11 abril, 2011

Em gestão mas sempre na rota da invencibilidade

http://bibo-porto-carago.blogspot.com/

assistência: cerca de 5.000 espectadores.

Árbitro: Marco Ferreira, da Madeira ….

PORTIMONENSE SC: Ventura, Ricardo Pessoa, Ricardo Nascimento, Ruben Fernandes, Nilson, Hélder Castro (Pedro Moreira, 72), Wacaso (Pires, 58), Elias, Lito, Candeias e Kadi (George Mourad, 68).
Não utilizados: Pedro Silva, Di Fabio e Patrick.
Treinador: Dauto Faquirá.

FC PORTO: Beto, Sapunaru, Rolando, Maicon, Sousa, Sereno, Belluschi (Guarin, 53), João Moutinho (Mariano, 58), Ruben Micael, Hulk e Falcão (Walter, 71).
Não utilizados: Pawel, Rodriguez, James e Fernando.
Treinador: André Villas-Boas.

Marcadores: Hulk (50m), Ruben Fernandes (60m), Falcao (63m), George Mourad (84m) e Maicon (86m).

Disciplina: cartão amarelo para Sapunaru (14), Ricardo Pessoa (61), Candeias (76) e Rolando (83).

Os “dragões” deslocaram-se esta tarde a Portimão para alcançar mais uma vitória, desta feita sobre o Portimonense (3-2), em jogo da 26ª jornada da Liga portuguesa. Com este resultado, o FC Porto mantém a invencibilidade no campeonato, isto depois da conquista do título de campeão nacional no Estádio da Luz, na ronda anterior.

Os primeiros minutos foram de grande agitação. Ambas as equipas mostravam vontade em atacar. Os portistas queriam manter o seu imaculado registo sem desaires, enquanto os algarvios procuravam desesperadamente pontos para tentar escapar à despromoção.

Perto dos 15 minutos, destaque para um remate de João Moutinho, pontapé de muito longe do médio português que Ventura sentiu alguns problemas para segurar, e um amarelo para Sapunaru que o retira da próxima partida perante o Sporting, pois estava em risco de suspensão.

O jogo encaminhava-se a passos largos para o intervalo, e apesar do bom ritmo a que partida decorria, faltavam oportunidades de golo. Ainda assim, o FC Porto mostrava uma qualidade superior quando em posse de bola.

No início do segundo tempo, a partida voltava a conhecer um período de agitação. Restava saber se isto iria durar até ao fim ou se, a exemplo da etapa inicial, iria cair com o passar dos minutos.

Pouco depois do reatamento, os “dragões” chegaram mesmo ao golo. Remate em grande estilo de Hulk, pouco depois de entrar na área. O brasileiro viu bem o ligeiro adiantamento do guardião Ventura e fez um grande golo.

Quando se esperava uma reacção dos da casa, viu-se precisamente o contrario. O FC Porto ficou bastante mais forte depois do golo e cresceu na partida.

Mas quando menos se esperava, e um pouco contra a corrente do jogo, o Portimonense chegou mesmo à igualdade. Depois de um canto na direita, Candeias subiu mais alto que o defesa e cabeceou para o fundo da baliza.

Os da casa nem tiveram tempo para saborear o empate. Aos 63 minutos, Falcão, que hoje foi capitão, devolveu a liderança aos nortenhos. Depois de um erro de marcação da defesa dos visitados, o colombiano, sem oposição, atirou cruzado para o fundo das redes.

A poucos minutos do fim, o Portimonense aproveitava algum adormecimento do FC Porto e forçava o ataque, pelo menos, em busca do empate. Empate que surgiria mesmo aos 84 minutos. Depois de um canto para os locais, Pedro Moreira levantou e Mourad, nas alturas, cabeceou certeiro. O FC Porto adormeceu e foi castigado por isso.

Mais uma vez, e à semelhança do que já tinha acontecido, os “dragões” não deixaram os algarvios saborear a igualdade. Aos 86 minutos, e após canto do lado esquerdo, Maicon subiu mais alto que os contrários e acertou na bola que só parou no fundo das redes de Ventura.

Pouco depois, final do encontro. O FC Porto conseguiu, com dificuldade, manter a invencibilidade na Liga, enquanto o Portimonense hipotecou praticamente as hipóteses de conseguir a manutenção.

DECLARAÇÕES NO FINAL DA PARTIDA

André Villas-Boas: «Ainda temos muitas coisas que queremos alcançar esta temporada. Temos 74 pontos a quatro jornadas do fim, algo que já é um feito importante. No entanto, ainda temos muitos outros objectivos que podemos atingir. Recorde de pontos, invencibilidade, números de golos marcados e sofridos.»

