14 abril, 2009

Branislav Pokrajac em exclusivo para o BiBó PoRtO

Hoje, tenho o privilégio de publicar uma entrevista EXCLUSIVA com Branislav Pokrajac, técnico Sérvio que liderou a nossa equipa de andebol nas épocas douradas de 2001/2002 e 2002/2003. Hoje, aos 62 anos, é um dos mais conceituados nomes do andebol Mundial tendo ganho como jogador a medalha de ouro nos jogos olímpicos de 1972 (Munique) pela Jugoslávia. Como seleccionador Jugoslavo repetiu a glória máxima nos Olímpicos de 1984 (Los Angeles) tendo ainda conseguido o 2º lugar no Mundial de 1982 e o 3º posto no Mundial de 2001. O FC Porto esteve sem ganhar o campeonato de andebol desde 1968 tendo-o conseguido 31 anos depois, em 1999, com José Magalhães a treinador. Em 2001 José Magalhães perde a final do campeonato (e também da taça) para o Sporting ganhando apenas a supertaça ao ABC. No final dessa temporada Magalhães aconselha a direcção do andebol azul e branco a apostar no técnico Sérvio para que a equipa tivesse outras ambições também a nível Europeu. Magalhães passa a director geral da modalidade e o Sr. Pokrajac é contratado no Verão de 2001 com o FC Porto a apostar forte na modalidade que me é "mais querida". A imprensa Lusa abre a boca de espanto pela chegada à Invicta de um técnico com um curriculum invejável. O FC Porto ganha os campeonatos de 2001/02 e 2002/03 conquistando ainda a supertaça de 2003 (última edição oficial desta prova) em duas épocas onde Sporting e ABC foram sempre fortes opositores.

Na 1ª época com os jogos caseiros do FC Porto a decorrerem na Póvoa de Varzim o FC Porto venceu o campeonato na finalíssima em casa batendo o ABC por 27-19 (este foi o último campeonato organizado pela FAP-campeonato de elite- com a criação da Liga/LPA a originar que o campeonato de 2002/03 fosse já organizado pela Liga numa aventura cheia de conflitos com a Federação/FAP presidida pelo Sr. Luís Santos, um indivíduo que muito prejudicou a modalidade nesses anos de «revolução»). Na época seguinte, já em Santo Tirso, o FC Porto de Pokrajac revalidou o título Nacional batendo também na finalíssima em casa o ABC por 25-20, sagrando-se bicampeão e ao mesmo tempo escreveu o seu nome como o 1º campeão da Liga Portuguesa de Andebol. Estas duas finalíssimas tiveram ambientes únicos de intenso apoio ao FC Porto, tendo eu também assistido ao vivo a estas duas partidas memoráveis. A supertaça Nacional de 2003 foi ganha pelo FCPorto em Fânzeres (31-28) diante do Águas Santas.


No seu 1º ano em Portugal, Pokrajac levou os Dragões aos quartos de final de uma prova Europeia (taça dos vencedores de taças) eliminando uma equipa Islandesa e uma Alemã (Bad Schwartau) sendo que este último adversário tinha jogadores poderosos e com muita experiência da forte Liga Alemã. O Porto perdeu por 2 golos fora mas na Póvoa deu-lhes a volta e ganhou 26-22. Estava assim igualado o recorde do clube no andebol nas provas Europeias (quartos de final) conseguidos em 1990/91 com António Cunha (Taça da Europa) e em 2000/01 (na época anterior) com José Magalhães que depois de ganhar na Póvoa aos Espanhóis do Valladolid por 37-26 (estive lá...) perdeu a hipótese de fazer a história (passar às meias finais) perdendo por 12 golos em Espanha na 2ª mão. Em 2001/02 (1ª época de Pokrajac) a história teve também um final infeliz mas foi ao contrário. Começamos por perder na Hungria com o Dunaferr por 25-15 (Pokrajac queixa-se do pouco tempo que teve para preparar este jogo por causa do Europeu de 2002 na Suécia onde Portugal esteve presente e com vários jogadores Portistas em acção) ganhando depois na Póvoa por 29-19 num jogo tremendo (também marquei presença) onde a equipa acreditou na reviravolta que não sucedeu porque o tempo esgotou-se quando Rui Rocha ia isolado em contra-ataque, uma eliminação dramática (mais uma...) que sucedeu somente pelo facto dos Portistas terem marcado menos golos fora de casa.


Na época seguinte, 2002/03, o FC Porto de Pokrajac possuía, de acordo com a generalidade da Imprensa desportiva, a melhor equipa de sempre do andebol Nacional (Carlos Ferreira, Dedu, Resende, Eduardo Filipe, Ricardo Costa, Rui Rocha, Carlos Matos, David Tavares, Petric...este último, ao que parece, assinou com o Sporting para a próxima época) e preparava-se para disputar a Liga dos Campeões Europeus mas os conflitos entre a FAP e a LPA assumiram contornos graves e o FC Porto acabou por ser o maior prejudicado desta política infeliz e «ditatorial» da Federação, sendo impedido de disputar a prova. Pokrajac e os jogadores sentiram muito esta injusta medida mas mesmo assim ganharam o campeonato nacional mas terá começado aí, nessa altura, o adeus de Pokrajac ao FC Porto porque o clube viu as receitas diminuirem e teve que desinvestir consideravelmente levando à saída do Sérvio no final da temporada 2002/03 sendo substituído na época seguinte pelo seu fiel adjunto Paulo Jorge Pereira (que logo na estreia, época 2003/04, foi campeão).


