolventes de forma a colocar este FC Porto num patamar de jogo mais relevante e condizente com as 5 quinas que ostenta.

Mais ou menos consensual, Belluschi seria sempre presença perene do centro nevrálgico dos azuis e brancos. O talentoso alvi-celeste, dotado de um sem número de argumentos ofensivos, incorpora assumidamente projecção atacante por contraste com a sua capacidade defensiva, o que aliado ao pouco poder de choque, influencia de forma mais ou menos abrangente os equilíbrios tácticos como solução para um meio campo feito só de 3 unidades.

Guarin pode, por força das suas características físicas e capacidade de remate na meia distância, propiciar pontos de contacto entre as transições, no entanto, será sempre um elemento antagónico e completa negação de um futebol criativo feito de rupturas, onde a espontaneidade ligue com o futebol rectilíneo e vertical numa eleante e elegante capacidade construtiva.

A ideia Guarin ou Mariano Gonzalez, como elementos muleta de Meireles e Fernando, colam por certo num esboço do Professor que prime por jogadores de requisitos onde impere a cultura táctica e inflexibilidade na variedade de acções, mas por certo castrador de um futebol desejado, capaz de mostrar imprevisibilidade, toque curto e desequilibrante, onde os verdadeiros criativos aparecem contextualizados nos movimentos colectivos de futebol veloz e objectivo, mais similar ao legado deixado por esses ícones, Lucho e Lisandro.

A adopção de um empreendorismo capaz de pautar os ritmos de jogo ao nível da zona nevrálgica, mesmo com Meireles em déficit cinético/dinâmico, no conceito moderno de médio box-to-box, trará inteligível subversão da rigidez e realismo táctico, em competência colectiva e coerência de acções individuais.

Se a lesão de Varela diminuia o espectro de aproveitamento das debilidades nas laterais leoninas, “Cebola” foi um duro golpe na possibilidade de um tridente próximo da ideia pensada desde início de temporada, (Rodriguez, Falcao e Hulk), adensando mais os labirintos e encruzilhadas tácticas na mente do professor.

São contrariedades a mais, o momento menos pacífico, agita ainda mais multiplicidade de indefinições que orbitam o clássico, o onze vai sofrer mexidas, a quebra das rotinas colectivas traduzem incertezas e juntam-se a outros dilemas que entorpecem a dinâmica de vitória azul.

Os golos esquisitos e muito consentidos, colhem algum beneplácito na atitude displicente e de objectiva falta de concentração. A defesa, com expressão máxima no capitão, ainda não atingiu um nível exuberante de capacidade férrea e coriácea. Os laterais, expressam uma ambígua profundidade ofensiva, denotando dificuldades em fechar por dentro e obstar aos cruzamentos das faixas, obrigando à desmultiplicação e redobrada atenção dos elementos do miolo.

Os Clássicos, são por inerência, jogos de incerteza, há quem os designe por jogos de tripla, as estatisticas e a razão dos números nem sempre explicam tudo, funcionam um pouco como as sondagens, tanto ajudam no diluir como no adensar da pressão. Eu, convicto Portista, toda a semana me vi percorrido por um feeling positivo, saudosista é certo, mas que me atiram para memórias de clássicos de eleição, (4-1 da era Mourinho ou um 3-0, com Doriva a fazer os três golos), ocasião, não me faz tolerar outro desfecho que não seja a vitória do Dragão…

LISTA DE CONVOCADOS

Guarda-redes: Helton e Beto.

Defesas: Bruno Alves, Rolando, Fucile, Álvaro Pereira, Maicon e Sapunaru.

Médios: Fernando, Raúl Meireles, Belluschi, Valeri, Mariano, Tomás Costa e Guarín.

Avançados: Hulk, Farias e Falcão.

14 comentários:

  1. Meu caro Bruno, se as antevisões garantissem pontos, já tinhamos os 3 no bolso garantidamente!

    Parabéns por mais esta tua análise. Pois bem, espero, tal como parece ser hábito ultimamente, que os jogos contra os calimeros sejam verdadeiros pontos de viragem.