Rolando: «O objectivo era ser campeões. Sabíamos que este jogo não ia ser fácil e o Portimonense complicou-nos a vida. Mas com muito trabalho conseguimos garantir a vitória. Não pensamos no Spartak, porque temos uma boa vantagem e o objectivo agora é continuar invencíveis na Liga. Amanhã pensamos no Spartak.»

6 comentários:

  1. Um Porto remendado, em 4x4x2 losango e com Beto, Sapunaru, Rolando, Maicon e Sereno, Souza, Belluschi, Moutinho e Micael, Hulk e Falcao, fez a pior primeira-parte da época, com o ritmo a ser devagar, devagarinho e a passo. Tivemos mais jogadores a caírem sozinhos que remates à baliza. Nunca estivemos verdadeiramente em perigo, mas também nunca criamos perigo. Os jogadores que normalmente não costumam jogar, Sereno, Souza, Micael - Beto fez o que lhe competia -, não fizeram pior que os restantes, mas tinham de ter feito bastante mais para me convencerem.

    A segunda-parte foi bem melhor. Entramos mais rápidos, começamos a trocar e a circular melhor a bola, a encostar o Portimonense lá atrás e Hulk, aos 50 minutos, num remate magnífico, fez o um a zero. Com vantagem no marcador, André Villas-Boas começou a poupar, saíram Belluschi - tocado? - e Moutinho, entraram Guarín - entrou mal e continuou mal - e Mariano. Estava o jogado controlado e dominado pelo F.C.Porto, quando e numa desconcentração defensiva, que não é normal, abordamos mal um canto Rolando saltou fora de tempo e golo da equipa algarvia, nessa altura, injusto para o Campeão. Não acusamos o toque, reagimos de imediato e quase de imediato voltamos à vantagem, por Falcao, a colocar justiça no marcador. A partir desse golo e com a saída do colombiano, substituído por Walter, acreditamos que estava ganho, relaxamos, perdemos qualidade de passe, de toque e equipa de Carlos Azenha, sem nada a perder, arrebitou e em mais uma abébia defensiva, novamente num canto, golo da equipa algarvia - Como é possível? Faltou o quê, liderança na baliza a orientar as marcações? Pois é, esta equipa do F.C.Porto, mesmo já sendo Campeã e não tendo muito a perder - apenas ganhar o campeonato, com mais um ou outro empate...-, ainda teve capacidade para reagir, ir à procura da vitória, Hulk estourou, Ventura defendeu para canto e no canto, Maicon - terceiro golo consecutivo. Já tinha marcado à Académica, Spartak - deu a vitória ao F.C.Porto.

    Resumindo: primeira-parte muito fraca e segunda bem melhor. Falhas defensivas que não podem repetir-se. Vitória justíssima, a DÉCIMA QUARTA CONSECUTIVA e a primeira no último ciclo de cinco jogos.
    Agora concentração absoluta no Spartak que a eliminatória ainda não está ganha. Depois falaremos no Sporting, que mal teve uma vitória, já canta de galo.

    Os que têm sido menos utilizados e que hoje jogaram:
    Beto apenas posso colocar a questão da liderança nos cantos, mas posso estar a ser injusto... No resto cumpriu e esteva bem a jogar com os pés.
    Sereno não é lateral e "não tem pé esquerdo", o que o prejudicou em vários lances. Não comprometeu.
    Souza foi de todos o mais constante. Mas não é trinco e com se soltava mostrava mais serviço. Tem capacidades e apenas precisa de jogar mais.

    Mariano entrou cheio de vontade e tentou agradar. Aqui e ali teve bons apontamentos, mas sem nada de significativo, nada marcante.
    Walter jogou pouco tempo não podia fazer mais.
    R.Micael, a primeira-parte foi muito má. Na segunda melhorou, mas esteve inconstante, capaz de fazer coisas boas, a assistência para o segundo golo, por exemplo, com perdas de bola e passes errados em demasia.
    Sobre os que normalmente jogam, não vou destacar ninguém, nem mesmo os marcadores dos golos, Hulk e Falcao, que, para além desse facto - tudo bem, não é pouco - não fizeram uma exibição extraordinária.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  2. Mais uma vitória, mais um passeio, desta vez no Algarve debaixo de um sol quente…

    Mesmo com poupança de titulares, a denotar a clara gestão de recursos que AVB será obrigado a fazer agora, a vitória foi questão resolvida com 2 golos dos “meninos do costume”, Falcao e Hulk, e 1 golo de Maicon, um jogador que parece mais concentrado a atacar do que a defender, onde ainda comete asneiras algo comprometedoras…