Um obrigado ao Professor Pokrajac, um mestre do Andebol Internacional, pela sua amabilidade, simpatia e total disponibilidade. A única dificuldade foi ter que efectuar a entrevista em Inglês e depois traduzir, tarefa que deleguei na minha esposa (uma tal de «eva» que por aqui passa de vez em quando), bem mais habilitada que eu nessa vertente. Um obrigado também a ela. Já não bastava o marido ter dragon seat e agora também caixa seat (fui quinta feira comprar o lugar anual no pavilhão) e agora ainda tem que colaborar na crónica semanal deste «doente» do FCP...

ENTREVISTA EXCLUSIVA
Branislav Pokrajac, ex-treinador de andebol do FC Porto


1) Chegou ao FC Porto no verão de 2001 com um curriculum extraordinário, conseguindo como seccionador Jugoslavo a medalha de Prata no Mundial'82, a de Ouro nos Jogos Olímpicos de 1984 e de Bronze no Mundial 2001. Com toda esta história de sucesso no andebol Mundial o que lhe fez aceitar um desafio oriundo de Portugal?

1) A minha opinião era que naquele momento Portugal estava pronto para o “boom” do andebol. Uma boa tradição da modalidade em Portugal, um clube tão conhecido como o FC Porto, uma grande ambição da equipa de responsáveis de andebol do FC Porto com o intuito de se criar uma equipa de andebol séria ao nível Europeu, e o temperamento dos jogadores Portugueses (muito similar aos dos jogadores do meu País). Eles necessitavam encontrar alguém que os ajudasse nesse momento e pensaram que poderia ser eu essa pessoa, que poderia ajudar com o meu nome, educação, resultados e reputação. Para mim foi uma agradável provocação para fazer algo muito sério.

2) O FC Porto esteve 31 anos sem ganhar o campeonato de andebol conseguindo finalmente esse título em 1999 com José Magalhães. Depois só voltou a ser campeão consigo em 2002 e 2003 (e mais tarde com Paulo Jorge Pereira em 2004).Quais destes 2 campeonatos foi o que mais gozo lhe deu ganhar?

2) Eu apreciei ambos com igual emoção. Foi no primeiro ano que mostramos a todos em Portugal (e um pouco na Europa também) o quão sérios podíamos ser e o andebol de qualidade que podíamos produzir.
No segundo ano tivemos muitos problemas com a Federação de Andebol devido à “guerra” entre a Liga e o Presidente Luís Santos. Não jogamos na Competição Europeia, os jogadores não sabiam qual seria o seu futuro, se jogariam pela selecção nacional ou não, a Liga começou 2 meses mais tarde, mas depois foi o calendário normal. Nestas condições não foi fácil confirmar novamente o nosso nível, sermos campeões novamente e bater novos recordes no andebol português, nesse momento. No entanto devo realçar que mesmo assim não perdemos durante 25 jogos consecutivos. É por isso que fico igualmente muito orgulhoso com os dois títulos.

3) Em 2002 teve que jogar a final frente ao ABC na Póvoa de Varzim sem Dedu, lesionado. Receou perder o título pela falta desse jogador? Em 2003 perdeu o 1º jogo da final em casa tendo que ir a Braga com obrigação absoluta de ganhar para trazer a decisão para nossa casa (Santo Tirso). Como conseguiram aguentar aquele terrível ambiente em Braga e ganhar o jogo? Qual a finalíssima (3º jogo) onde sentiu mais apoio dos adeptos (eu estive em ambas), na Póvoa em 2002 ou em S.Tirso em 2003?

3) Na finalíssima do play-off (no 1º ano) na Póvoa de Varzim não tínhamos medo. Estávamos preparados para a “guerra desportiva” com todo o coração. Mas, claro, nesta situação tínhamos que alterar alguma coisa na nossa táctica porque o que tínhamos treinado jogando com o Dedu, não era mais possivél. Mas, a táctica é saber como enganar o adversário, e eu tentei encontrar isso. Sem o Dedu não tínhamos um jogador pivot perigoso (o Manuel Arezes estava preparado para jogar à defesa, mas para o ataque o Dedu impunha maior respeito aos adversários). E o ABC de Braga jogava só com um tipo de defesa 5:1. A minha ideia era jogar com dois jogadores atrás (Petric e Filipe) e dois jogadores centrais (Resende e Matos). Significa que jogamos com 4 jogadores atrás o que era totalmente inusual para todos, especialmente para o ABC e para a sua defesa 5:1. E várias vezes o Resende ou o Matos moviam-se para os 6m como pivots, e após alguns segundos voltavam para a sua posição atrás. Significa que durante o tempo todo alterávamos o nosso ataque e jogamos com 4 jogadores atrás, depois alterávamos para 3 atrás e 1 pivot, e às vezes para 2 jogadores atrás e 2 pivots. Em resumo, os meus jogadores gostaram de causar problemas tácticos ao nosso adversário e eles ficaram confusos e na 2ª parte consolidamos a vantagem (27-19).
No ano seguinte a situação era diferente. Perdemos o 1º jogo e tenho que admitir que jogamos muito mal. Este detalhe foi usado na preparação para o jogo seguinte. Primeiro, disse aos meus jogadores (e eles sabiam) que não podíamos jogar tão mal 2 jogos consecutivos. Depois, o detalhe que lhes expliquei, foi que o ABC Braga estaria convencido que tinham acabado tudo e começariam a gozar o título. Mas eles não nos perguntaram se já nos sentíamos derrotados. Estamos preparados para lhes oferecer o título como um presente? Não era possível!!! Por fim, cada minuto que conseguirmos manter o resultado a nosso favor, eles ficariam sobre maior e maior pressão, começariam a perder a auto-confiança passo a passo e nós vamos esperar pelos nossos “5 minutos”. E assim foi. Ganhamos em Braga e depois na finalíssima (em anexo pode apreciar, a seguir a estas linhas, a foto da festa Portista após essa finalíssima em 2003 que o Porto ganhou ao ABC por 25-20). Claro que agora é fácil falar, mas fazer algo assim só foi possível porque o FCPorto (e eu como treinador) tínhamos uma excelente equipa. Eles acreditavam em mim, e sabiam, e foram capazes de me seguir e às minhas ideias.