    Duas derrotas consecutivas, está na altura de dar a volta a isto e nada melhor do que um clássico! Grande rivalidade, isto promete! :)

    O onze inicial creio ser o aqui apresentado. lamento ao ausências forçadas do Varela e do "Cebola".

    Do lado da lagartagem, Caneira também se lesionou à última da hora, juntando-se assim a Izmailov, Pedro Silva e André Marques. A lateral-esquerda tem assim vários concorrentes. M.Veloso pode ser recuado jogando Adrien ou Pereirinha na posição "6". Pode também o Tonel ser desviado, ou então o Grimi, a aposta mais lógica à partida, mas ao mesmo tempo o jogador com menos minutos, o que até pode ser bom para nós. No meio-campo Matías deverá ser titular e na frente Djaló faz dupla com Liedson, que para mim é sem qualquer sombra de dúvidas, o jogador que mais perigo causa.

    Há que ganhar independentemente de tudo, regressar às vitórias, recuperar moral também para o jogo a meio da semana.

    Lá estarei acabadinho de chegar de Viana, para puxar pelo GRANDE PORTO!

    FORÇA MÁGICO PORTO - ATÉ OS COMEMOS, CARAGO!

    TETRAbraço

    ResponderEliminar
  2. O Ninja,do "Guardião da Invicta",lançou esta hipótese e eu gostei.A vantagem é que podemos estar aqui tranquilos a mandar os nossos bitaites,não somos nós que...mandamos.

    Ora,a ideia do Ninja(espero que ele não fique chateado por eu estar aqui a fundamentar um post com base numa teoria sua) era a de subir o Álvaro Pereira no terreno,deixando o lugar de defesa direito para Sapunaru,e a esquerda entregue a Fucile claro.
    Fernando,Meireles,Álvaro,Belluschi;Hulk Falcao.

    Eu,que sou uma grande treinadora de Ps2,gosto bastante da ideia.O uruguaio podia subir e apoiar o ataque da maneira boa que sabe fazer,mas com menos preocupações nas suas costas.Reforçava-se o meio-campo e tínhamos uma unidade com todas as condições de levar perigo através da ala.
    No Cluj ele fez isto várias vezes,será que daria bom resultado mais logo?
    Sim,eu sei,seria inédito,o Sapu não está com grande ritmo nas pernas mas...coiso...inventar posso eu fazer à vontade =P

    ResponderEliminar
  3. Bruno, boa análise e concordo com a equipa - solução Álvaro Pereira não é de desprezar, mas de início o professor nunca iria por aí.

    Se hoje, no Dragão, tivermos o Porto de Londres frente ao Chelsea, na atitude, determinação e até qualidade, que nos permitiu discutir o jogo frente a uma das melhores equipas do Mundo...coitado do Sporting! Se for o Porto, da Pedreira, molengão, trapalhão, com muito pouco futebol...até podemos ganhar, mas será na amarra e com muito sofrimento.

    Blue e Mafaldinha: a camisola talismã é para ir. Só quando houver uma derrota no Dragão - espero que nunca aconteça -, é que se muda de indumentária.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  4. Pois, meu caro Bruno julgo que será mesmo essa a equipa q tu projectas apesar de não colocar de lado a hipótese Álvaro como extremo esquerdo, mas no decorrer do pp jogo.

    Lá estarei, 1º em Viana no hóquei e depois no dragão no clássico.

    ResponderEliminar
  5. Essa Hipótese do Pereira jogar mais à frente também a tinha colocado, embora talvez seja mexer muito com a equipa dado que o Sapu não tem ritmo e podia ser perigoso.
    De resto, atitude, concentração e raça por certo nos darão a vitória.
    Boa viagem e sucesso desportivo para os nossos irredutíveis que vão a Viana e regressam ao Dragão.

    ResponderEliminar
  6. Regressado de umas merecidas férias e prontinho para assistir a um bom jogo, com futebol de qualidade, e com a vitória do nosso lado... assim espero!

