22 dezembro, 2008

Natal amargo

assistência: 37.809 espectadores.

árbitros: Duarte Gomes (AF Lisboa), Bertino Miranda e Pedro Garcia; Vasco Santos.

FC PORTO: Helton; Fucile, Rolando, Bruno Alves e Pedro Emanuel «cap.»; Fernando, Raul Meireles e Lucho; Lisandro, Hulk e Rodríguez.
Substituições: Pedro Emanuel por Mariano (67 min) e Raul Meireles por Farías (85 min)
Não utilizados: Nuno, Stepanov, Benítez, Guarin e Tomás Costa.
Treinador: Jesualdo Ferreira.

MARÍTIMO: Marcos; Briguel, João Guilherme, Fernando Cardozo e Van der Linden; Olberdam, Bruno «cap.», Marcinho e Miguelito; Bruno Fogaça e Baba.
Substituições: Bruno Fogaça por Djalma (46 min), Marcinho por Vítor Júnior (77 min) e Baba por Manu (86 min).
Não utilizados: Marcelo, Luis Olim, João Luiz e Zé Gomes.
Treinador: Lori Sandri.

disciplina: cartão amarelo a Olberdam (14 min), Van der Linden (44 min), Hulk (54 min), Fucile (67 min), Baba (75 min), Rodríguez (78 min), Vítor Júnior (80 min), Marcos (90 min) e Bruno (90 min). Cartão vermelho a Miguelito (90 min).

golos: ---.


Existirá quem sonhe, com ansiedade, com a noite de 24. Aquela onde pretensamente os desejos se realizam. A noite da magia. Das prendas. Nesta voragem do consumismo, poucos escaparão a almejar alguma coisa nesta quadra natalícia. Saúde, dinheiro, jóias, consolas. O objecto que lhes confira prazer. Alegria. Felicidade.

A ambição, qualidade que faz parte do código genético, está presente em todos os nossos actos. Até no respirar. Temos que ser melhores do que os outros, nesse simples aspecto da vida. A melhor prenda nos sapatinhos dos portistas passa por duas fases: vencer o Marítimo, adversário último antes do período festivo, e o 1º lugar. Aquele posto que é nosso, quase por direito, tamanha tem sido a supremacia azul e branca nos últimos anos.

Se neste derradeiro anseio dependemos de terceiros, o primeiro e mais premente desejo depende de nós. Apenas. O derradeiro desafio, no Dragão, neste ano que caminha para o seu ocaso, coloca os pupilos de Jesualdo frente-a-frente com o Marítimo, onde o sotaque cerrado da Madeira ganhou uma fluência típica de sons baianos. O ritmo dengoso e vibrante do Brasil é quase a segunda natureza da equipa de Lori Sandri.

E a verdade é que, mesmo com os 18 pontos e o 6º lugar no bornal, os madeirenses são uma incógnita, quando se pretende aferir o seu valor. O que vale este Marítimo? Se a avaliação tiver em linha de conta os últimos desafios dos insulares, é com um sorriso que destila confiança que aguardaremos o embate. Uma humilhação, sofrida em pleno Caldeirão, no jogo frente aos encarnados, e uma deplorável mostra dos predicados próprios, no jogo da Taça da Liga, frente ao Sporting, dão uma ideia de fragilidade que poderá não corresponder à verdade.

Ao invés, na Invicta respira-se segurança, firmeza e arrojo. O Porto já esteve às portas do Inferno, nesta temporada. Sobreviveu. E regressou, dessa travessia do deserto, mais forte do que nunca. 9 vitórias consecutivas atestam o facto. Apuramento e primeiro lugar na elitista prova de clubes do Velho Continente. Único grande em prova, na Taça de Portugal. Parece uma contagem de medalhas, no peito de um veterano de guerra, mas são motivo de orgulho, de quem não soçobrou na defesa do escudo de campeão nacional.

A resolução da crise estava guardada em sede própria. Duas palavras, melhores do que um avançado letal ou um médio de renome. Paciência e Estabilidade. Foram estes os ingredientes utilizados pelo timoneiro da nau portista, conferindo confiança aos reforços recém-chegados, ajudando a conceder a mecanização perfeita no jogo colectivo.