4) Em 2002 o FC Porto chegou aos quartos de final de uma prova europeia ( taça dos vencedores de taças) depois de eliminar uma equipa alemã (Bad Schwartau) ganhando em casa por 26-22 superando os 2 golos de desvantagem trazidos da Alemanha. Pensava-se que seria dessa vez que o clube ultrapassaria a barreira histórica dos quartos de final mas a derrota na Hungria frente ao Dunaferr por 10 golos de diferença (25-15) arrefeceu o entusiasmo. Na Póvoa o FC Porto esteve perto do sonho ganhando por 29-19 mas foi eliminado pelo factor “golos fora de casa”. Sentiu que teria sido possível nesse ano ganhar a prova Europeia?

4) Ganhar a Taça Europeia não sei, mas ganhar ao Dunaferr era possivel, mas o FCP pagou o preço dos jogos da selecção nacional. A selecção jogou no campeonato da Europa, e durante esse período eu não tive os “meus jogadores” connosco. Houve pouco tempo entre o fim do campeonato da Europa e o jogo com o Dunaferr. Por causa disso, depois do jogo na Hungria, eu disse aos jornalistas que não sabia por quanto ganharíamos no Porto, mas que ganharíamos. Precisávamos ter tido um pouco mais de preparação e de tempo juntos. Como sabe em casa estávamos em vantagem de 10 golos e o Rui Rocha ia em contra-ataque isolado quando o tempo terminou...

5) Em Julho de 2002 a Federação Portuguesa não permitiu ao FC Porto disputar a Liga dos Campeões por se ter envolvido na criação da Liga de Clubes. Muitos dizem ainda que a equipa 2002/03 do FCP foi a melhor de sempre da história do andebol Português. Foi frustrante tudo isto? Onde poderia chegar o FCP nessa temporada nas provas europeias?

5) Não posso esquecer essa situação. Também eu acredito que naquele momento tínhamos uma equipa fantástica. Um grupo fenomenal de jogadores: boas pessoas, bons atletas e cheios de ambição. Eles também viram durante a época anterior e durante os jogos europeus frente a equipas da Islândia e Alemanha (e no segundo jogo frente ao Dunaferr) que podíamos jogar contra qualquer um. Trabalhamos muito, os jogadores aceitaram muitas técnicas novas e detalhes tácticos do andebol e realmente acreditávamos que éramos bons, que o nosso tempo estava a chegar. Essa era a razão porque estávamos todos juntos, porque estávamos num momento assim no FCP; éramos um grupo fenomenal, com um elevado nível de vontade de vencer. E um homem, infelizmente o Presidente da Federação de Andebol Portuguesa, destruiu tudo. Na sua “guerra” pessoal contra a Liga ganhou, mas o FCP e o andebol português perderam muito. Não tivemos a oportunidade de jogar na Liga dos Campeões Europeus. Para o Sr. Presidente da Federação, o FC Porto não era a sua equipa, não era uma equipa da sua federação, não era uma equipa do seu País, nem sequer uma equipa com jogadores que faziam parte da selecção nacional. Era algo improvavél acontecer tudo isto mas na realidade sucedeu mesmo.

6) Qual o sete ideal desses 2 anos em que esteve no FC PORTO? Caracterize de forma breve cada um desses 7 jogadores por si escolhidos.

6) A esta pergunta típica terei que dar uma resposta típica à treinador. Já referi que tínhamos um grupo muito bom de jogadores, a melhor equipa que alguma vez tive. Por isso, no sete inicial eu tenho 4 defesas (Resende, Filipe, Matos e Petric), 2 pontas direitas (Costa e David Tavares), Dedu como pivot, Rui Rocha como ponta esquerda e Carlos Ferreira como guarda-redes. Dependendo do adversário, da táctica ou de outros detalhes, eu tinha que eleger o 7. Falar sobre as suas características e qualidade demoraria muito tempo.

7) O FC Porto terminou a época 2002/03 ganhando a supertaça 2003 ao Águas Santas mas as duas equipas jogaram com uma lista negra em sinal de protesto para com a Federação. Terá sido esta política da Federação uma das razões que o levou a abandonar o andebol Português no final dessa época? Ou existiram mais razões?