    Com esta vitória, alargamos a vantagem na liderança para 19 pontos sobre o 2º… os mentecaptos que ainda argumentam que o sucesso do FC Porto se deve a árbitros ou a felicidade deviam ter vergonha e arrumar definitivamente a “viola no saco”…

    Independentemente do que possa acontecer até final da época, qualquer pessoa minimamente normal (e em Portugal há muitas que não o são!) percebe perfeitamente que o FC Porto não é melhor que todos os outros… o FC Porto é sim, MUITO MELHOR que todos os outros juntos… o FC Porto é INTRIGANTEMENTE MELHOR que todos os outros… e digo intrigantemente, porque me lembro ainda no inicio da época de ver tanta gente ambicionar por bi-campeonatos, inícios de ciclos vitoriosos, milhões e milhões de € gastos em vedetas internacionais, desejos de vitoria na Champions League…

    Enfim, tudo isso se resumiu a simples 19 (DEZANOVE) pontos de vantagem na liderança…

    ResponderEliminar
  3. Gestão criteriosa da equipa que nem assim retirou discernimento e vontade de vencer. Mais uma segunda parte de bom nível. De novo ficou demonstrado que temos 2.ºs planos de bom nível, embora no FC Porto nunca se deva falar de titulares e suplentes.

    E lá vão 19! Dezanove!!!

    Abraço de CAMPEÃO!

    ResponderEliminar
  4. Bom dia,

    Ontem como era de esperar não fizemos um grande jogo.

    Villas-Boas face aos castigos, e face aos desafios da Liga Europa, poupou jogadores, dando oportunidade a outros para mostrarem se merecem ficar no plantel da próxima época.

    Foi uma primeira parte paupérrima, em ritmo lento, com um Portimonense a necessitar de pontos que nada arriscava, e um FC Porto que sabia que face à nossa superioridade individual e às fragilidades defensivas do adversário mais tarde ou mais cedo marcaria.

    Na segunda parte demos mais velocidade ao jogo, e com naturalidade chegamos à vantagem num fantástico golo de Hulk.

    Poucos minutos depois sofremos um golo de bola parada, numa desatenção da nossa defesa que deixou Ruben Fernandes saltar à vontade.

    Mas a superioridade do FC Porto fez nos voltar à vantagem no marcador, numa excelente jogada de combinação, culminada com uma excelente assistência de Ruben Micael.

    Souza um dos que ontem não aproveitou a oportunidade, em mais um lance de bola parada não acompanha o salto de Mourad que restabelece o empate.

    O Porto reagiu naturalmente e Maicon, o melhor elemento da nossa defesa no jogo de ontem carimbou a vitória num excelente cabeceamento.

    Destacar pela positiva, Ruben, Hulk (melhor em campo), Maicon, Moutinho e Falcao que estiveram melhor que os seus colegas.

    Pela negativa Souza que não agarrou a oportunidade, embora também tenha pesado o muito tempo de ausência.

    Rolando também teve um exibição menos conseguida, deixando-se antecipar no primeiro golo do Portimonense, e esteve muito lento.

    Sapunaru, Guarin e Belluschi cumpriram.

    Sereno teve pela frente o melhor jogador do Portimonense, Candeias e foi resolvendo os problemas colocados. Notou-se a falta de rotina e entrosamento com os restantes colegas de sector.

    Beto penso que podia ter feito melhor no primeiro golo dos algarvios, uma vez que a bola cai na sua zona de acção, de resto cumpriu efectuando duas grandes defesas.

    Boa presença de público, e uma arbitragem sem erros.

    Abraço e boa semana

    Paulo

    http://pronunciadodragao.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  5. Ou me engano muito ou os próximos jogos do Campeonato vão ser a repetição deste em Portimão.

    Os atletas, embora queiram ganhar sempre, vão ter tendência para o relaxe e para exibições descoloridas, o que é pena, pois reconheço alguma qualidade nas segundas linhas, capazes de actuar em níveis perfeitamente aceitáveis.

    Cabe ao mestre André incentivá-los a dar o melhor de si mesmos.

    Seria muito bonito, útil e agradável acabar o campeonato sem derrotas mas também com exibições positivas.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  6. Mais um passo rumo a invencibilidade, foi um jogo fraquinho ou quanto baste, a linha defensiva esteve um pouco tremida, mas o objectivo foi conseguido, tiveram um gesto bonito os jogadores ao mandar as camisolas para os ultrasfcp como forma de agradecimento por o seu apoio durante toda a época em todos os estádios, pois somos nós a vossa força a vossa voz.
    Cumprimentos,
    www.ultrasfcporto.com

    ResponderEliminar