O Porto é agora uma equipa estruturada, vivendo do trabalho de sapa de Fernando no meio-campo, onde Meireles vai suprindo, com o labor de sempre, o abaixamento de forma de Lucho. Na frente, um trio de demónios à solta, atormentando as defesas opositoras, vivendo da mobilidade, aliada à velocidade, criando uma dinâmica que permite a criação de inúmeras oportunidades de golo. Lisandro, Rodriguez e Hulk, um trio irmanado num pacto de sangue: dilacerar as muralhas defensivas.

Foi assim o Porto esperado que entrou em campo, para este derradeiro confronto de 2008. Um Porto ameaçador, pressionante, demorando apenas 22 segundos para rematar à baliza adversária, por intermédio de Lucho.

Foi o mote para 15 minutos excelentes, criando o pânico nas hostes opositoras, com Luho muito activo, empunhando a batuta de maestro no meio-campo. Ao remate inicial, seguiram-se outros, de graus de perigosidade diferentes, mas todos procurando o caminho da felicidade. Rodriguez, Fucile, outra vez Lucho e Hulk visaram a baliza de Marcos, não permitindo qualquer veleidade aos madeirenses.

O Marítimo, com um futebol explanado quase sempre pelo centro do terreno, procurava timidamente importunar a baliza de Helton, mas conseguindo criar apenas um momento de verdadeiro perigo para as redes do keeper portista. Aos 30 minutos, na marcação de um livre, o esférico tem um encontro imediato com a barra da baliza azul e branca. O Porto ía sempre respondendo. Beneficiando do apoio constante de Fucile, no flanco direito, e do labor de Cebola, no lado oposto, foram criadas condições para a abertura do marcador. Não uma. Não duas. Mas várias vezes. Bruno Alves, já dentro da área adversária, terá desperdiçado a mais soberana. Rodriguez, num movimento excelente de cabeça, após um canto, provocou frisson nas bancadas. Debalde. O intervalo mostrava, no marcador, um teimoso nulo, injusto para quem tinha porfiado tanto.

A 2ª metade trouxe um futebol mais confuso, por parte dos pupilos de Jesualdo, e um maior atrevimento nos homens oriundos do feudo de Alberto João Jardim. Um Marítimo mais descomplexado, esticando as linhas, aproveitando os espaços cedidos pelo Porto, ameaçando a estabilidade defensiva.

O Porto teve alguma dificuldade em se reorganizar. O jogo tornou-se intenso. Um futebol mais musculado, rasgado, com longas vias convidativas para o ataque. E contra-ataque. Ao futebol mais lateralizado, mais pensado, os azuis e brancos respondiam aos repelões. Hulk, do lado direito, ou Rodriguez, na esquerda, aríetes usados para derrubar a muralha. Com menor tempo de posse de bola, relativamente à 1ª parte, mas quase letais, de cada vez que chegavam á área opositora.

À 2ª bola na trave de Helton, cabeceada por Marcinho [lance idêntico ao golo sofrido na Amadora, na marcação de um livre, mostrando que o trabalho de casa dos Dragões não foi feito], o Porto respondeu com uma pressão asfixiante, com dois momentos altos:

- centro de Lisandro, para uma entrada de rompante de Rodriguez, proporcionando uma defesa espantosa de Marcos;

- notável trabalho de Hulk, na direita, em velocidade, com o centro rasteiro a ser concluído com um forte remate de Lisandro, para nova intervenção segura do brasileiro guardador da baliza dos insulares;

O golo, ansiado e adiado, pressentia-se em cada novo ataque dos donos da casa. Lori Sandri, consciente do perigo que a sua equipa corria, coloca em campo Manú. Um velocista nato, driblador por excelência, que tem nos pés uma oportunidade de ouro, ao isolar-se sobre a meia-esquerda, no ocaso da partida. O Porto racional já não existia. Vivia apenas por sofreguidão, com o coração a chefiar a procura do golo. Farías, na fase de desespero, entrou na procura do milagre.

Mas estava escrito nos céus da Invicta que o Natal dos apaniguados portistas será triste. Após 10 vitórias seguidas [considerando no número redondo o dramático triunfo na Taça, em Alvalade], os Dragões voltam a ceder inesperadamente pontos, numa altura crucial da temporada. Não será motivo para, novamente, duvidar do valor e carácter da equipa, mas sente-se esta perda de pontos como um retrocesso, numa altura em que a marcha rumo ao 1º posto parecia imparável.