7) Mais ao menos voçê está certo, mas não foi assim de uma forma tão directa. Em primeiro lugar, não foi por causa da politica da Federação, foi a politica de um homem, Luís Santos, como já referi. Devido a isso, começamos a nossa liga 2 meses mais tarde, não tínhamos competição internacional, e toda a gente falava sobre os nossos problemas no andebol e não sobre o andebol. O resultado disto foi menos jogos (dos nossos) na TV e no final da época ninguém sabia como seria a próxima época. A reacção normal foi a de alguns patrocinadores perderem a ambição de patrocinar os clubes e o andebol neste ambiente. Durante o verão o FCP informou-me de que alguns patrocinadores importantes não tinham interesse em continuar e que nessas circunstâncias o clube não podia continuar a ter o mesmo tipo de ambições e o mesmo nível de jogadores. O sonho de uma equipa de andebol do FC Porto de nível mundial tinha terminado e muitos de nós tivemos que sair do clube.

8) Ainda vai acompanhando o andebol Português? Sabia que o FC Porto acaba de ganhar a 1ª fase e vai partir em vantagem para o play-off? Qual a imagem que levou do andebol Português, do andebol do FCPorto e do FC Porto como clube (envolvendo todas as modalidades, com destaque para o futebol)?

8) Eu penso que o andebol português teve uma boa oportunidade de fazer algo sério naquele momento, porque perto do FC Porto, havia equipas fortes como o ABC Braga e o Sporting e julgo que algumas delas estavam na direcção correcta (Águas Santas). Com uma correcta situação económica e com boa organização, a ideia normal era a de subir um degrau. Era a Liga. Era bom para todos, excepto para uma pessoa. Hoje, os clubes encontram-se numa situação pior, jogadores antigos terminaram as suas carreiras, mas os jogadores novos não estão ao mesmo nível, muitos jogadores estrangeiros saíram de Portugal, e não vieram novos, e os jogadores portugueses procuram ir para o estrangeiro assim que possível.
Claro que eu continuo a seguir o “meu” Porto, mas devo dizer: o FC Porto, em qualquer modalidade, será sempre “o meu clube” mas “a minha equipa” já não existe.

9) Peço-lhe, por último, uma opinião sobre:

Paulo Jorge Pereira:

O melhor assistente que tive. Nível elevado de educação, muito interessado em observar, aprender, ajudar e me seguir e a este tipo de filosofia no andebol. Mantenho um contacto frequente com ele.

Carlos Resende:

Boa pessoa, bom atleta e líder da equipa. Ele era um exemplo de seriedade no trabalho, que os outros seguiam. Ele compreendia a minha filosofia de treino: trabalho sério e ambiente descontraído.

José Magalhães:

Ele «inventou-me» para o FC Porto. Não é fácil encontrar este tipo de pessoa. Consegue imaginar alguém que depois de ser campeão por um clube após tantos anos sem ninguém o conseguir, disse aos directores que o clube necessitava de outra pessoa para subir um degrau nos seus objectivos? Ele era um homem do FC Porto a mais de 100%, é a vida dele e o FC Porto naquele período era o seu projecto. Posso apenas dizer: Magalhães, muito obrigado!

10) O que faz actualmente, falando especificamente na área do andebol?


10) Eu trabalho muito mas mais como professor. Na Universidade lecciono duas disciplinas: Andebol e Teoria e Métodos de Treino no Desporto. Também trabalho na “High school for trainers”, em especial Teoria do andebol, Técnica do andebol e Táctica do andebol. Terminei recentemente, para a Federação de Andebol de Belgrado, um DVD “Individual work with players” (3 horas e 40 minutos). Participo em vários seminários na Sérvia e no estrangeiro ( em Junho estarei na Áustria e na Eslovénia). Nos últimos dois anos estive duas vezes em Portugal (Lisboa e Seixal). Neste momento não trabalho com nenhum clube ou federação por variadíssimas razões. Algumas delas são muito similares à situação vivida em Portugal há alguns anos atrás.
-------------------------------------------------------------------------------------------------

Assinem a petição pela continuidade de EDUARDO FILIPE, basta que gostem de andebol, do FC Porto e de Eduardo Filipe, sejam ou não sócios do clube:

cliquem aqui

ps- No próximo sábado pelas 16.30h estarei na Póvoa de Varzim (mais dois amigos do blog e do fórum do portal dos dragões, o antilamp e o sdvaladares) para antes do jogo (com o Sp.Horta às 17h para a 1ª mão dos 4ºs de final do play-off de andebol) entregar ao Eduardo Filipe uma petição assinada por adeptos, sócios ou não do FC Porto, com o objectivo de se conseguir que o nosso fabuloso andebolista continue a jogar, pelo menos, mais uma temporada. Esta petição continua disponível aqui, vote e participe também nesta nossa iniciativa conjunta com o portal dos Dragões cujos administradores no dia 1 de Maio em Belém entregarão a mesma petição ao Eduardo, esperando-se que até lá muitas mais assinaturas se efectivem. Este sábado ganhamos o torneio de andebol de Leça da Palmeira derrotando na final o ABC por 28-26 enquanto a selecção de sub21 se apurou para o Mundial com a participação do Portista Wilson Davyes. Destaco ainda que no próximo sábado (16h), em Matosinhos, a equipa de basquetebol do FC Porto tem que ganhar obrigatoriamente ao Guimarães para se apurar para o play-off enquanto no hóquei em patins só jogamos no dia 26 diante do Benfica (16h, RTP2, em Fânzeres) tendo-se jogado na Suiça mais um torneio de Montreaux que Portugal ganhou 12 anos depois da sua última conquista (3-1 à Espanha) contando com os Portistas Reinaldo Ventura e Jorge Silva. Neste fim de semana de Páscoa só no futebol se jogou para o campeonato com o Porto a dar mais um passo seguro na direcção do tetra enquanto os nossos rivais encarnados voltaram a derrapar e já estão a 8 pontos... E já agora, que amanhã seja mesmo o nosso dia!!! Só um pouco mais de azul, é o que se pede aos nossos guerreiros... Força Futebol Clube do Porto!!!