    Bruno Rocha, é delicioso ver uma escrita tão objectiva e ao mesmo tempo tão rica de vocabulário! Parabéns! O Freitas Lobo tem alguma coisa a aprender por aqui! ;)

    O Caneira está KO e não joga, por isso deixa de ser solução, e a defesa do isporti é sem dúvida um sector onde podemos aproveitar a falta de consistência. Aposto que Hulk se vai redimir e fazer uma exibição brilhante, arruinando aquele bloco defensivo! A ver vamos...

    Malta, logo lá estaremos no Dragão para a habitual mini-tertúlia antes do jogo! :)

    Saudações

    ResponderEliminar
  7. Pois é..o feeling positivo também está cá..e acho que vamos ter um dos nossos a explodir a fazer um jogão..mas estes feelings às vezes funcionam ao contrário.

    Clássico é clássico, e nestes jogos não há logica nem teoria (há muitas, lol).

    A ideia do Alvaro, sinceramente não me desagrada, e é de guardar a ideia. Mas a minha equipa para este jogo passaria mais por ter Fernando, Meireles, Guarin e Belushi no meio campo com Hulk e Falcao na frente. É importante ainda fazer notar, que meireles terá de descançar, pois aproxima-se um jogo europeu sem o nosso médio defensivo de raíz.


    Agora falando do jogo de ontem e em jeito de à parte, dizer que até prefiro ver o Braga no comando (enquanto não é o fCP), do que os vermelhos, mas penso que está a ser notória a estrelinha que estão a ter - golo aos 94m. Outra coisa que acho estranho é o braga, quase sempre não ter a pressão dos resultados, pois tem estado a jogar antes dos outros. Não percebo como o olhanenese fez um jogo na segunda contra o scp e na sexta a seguir joga outra vez.
    Volto a dizer que até prefiro ver o Braga à frente do que os vermelhos, mas se querem ser grandes, devem ser tratados como tal..
    Fica para memória futura, como diria alguém..


    Logo até os comemos carago!

    Abraço

    ResponderEliminar
  8. Viva !

    Belo texto.

    Sim, eu também acho que os dfesas laterais vão ter um papel determinante.

    Estou confiante.

    E Viva o Porto !

    ResponderEliminar
  9. Boa Sorte a todos os que vão a Viana!Vocês é que deviam ter um avião a jacto que vos fizesse regressar ao Porto num instantinho e com todo o conforto =)

    ResponderEliminar
  10. Tá quase na hora, já falta pouco, muito pouco... mas antes disso, é dar uma saltada ao Dragão Caixa pra ver o andebol e depois, ala que se faz tarde, que é hora de ir pra cima deles que nem Dragões, mai'nada!!!

    Se a lesão de Varela foi preocupante, a entrada em cena de CR10 tb fica adiada, pelo que apostaria neste onze... esperando que Belluschi abra hoje definitivamente o livro de todo o seu reportótio, e Mariano Gonzalez, deixe em casa o complicador e traga à equipa toda a qualidade que se anseia e espera.

    No resto, é esperar que mais logo, corações sejam muitas, mas a paixão e a alma seja unica... em prol do FC Porto.

    Até já....

    ResponderEliminar
  11. tergiversar, futebol calimeriano...
    Até me obrigaste a consultar o dicionário :-)

    Tá quase na hora carago.
    Primeiro de sofá na conquista da 17ª. Supertaça António Livramento.
    A ter em atenção o 'novo' reforço das nossas cores e as tais de novas regras.
    Força Lucho e Companhia ai no Monserrate.

    Logo depois de azimute a um Dragão engalanado e de costuras a rebentar.
    Até já, no local do costume.

    ResponderEliminar
  12. Acho que já topei o pessoal do blog no ringue.
    Esta arbitragem está nojenta!!Foda-se!Estas regras novas são ridículas!Que jeito é que isto tem????

    ResponderEliminar
  13. O Sr. Lamela tem é que equilibrar a arbitragem.

    O Carpelho está a desempenhar o seu papel habitual.
    É grande mas não é grande coisa e os óculos são sempre da mesma cor.
    Até o Caio deve ter ficado surpreendido com o livre directo 'moderno' que sacou.

    ResponderEliminar