Melhor do Porto: Após o início prometedor, tal como na Amadora, com Lucho aparecer como o emblemático rosto do carrossel ofensivo, El Comandante voltou às exibições soturnas, cinzentas, longe do fulgor que o alcandoraram ao topo exibicional sonhado por qualquer treinador.

No tridente atacante, nomes de quem se espera sempre a descoberta da arte para empurrar as bolas para as redes adversárias, o esplendor recente foi como que eclipsado nesta quadra de vertigem consumista. Hulk, habitual nos seus movimentos repentistas, ainda criou o desassossego no último reduto maritimista, procurando amiúde as iniciativas individuais, sem sucesso. Foi, na minha opinião, do lado esquerdo que esteve o melhor elemento azul e branco. Rodriguez, sempre batalhador e empreendedor, procurou jogar em velocidade, forçando a linha de fundo, durante a primeira metade, mas surgindo bastas vezes em zonas de finalização. E esteve sempre perto, tão perto, da glória, que não mereceria o castigo do empate.

Arbitragem: Sem grandes casos por resolver, optou por uma profilaxia ausente de cartões, permitindo que os madeirenses endurecessem o jogo. Quando, finalmente, mostrou as cores dos mesmos, na sua forma mais suave, preferiu a contemporização com o avolumar de faltas de Olberdam, já admoestado. Expulsou Miguelito, já nos descontos, pretensamente por palavras. Deixou passar em claro uma agressão a Rolando, com o jogo parado. Sem influência aparente no resultado final.

33 comentários:

  1. Alguém está a ouvir os comentários na rtp? uma p*** de uma vergonha... parece q o marítimo ta em cima da gente...

    ResponderEliminar
  2. O Diamantino é um palhaço labrego lampião. Só fala mal do árbitro quando este não prejudica o Porto, e claro do Porto.

    ResponderEliminar
  3. Porra,ser vermelho deve ser uma frustração!Que asnos,ainda bem que não sou vermelho!Oh Blue mete um filtro nisto!Imaginem o que seria se estes porcos ganhassem alguma coisa,tinhamos de emigrar!

    ResponderEliminar
  4. O amigo Tiago acha que um porco desses é capaz de comentar seja sobre qualquer assunto,seja lá qual fôr?Eu sei que os porquitos andam entalados pelas razões que todos conhecem,mas aparte disso tambem são completamente destituidos de honra dignidade ética e moralidade,em suma umas ratazanas!

    ResponderEliminar
  5. O que te parece que ele quer dizer, Tiago? Dahhhh...

    Um anormal acéfalo que vem para aqui insultar o Porto e tu, armado em menino de coro, ainda lhe pedes para ele comentar no teu blogue...

    Dasse...

    ResponderEliminar
  6. Viva !

    Vi o jogo aqui no Blog.

    Dá muito bem para ver e acompanhar. Se a tecnologia assim continuar o blog vai ter muita gente a acompanhar. Garanto !

    Muito Obrigado !

    Tinha escrito há meses que a rtpi descriminava o FC Porto. Ora esta noite o jogo foi transmitido pela rtpi. Mas o site da rtpi já não transmite on line.

    Porque será ?

    Não vou falar da sporttv. Como se sabe é coisa para Inglês ver.

    Do piorio, tal como os comentários ! Querem matar o árbitro ?

    Parece que já há um filme sobre o assunto.

    O Arsénico Wanger quando comenta ainda sabe o que é o verniz. Os comentadores desta noite passaram o seu tempo a justificar a importância da arbitragem vídeo. Meteu o braço ou isto ou aquilo.

    Se eles sabem mais que o árbitro que façam provas e concorram para serem árbitros.

    Querem matar o futebol ? Parece !

    Quanto ao Jogo : Perder pontos em casa é quase uma derrota.

    Já aqui escrevi que só o campeonato interessa. Estar em competições internas que não servem para nada, só cansa.

    O Marítimo fez o seu jogo do ano.

    Empatou contra, o que atestam os resultados, uma das dezasseis melhores equipas da Europa !

    Pode ir Feliz !

    Achei que o Porto teve sorte. Mas Deus é justo !

    O Porto perante defesas que defendem aglomeradas tem que tentar os remates de meia distância e ganhar os ressaltos.

    Não acredito, perante onze que defendem nos vinte metros, nos cruzamentos para o miolo nem nas tabelinhas que tentam criar espaços.