Saudações Portistas,

Lucho.

31 comentários:

  1. Grandes recordações de duas épocas fantásticas, cá dentro, mas também, lá fora. Pena foi, que por guerras entre a Liga e a prepotência federativa coutada de um pequeno ditador, aquela equipa tivesse de ser desmembrada, o investimento alterado e lá se foi o projecto europeu do Andebol portista.

    Parece que na próxima época o regresso ao passado vai acontecer e é pena que o Petric vá para o Sporting.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  2. O FC Porto também vai ter uam equipa muito forte no próximo ano com as contratações de Dario Andrade ao ABC, de Spinola ao Belenenses e de Filipe Martins e Nuno Pereira "Grilo" ao São Bernardo.

    E por isso como o SCP tb vai ter uma excelente equipa (Petric é um dos meus ídolos na modalidade) tal como slb e abc QUE ERA TAMBÉM ABSOLUTAMENTE IMPORTANTE QUE NA 1ª ÉPOCA NO DRAGÃOZINHO QUE O ANDEBOL DO FC PORTO CONTASSE AINDA COM O POTENCIAL, CATEGORIA E EXPERIÊNCIA DO EDUARDO FILIPE. POR ISSO, PORTISTAS, SÓCIOS OU NÃO, VOTEM EM MASSA NA PETIÇÃO, FAMILIARES, AMIGOS, TODOS PARA QUE ESTE SÁBADO QUANDO ENTREGAR A PETIÇÃO AO EDUARDO SEJAM MUITOS A PEDIREM AO NOSSO LATERAL ESQUERDO PARA RECONSIDERAR A SUA POSIÇÃO! VOTEM, O LINK DA PETIÇÃO ESTÁ NO POST MAIS ABAIXO.

    ResponderEliminar
  3. Continuo sem perceber a relevãncia destas postas relativamente às modalidades amadoras. Tirando meia-dúzia de entusiastas, mais ninguém se interessa por estas entrevistas e referências às modalidades amadoras. Não é por acaso que as terças-feiras são os dias com menor afluência neste blogue, exceptuando os dias de jogos do Porto na liga dos campeões. Não se entende. Esta referência às modalidades amadoras até podia ser uma mais valia, mas a sensação que tenho é que mais ninguém quer saber e anda o blue boy a fazer favores ao lucho, ignorando o interesse dos leitores. Sinceramente, não entendo.

    ResponderEliminar
  4. O F.C.Porto é, ninguém tem dúvidas, um clube onde a modalidade rainha é o futebol, mas, o F.C.Porto é também, um clube que se orgulha do seu ecletismo. São importantes as modalidades na afirmação do portismo e é nas modalidades, que muitos miúdos cresceM a aprender a ser do F.C.Porto. Mas mais do tudo isso, é preciso ter memória e dizer, que nos tempos em que o clube não ganhava nada no desporto rei, foram as modalidades - ciclismo, andebol, hóquei, basquetebol, natação, etc - que mantiveram a chama acesa e aguentaram o F.C.Porto como um grande clube.

    Lucho, nunca desanimes e continua a dar-nos todas as semanas, esta bela panorámica sobre as modalidades. Eu agradeço.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  5. o Porto nao é so futebol..eu tambem agradeço...

    ResponderEliminar
  6. Apesar da falta de net, excesso de trabalho, falta de tempos neste últimos dias, isto e aquilo, sempre se consegue arranjar um bocadinho de tempo para dizer apenas que "Sinceramente, (tb eu)não entendo".

    É que já cá só faltava (mais) um papagaio (sem nome)... sempre há bom remédio, digo eu... as 3ªs feiras, dizem-me, costumam ser óptimas para ir ver se está a chover lá fora... não queres aproveitar tb tu para o ir fazer?

    E por falar em "favor", favores fazemos nós em te aturar... dassseee!!!

    ps - Lucho, nunca ouviste falar no provérbio, "antes de criticar, porque não experimentas superar-me?"... eles, há muitos que falar, falam, ainda que mal, escrever, tb escrevem, ainda que mal, mas o problema é sempre o mesmo de sempre, o velho hábito da inveja mesquinha, tacanha e invejosa... tamos em Portugal (dos pequeninos), lembras?