    E Viva O Porto !

    ResponderEliminar
  7. E assim se perdem 2 pontos frente a uma equipa bem "fechadinha" e organizada e que nos dificultou muito a tarefa.
    Apesar do domínio territorial, criamos poucas ocasiões de golo e fomos pouco imaginativos.
    Caro Paulo Pereira, concordo contigo quando dizes que Lucho jogou pouco...até direi mais, jogou pouco para aquilo que ganha...é que isto de ter ordenados chorudos e mamar dentro de campo já me está a revoltar...
    Se é para esta merda, então mais vale sair do clube e rápido!


    PS: Não há milagres, Sr.Jesualdo. Com esta perca de pontos o FC Porto vai ficar a 4 pontos da liderança. Amanha o Nacional vai prestar vassalagem e estender a passadeira, e lá se vão 2 pontos, bem como a dependencia de nós próprios...As coisas inesperadamente complicam-se!

    ResponderEliminar
  8. Decididamente o Pedro Emanuel nos jogos em casa com equipas q se fecham na grande área passa a ser um jogador a menos. O Porto precisa de laterais q subam e consigam criar desiquilibrios. Jesualdo aguentou-o na equipa mais de 1 hora.

    Decididamente o Lucho actual não é mais q uma nulidade em campo. Estranhamente Jesualdo aguentou-o em campo o jogo todo!!!

    Não acho q a equipa tenha estado mal... Merecíamos ganhar e acho q o Mariano entrou mt bem, embora tarde.

    Não fomos felizes.
    Um Natal amargo, é verdade...

    Porque somos exigentes e mesmo apurados na champions e taça temos a noção clara q podiamos ser lideres deste campeonato. Ainda não somos e por isso estamos tristes.

    Mas, confiantes, apesar de tudo.

    ps- Para mim Duarte Gomes apitou à Carlos Valente, sempre contra nós em todas as faltas e faltinhas...e cortou-nos lances perigosos com faltas q só ele vislumbrava. O Porto q se prepare, mais carlos valentes surgirão.

    Atentem no q vai fazer hoje pedro henriques na luz...

    ResponderEliminar
  9. É daqueles jogos que ao sairmos do Dragão subimos a Alameda sem saber o que dizer.

    Não estivemos mal porém, nem sequer estivemos bem.
    Terá faltado um pouco de sorte é verdade, mas tb. engenho para bater um futebol quadrado de jogar para o pontinho. E quantas equipas assim ainda teremos que defrontar...

    Essa de agora falar na arbitragem para mim não cola.
    Os jogos ganham-se com golos seja contra dez, vinte ou trinta.
    De lamentar tb. as cenas de confusão no túnel ou no estacionamento, a serem verdade ou não, com ou sem razão.
    Passam para fora uma imagem de desespero que não existe.
    A procissão pode já ir no adro mas vai ainda tardar para chegar ao altar.

    Perderam-se dois pontos importantes mas não a guerra.
    Para esta ainda faltam 18 longas batalhas e por aqui não desagradam as missões difíceis.

    E Viva O Porto !

    ResponderEliminar
  10. Eu concordo com o lucho um « natal amargo »

    http://campeoesfcporto.blogspot.com/

    PS - Vi o jogo aqui no blog, parabéns, se continuarem assim este blogue vai ser famoso! Garanto!

    ResponderEliminar
  11. Muito amargo este jogo depois de um outro grande amargo no sábado à tarde e um doce no sábado à noite no jantar do blog.

    Neste jogo faltou qualidade no passe (muitos errados) e jogar com mais intensidade em quase todo o jogo.

    Pedro Emanuel nem defende bem nem ataca e contra equipas que defendam é uma nulidade. Lucho é verdadeiramente deprimente e perde todas as bolas quer por maus passes quer por falta de força na disputa directa com um adversário. Pode ser que a pausa do Natal lhe faça bem.

    Cada vez se nota mais nesta equipa a falta de um lateral esquerdo e acho que era bem preferível pôr o Mariano ou o Tommy a lateral direito e o Fucile à esquerda sendo certo que o próprio Fucile, á direita, desce bastante mas perde muitas bolas e mesmo a defender não é um jogador top.

    Helton voltou às brincadeiras e ia sofrendo um golo por facilitar.

    O Porto não perdeu pela arbitragem mas é verdade que foi muito má. Para além de irritar os jogadores com faltas cirúrgicas (especialmente o Porto) o bandeirinha do lado da bancada onde estou (Sapo) deixou passar em claro, logo aos 5 minutos uma falta clara sobre Fucile junto ao bico da grande área (até eu na bancada ouvi a pancada tal como Lisandro disse ao bandeira) e na 2ª parte inventou um livre quase no mesmo sítio contra o Porto que o Marítimo mandou à barra.

    Quanto à questão da confusão no túnel não acho problemática. Então o Rui Costa não tem andado lá sempre a protestar com os árbitros e o Paulo Bento não disse que deviam ser menos simpáticos com os árbitros? E nós, somos comidos e fazemos figura de bonzinhos? Não me parece lógico.

    No entanto, nós não perdemos por culpa do árbitro mas sim por culpa própria e muito ajudados pelo Jesualdo mais uma vez. Se se deu mérito a Jesualdo nas últimas vitórias também ele foi o principal responsável pelo empate até pelas más e tardias alterações que fez. É impressionante que só aos 65 minutos faça a 1ª alteração e a 2ª aos 85 minutos e nem fez a 3ª. É muito fraquinho.

    ResponderEliminar
  12. Estou a ver q por aqui há muita gente indisposta... Tenham calma amigos, o vosso treinador referia-se a ser campeão de inverno, mas é só para o ano q vem...

    E deixem lá o Pedro Henriques hoje na luz, não sofram por antecipação...

    AlexJacaré

    ResponderEliminar
  13. Este foi daqueles jogos que, não sendo brilhante, acho que o Porto fez de tudo para marcar mas os deuses do futebol não estavam hoje connosco.

    O importante agora é não deitar o pano ao chão e por em causa tudo o que se fez. É só um jogo e o benfica não mete medo a ninguém.

    AlexJacaré, escusas de vir vender para aqui o Rennie porque vocês irão certamente precisar mais que nós! :-) E já agora, que equipa vos calhou na Taça Uefa?

    ResponderEliminar
  14. Uma entrada forte e a prometer muito, mas que rapidamente se desvaneceu. A partir dos 20 minutos ligamos o complicador e deixamos de jogar, de pressionar, de criar perigo e fizemos com que o Marítimo acreditasse que podia conseguir um resultado positivo.
    Melhor na segunda-parte, mas a saída tardia de P.Emanuel, fez que só na parte final, mais com o coração que com a cabeça, o F.C.Porto encostasse a equipa insular às cordas. Aí nesse período, faltou eficácia e alguma calma.
    Resumindo dois pontos perdidos ingloriamente e numa altura importante.
    Arbitragem habilidosa, de um trio que veio ao Dragão para provocar.
    O facto de só ter mostrado o amarelo ao guarda-redes Marcos, aos 90 minutos, quando ele fez a mesma coisa o jogo todo, diz tudo.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  15. Natal "amargo" ... por causa de um simples jogo que empatamos ?!!
    Demos a volta na Liga dos Campeões, quando já estavamos arrumados por alguns.
    Eu estou muito orgulhosa do fecho de ano do nosso Porto.
    Se mais logo, os encarnados escorregarem frente ao Nacional, melhor...
    Se não, é deixa-los viver na ilusão de um primeiro lugar que será sol de pouca dura por certo.
    Que é feito do vosso espírito Natalício ?
    Deixem-nos lá comer as rabanadas e afins sossegados ;)

    ResponderEliminar
  16. Se o porto tivesse ganho era um prenda para toda a gente, e assim se o benfica perdesse nós távamos em 1º lugar, mas como o porto empatou não se pode fazer nada.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  17. Deixa lá o primeiro lugar, Tiago :)

    Diz-me lá preferias estar em primeiro lugar e arrumado da Liga dos Campeões ou estarmos como estamos ?