    ResponderEliminar
  7. Eu também agradeço. As modalidades também são o FC Porto e essa de ignorar o interessa dos leitores é muito relativo. Há muitos portistas que gostam das modalidades e as acarinham, penso até que com o novo pavilhão, esse sentimento vai sair reforçado. Para esses, estes posts têm um valor incalculável, porque mais nenhum blog o faz. Para os que gostam só de futebol, o que não faltam são blogs por aí a falar só de futebol. Hoje há um campo de escolha muito alargado. Não se pode é querer moldar um blog só ao que nos interessa pessoalmente, pois há outras pessoas com interesses distintos.

    Pela minha parte e pelo que vou vendo, há muita gente a gostar destes posts e, portanto, acho que a sensação do anónimo é completamente errada. Há que continuar com estes posts alusivos às modalidades, sff.

    ResponderEliminar
  8. Eu tb. agradeço e assino por baixo.

    Quanto ao andebol eu não posso dizer mas as 'casas' em Fânzeres e em Matosinhos provam exactamente o contrário do exposto pelo anónimo.

    E a situação de as terças serem de menor afluência não está correcta (longe disso)como facilmente se verifica nas estatísticas.

    Força Lucho.
    Não desanimes nunca.

    ResponderEliminar
  9. Lucho ... Continua por favor.
    O nosso Clube é mais que futebol, muito mais, tens realizado um trabalho notável de entrega e entusiasmo.
    Embora admita outras opiniões acho muito mau criticar através do anonimato.
    Este espaço das terças é muito importante e faz a diferença na blogosfera azul e branca.
    Quanto ao andebol, foi mesmo muito má aquela guerra com um tal de santos que de santo nada tinha. E ficamos a perder...

    ResponderEliminar
  10. No fundo, só me vêm dar razão. Antes da minha opinião, havia apenas dois comentários. Depois da minha opinião, apareceram logo mais seis comentários. Lá está, a tal meia-dúzia. Que nem sequer se dariam ao trabalho de comentar, e mesmo até ler a posta, se não tivesse nada dito nada. É a confirmação, se tal fosse preciso, que quase todos estão se marimbando para as modalidades amadoras e para quem se dá ao trabalho de escrever sobre elas. É para reflectir antes de rejeitar liminarmente. Lucho, pensa bem sobre o que andas fazer. Ou então pensa bem como hás-de fazer para cativar o interesse pelas modalidades amadoras, algo que não tem sido bem sucedido. Assobiar para o lado não é solução. Para reflectir.

    ResponderEliminar
  11. Cá vou eu na mesma cantiga!.... Grande entrevista ( mais uma )daqui a pouco não tenho mais adjectivos para qualificar o teu trabalho, excelente esta entrevista não e para qualquer um, então agora até a tua patroa também ajuda !!!!!
    Não chegava aturar-te. Os meus parabéns também para ela.

    Não digas que no meio de tanto seat só te falta ter um seat .......

    Quanto a petição, eu já dei a minha pequena contribuição e mandei mails aos meus conhecidos e amigos que gostam do F C PORTO.

    Vamos lá pessoal mais um forcing para aumentar o numero das assinaturas!!!!!!

    Quanto aos comentários de anónimos vale o que valem ou seja NADA.....




    Um grande abraço

    ResponderEliminar
  12. No fundo, Lucho, quase todos te enviam a mesma mensagem: Olha para o que eu digo e não para o que eu faço.

    À tua frente: Modalidades amadoras? Sim, sim, sem dúvida. Gosto muito. E gosto muito do teu trabalho.

    Embora, quase nunca saibam exactamente sobre o que escreves porque quase nunca te lêm e por isso raramente comentam. Comentar o quê? Só se aparecer um anónimo qualquer a por o dedo na ferida e a anunciar que afinal o rei vai nu. Nesse caso, aparecem todos. Porque será? Pergunta-lhes se algum leu a entrevista antes de algum anónimo ter dito alguma coisa. Pergunta-lhes se iam comentar alguma coisa. Se te iam agradecer o teu trabalho por mais esta entrevista. Antes das 18:00, só havia dois comentários. Amanhã, à mesma hora, veremos quantos teremos.

    Para reflectir antes de rejeitar liminarmente.

    ResponderEliminar
  13. Lucho, quando se é bom naquilo que se faz, que é o teu caso, aparecem sempre uns deficientes com muita inveja!!!!!!!!

    Mas fazer o quê? Só tens que continuar, porque toda a paixão e conhecimento que nos transmites nos teus postes, ninguem consegue fazer melhor!!!!!!!!

    OBRIGADO LUCHO!

    BIBÓ PORTO

    ResponderEliminar
  14. Inveja de quê?

    Isto é um alerta para o próprio lucho e para todos. Se gostam do rapaz e estimam o que ele faz, apareçam. Comentem. Agradeçam todas as terças-feiras. Repito. Antes das 18:00, só havia dois comentários e tenho a certeza absoluta que poucos mais haveriam se não tivesse dito nada. Sejam honestos. Pensam no que andam a fazer. Só aparecem agora depos de eu falar? Apareçam todas as terças-feiras mesmo sem nada de especial para dizer. Basta uma palavra de agradecimento a quem tanto faz de forma gratuita. Isto é inveja? Vamos ser sérios. Apareçam sem nenhum anónimo vos motivar a vir cá agradecer e a defender o trabaho do lucho. Isto é ser invejoso? Não basta dizer que gostam de nós. Demonstrem-no. E não, não sou o lucho. Ele não precisa disso.

    ResponderEliminar
  15. Viva !

    Cá estou a comentar à hora habitual das terças !