    ResponderEliminar
  18. Pois é, falharam. Na baliza, na pontaria, e nas substituições (tardias).
    Espero que o Nacional empreste do veneno que já conhecemos (2 derrotas em casa nos anos mais recentes) e deixe as gaivotas à beira de um ataque de nervos...
    Entretanto ficamos a saber que a liga, manobrada pelo benfica e sporting, coloca motoristas ao serviço dos árbitros!? É verdade? Não era melhor e menos descarado oferecerem-lhes um GPS para darem com o Porto e o Estádio do Dragão?
    Entretanto a chusma lisboeta já volta a falar no túnel. Era bom lembrar que no recente gaivotas-setúbal, no túnel da luz, Rui Costa foi de tal maneira violento para com a equipa de arbitragem, (COACÇÃO), que foi chamado á liga (com o advogado lampião) a prestar declarações e a sua defesa... Mas isto, claro, foi sonegado pela imprensa... Depois uma suposta estalada de um funcionário da SAD num motorista da liga ou do árbitro (o carro teria pneus 'brancos' ou pirelli?) faz o brilhentina santos falar, falar, falar...

    ResponderEliminar
  19. Pois é Heliantia, e obrigado pela tua visita ao meu blogue e pelo o comentário

    E bom Natal para toda a gente

    ResponderEliminar
  20. Vila Pouca, o cartão amarelo foi por palavras com o apanha-bolas, não por demora na reposição da bola. A sinalética do árbitro foi bastante clara.

    E já agora atenção à navegação.
    O jacaré saiu do charco.
    Talvez esteja convencido que ser campeão de Inverno dê lugar na Champions.

    ResponderEliminar
  21. O Jacaré não disse q ser campeão de inverno dava lugar na CL nem disse q dava direito a jogar na UEFA! Esses argumentos são de quem não tem mais nada pa dizer. Só disse q o vosso Jesuíta se enganou quando disse q ia ser campeão de inverno, certo? Acho q foi só isso q escrevi.. E como não são campeões de inverno, acho q tenho razão no q digo.

    Digam coisas de jeito, não estraguem o blog ao rapaz.

    AlexJacaré

    ResponderEliminar
  22. Se preferirem q venha cá e não comente é só pedir. Se o vou fazer ou não é q não posso prometer, mas posso tentar.

    Claro q o patrão pode sempre 'cortar' os meus comentários, é uma opção.

    Não quero ofender ninguém, aceitam partilhar pontos de vista? Ou acham q vão ser intoxicados?

    AlexJacaré

    ResponderEliminar
  23. Meus amigos nestes momentos nem sei o que dizer. Toda gente dis, todos vão perder pontos, mas custa-me ver perder pontos assim .
    Não sou treinador nem nada parecido mas assim não sei se lá vamos, o F C PORTO tem de ter mais garra ,mais vontade, mais orgulho na camisola que vestem. Não digo nomes mas a certos jogadores que não rendem o habitual, professor também não faz as substituições todas !!!!
    Só espero que depois do natal as coisas melhorem .......

    Abraço

    ResponderEliminar
  24. Não haja dúvidas Paulo, este, mesmo que ocorra algum cataclismo noutras latitudes mais a sul, vai ser um Natal "desportivo" mais tristonho... tudo porque 11 bravos Dragões não conseguiram ontem, naquele fim de tarde, principio de noite, abrir as trancas à baliza defendida por Marcos.

    Hoje, mais a frio, direi até que nada a fazer, ontem, eram daqueles dias que podia-se estar ali toda a noite que o raio da bola não haveria nunca de entrar... há dias assim, que fazer?

    Rodriguez foi de facto o MVP do jogo, tendo aparecido vezes sem conta no interior da área a tentar fuzilar a baliza adversária com cabeceamentos que ora saiam tortos... ou direitinhos a Marcos.

    Por fim, dizer que o árbitro, bem, não foi por ele que empatamos, porque isso seria fazer o choradinho d'outras bandas mais a sul, mas não deixa de ser verdade que teve o condão de enervar os jogadores e todos os adeptos presentes na bancada... sempre bem acompanhado com mestria pelos seus assistentes que afinavam (e de que maneira) pelo mesmo diapasão.

    Bem, perdemos (quer-se dizer, empatamos apenas um jogo, nada mais que isso) uma batalha, mas a guerra, bem, essa, não está perdida, nem de perto, nem de longe!

    Continuo a acreditar que voltaremos a ser FELIZES... ou não me catalogue de PORTISTA INDEFECTÍVEL, carago!!!

    ResponderEliminar
  25. Ó Jacaré o Jesualdo só disse que queria terminar em 1º no natal para estimular os jogadores... porque o que ele quer mesmo é ser primeiro em maio!

    O que eu queria mesmo no sapatinho era um defesa-esquerdo de qualidade... :-) o pedro emanuel bem se esforça mas aquele não é o lugar dele...

    ResponderEliminar
  26. Convém é lembrar que o Marcos foi suspenso por um jogo por expulsão...Esse jogo seria com o FCP...MAs convenientemente um jogo da Calseberg Cup foi antecipado, claro que foi tudo normal e a m**** da imprensa desportiva nem piou...O sporting jogou contra um guarda-redes mais fraco e ganhou o jogo...O MAritimo mantém as esperanças, porque se ganhar os 2 jogos restantes passa às meias-finais e depois dizem que nao há viciação de resultados...

    ResponderEliminar
  27. Por falar em argumentos de quem não tem mais nada para dizer arrisco-me a estar errado, mas não encontro menção alguma do Prof. a dizer que iria ser campeão de Inverno.

    20-12-08 (antes do jogo)
    «Estamos nesta altura a dois pontos do líder e queremos chegar rapidamente à liderança do campeonato. Não dependemos de nós para isso acontecer, por isso temos apenas a missão de ganhar o jogo com o Marítimo. Temos de pensar jogo a jogo, porque faltam dezoito para acabar a Liga e queremos chegar em primeiro no fim.»

    21-12-08 (pós jogo)
    «Esta jornada não dependíamos de nós para subir ao primeiro lugar. Não é por este jogo que fico amargurado, mas sim pelos resultados menos bons alcançados numa fase não muito boa da equipa.»

    ResponderEliminar
  28. O FC Porto ainda vai muito a tempo de ser campeão. Não se preocupem.

    Viva o FC Porto.

    Viva o Jesualdo.

    Viva o Pinto da Costa.

    Viva a SAD.

    Atenção aos clones.

    ResponderEliminar
  29. Gayvotas 0 - Nacional 0

    Sinceramente, nunca esperei que as gayvotas ganhasssem o jogo porque o nacional está com uma super-equipa. Cuidado com eles! Tenho sérias dúvidas que o Porto consiga ganhar na Choupana. O resultado é enganador, porque o Nacional não ganhou por milagre, porque a bola até em cima da linha da baliza do benfas andou... enfim!

    Cuidado Porto que este Nacional está a jogar muito!

    ResponderEliminar
  30. Embrulhem Mouros, jacarés ou outra coisa qq! O que é Nacional é bom!

    ResponderEliminar
  31. Ora bem! Até agora tudo bebeu do mesmo xarope , ou seja que está tudo na mesma situaçâo, a qual nem é nada "amarga", ao menos p'ra nos que ficamos na mesma . Eu nâo vou começar a dizer que já sabia , mas a lua quando ataca é p'ra todos !!!
    Ora vamos lá deitar um melzinho nessa amargura que apregoaram cedo!
    Campeoes de inverno , aproveitem Matias que nâo dá todos os dias !
    Porque é o unico "campeonato" que
    vâo cheirar este ano as pica-na-terra!
    BIBÓ PORTO , CARAGO , BIBÓ PORTO!!!

    ResponderEliminar
  32. Estilhaço: Tens toda a razão. Quem disse isso foi o Hulk.

    Os GAYvotas empataram mas vieram logo queixar-se da arbitragem do mais vermelho dos árbitros. Até dizem que a bola nem sequer bate na mão mas na anca quando se vê perfeitamente a bater no braço que não está no chão. Claro que se esquecem de um lance em que o Yebda devia ter sido expulso logo no começo da 2ª parte.

    Agora, o nosso problema é que é muito grande pois não estou a ver nenhum defesa esquerdo bom e barato para irmos buscar. Continuo a pensar que, neste momento, era preferível pôr o Tommy, o Mariano (se calhar o melhor lugar para ele) ou até o Fernando a lateral direito e passar o Fucile para a esquerda. Neste último caso entrava o Pelé que me parece um jogador mais dinâmico para a posição 6.

    A verdade é que o Porto está muito tempo sem fazer grande pressão à espera que o jogo se resolva por si em vez de manter uma toada forte durante mais tempo. Mas com Lucho numa forma miserável o meio campo não joga e Raul Meireles não chega para tudo uma vez que o Fernando joga sempre muito próximo dos defesas. Acho mesmo que com Lucho em forma podíamos ter uma equipa muito forte pois o trio da frente está a melhorar muito só que está a faltar quem arme o jogo a partir de trás.

    ResponderEliminar