    Como sempre cinco estrelas.

    Como sempre um semanário que leio com muito prazer !

    Eu gosto muito de andebol. É para mim, como já escrevi, umas das modalididades do futuro.

    É também verdade que a minha selecção é campeã do Mundo e Olímpica nos homens.

    Já a selecção feminina, apesar das grandes defesas da sua belíssima guarda redes, foi escandalosamente roubada contra a China.

    E também lá estive em Paris para ver o Porto eliminar o Paris :-) !Quem não lembra ?

    Gostei muito da entrevista e, graças a ela aprendi mais.

    Só uma coisa que me questiona e que não me parece claro nas palavras de Pokrajac. Quando ele diz que os jogadores do Porto têm o mesmo comportamento temperemental que os do seu país, não entendi se ele se está a referir aos jogadores da antiga Juguslávia ou da Sérvia.

    Pode ser também eu quem tenha mal lido.

    E Viva o Porto !

    ResponderEliminar
  16. Às vezes, para despertar as consciências é preciso atacar primeiro para defender depois.

    Lucho,

    Desculpa o primeiro comentário. Às vezes, é necessário. Espero que todos reflictam e dêm o valor justo a quem merece. Apareçam todas as terças-feiras, pois esse é o "salário" de quem trabalha tanto de forma gratuita.

    ResponderEliminar
  17. Amigo LUCHO

    Eu só comento os teus posts depois das 19h porque até essa hora estou a trabalhar !!!!!!

    Eu sou dos que leio os teus textos á muito tempo, antes de ter o prazer de te conhecer.

    Há um ditado que dis dor de corno e fodid.................

    Sábado temos mais um jogo na Póvoa convido todos os que gostam de andebol e do F C PORTO a aparecerem par apoiar a nossa equipa !!!!!!!!!!!


    Força PORTO !!!!!!!!!

    Um grande Abraço

    ResponderEliminar
  18. Façam o que têm que fazer. Façam o que o lucho merece que façam. Não apenas hoje mas todas as terças-feiras.

    Por mim, é finito. Já cumpri o meu papel.

    Quanto às dores de corno, não sei o que é. Fala quem sabe.

    ResponderEliminar
  19. Viva !

    Blue Boy : Então sem net ? Isso é um horror! Conheci isso o ano passado. Coragem !

    Esqueci-me completamente de escrever que o Cisso teve direito a uma página inteira no France Foot edição papel. Uma página inteira ! Bem tem lá razão quem lá escreve que a escola Francesa é muito boa . Não é só no foot. É no and, no ping pong, no rugbi... Tem piada que o basqute não pega. Se calhar estou a ser subjectivo.

    Apesar do Villeurbanne ter sido campeão europeu ( mas já há anos).

    Hoje, o comentador pseudo intelectual do l'equipe on line chora por ver que equipas como o Porto e o Vilareal , com um orçamento de metade do Lyon, estão nos quartos.

    Mas são lágrimas de cebola. Ele não suporta é mesmo é a presença do Porto nos quartos.

    Para quem sabe ler Francês entre as linhas dá para entender o que escrevo.

    Cada vez mais vou preferindo os artigos da edição papel do l'Equipe !

    E Viva o Porto !

    ResponderEliminar
  20. "Continuo sem perceber a relevãncia destas postas relativamente às modalidades amadoras."
    mas que grande idiota !

    Eu sou daqueles que nunca comenta mas lê sempre com grande interesse estes trabalhos sobre as modalidades amadoras.

    Sigo o Porto, essencialmente o futebol, e graças ao Lucho recomecei a seguir as modalidades ditas amadoras.
    Entrevistas, como esta, servem para recordar grandes nomes de jogares e treinadores que tão bem serviram o NOSSO clube.

    Para finalizar, também vejo este espaço reservado às modalidades amadoras com alguma nostalgia. Recordo-me do tempo em que aguardava por estes resultados na edição da tarde desportiva da Renascença ou na Gazeta dos Desportos e mais tarde no Jogo.

    Força Lucho ! (e também para o outro Lucho :))

    ResponderEliminar
  21. Amigo Lucho,

    Parabéns por mais esta fantástica entrevista que conseguiste sacar a um técnico (do andebol) que apesar de pouco tempo que cá morou, deixou saudades... e trabalho pa mostrar!!!

    Pouco conhecia na altura do Sr. Branislav Pokrajac, mas rapidamente simpatizei com este e com o seu trabalho digno de registo... como disse, deixou saudades e pena foi que uma "guerrinha", uma daquelas de comadre, mais uma vez, tivesse prejudicado o FC Porto (onde é que eu já vi isto?) e destruido uma equipa que tinha sido preparada para nos dar muitas glórias, cá dentro... e lá fora! Uma pena!!!

    No resto, caro Amigo, sem querer contribuir mais para a "brincadeira de mau gosto" d'um qualquer palerma de serviço que nada deve ter para fazer, senão coçar-se à sombra da bananeira do trabalho d'outrém, dizer-te apenas que quanto ao teu trabalho, sabes bem qual a minha opinião (desde a 1ª hora), motivos estes que até levaram à consumação da tua contratação-relâmpago para este espaço de tertúlia do FC Porto, mas ao mesmo tempo tb, de todos os amigos deste espaço e que soubeste granjear/conquistar ao longo de todo este tempo... sabes bem que estamos todos contigo... com 1 ou 100 comentários.

    No resto, quanto aos "velhacos" da praça, deixá-los a falar sozinho e prá central da borracha, é mesmo o melhor remédio!!!

    ResponderEliminar
  22. O silêncio do lucho é bastante esclarecedor. Se ele entendesse que eu estava errado, seria o primeiro a rebater as minhas palavras. Bastaria dizer que não precisava de nenhum advogado de defesa e que estava satisfeito com a situação actual, com os poucos comentários e agradecimentos dos colegas de blogue e que saberia perfeitamente que todos lhe reconheciam o seu trabalho. No fundo, faria a sua defesa pessoal. Não o fez. Não rebateu nada e quem cala, consente. Claro que agora já vai tarde. No fundo, ele percebeu a minha intenção e até, acredito, concorda comigo. Não deixo de notar que todos sentiram-se incomodados. Porquê? Se estivessem de consciência tranquila e bastante seguros, não precisavam de dizer nada sequer pois o lucho já saberia o que todos pensavam. Não foi isso que fizeram. Tocaram a rebate e sentiram-se atingidos. Mas porquê? Não foi feito um ataque pessoal a ninguém em especial. No entanto, sentiram-se incomodados. Mas porquê? Se estivessem tranquilos em relação ao lucho não seria preciso dizer nada. O lucho, melhor do que ninguém, saberia. Qual a necessidade de vir reafirmar que gostam do rapaz e do seu trabalho? Ele já não deveria saber isso? Porquê tanto incómodo. Parece-me claro que isto mexeu com muita gente que não estava de consciência tranquila. Se estivessem, nem sequer precisariam de escrever uma palavra sequer. O lucho saberia. Estarei atento nas próximas terças-feiras.

    ResponderEliminar
  23. O meu silêncio deve-se tão só ao facto de ter andado muito ocupado.

    Na verdade, foste infeliz em duas coisas, em não colocares o teu nome e mentires sobre as estatísticas das terças feiras. Nada que me envaideça mas é um dos dias mais procurados pelos leitores.

    Mas tb concordo q o FC Porto tem muitos adeptos que pouco ligam às modalidades e por vezes é frustrante sentir q n se consegue despertar essas almas perdidas na cegueira do futebol e q nunca chegarão sequer a perceber a verdadeira essência do q é sentir o clube como eu o sinto.

    Qt aos meus amigos q aqui me defenderam agradeço as palavras simpáticas e sinceras de todos vós.

    Mas não se pense que desanimo, mesmo sendo verdade que muitos mais deveriam aqui participar, dar a sua opinião e valorizar as horas e o trabalho q tudo isto me dá. Ou que nos dá, falando em equipa.

    O amor ao FC Porto alimenta esta paixão por divulgar os nomes menos falados na comunicação social.

    Mas q seria mais reconfortante além de saber q passam por aqui e apreciam o esforço, seria mais reconfortante sentir na prática as palavras de muitos mais adeptos.

    E para a próxima identifica-te. Porque tens o meu mail na minha conta de blogger e facilmente saberás quem eu sou, era mais elegante se tb o fizesses.

    Mas não deixo de concordar com algumas coisas q disseste menos com o facto da consciência tranquila de quem me defendeu, pois conheço-os pessoalmente a quase todos e sei q estavam a ser sinceros.

    ResponderEliminar
  24. lucho,

    Deste uma no prego e outra na ferradura. Inteligente como és, não esperava outra coisa.

    E agora? Quando todos esperavam que o lucho rejeitasse tudo o que escrevi, não o fez? Pelo contrário, não deixou dar as suas alfinetadas. E agora? Os tais amigos que ficaram muito incomodados vão-me criticar? Não é, blue boy?

    ResponderEliminar
  25. A equipa (e os amigos do blog) está unida e nada nos desunirá.

    As alfinetadas eram para os adeptos que n ligam nenhum ao q fica à margem do futebol. Esses é q n compreendo. Mas isso se calhar é mesmo assim. E não há nada mais q possa fazer.

    Tb vou estar atento a ver se apareces todas as terças a falar sobre as modalidades. Ou se foi uma tentativa para criares conflitos.

    ResponderEliminar
  26. Criar conflitos como?

    Apenas pus o dedo na ferida. Os conflitos só existem se vocês quiserem. Agora, se todos assobiarem para o lado e fizerem de conta que está tudo bem assim, principalmente tu, quem sou eu para querer alterar o status quo do blogue em relação às modalidades amadoras? Alfinetadas para adeptos que nem se dão ao trabalho de ler estes comentários? Tens a certeza disso? As alfinetadas dão-se a quem sabemos que lê estes comentários e não a quem não lê. Percebo que tentes tratar este assunto com pinças, porque por um lado percebes a oportunidade que te foi criada. Soube-te bem ver a trupe tocar a reunir e vir defender o teu trabalho. Mas quem mais te defendeu fui eu, por incrível que pareça. Só que ao contrário de ti não tenho problemas em por o dedo na ferida e denunciar os teus amigos. Ofereci-te esta oportunidade e por isso, tu próprio nem sabes muito bem o que há-de dizer porque percebes que defendi o teu trabalho. "Exigi" dos teus amigos maior atenção, maior reconhecimento pelo teu trabalho. Isso é ir contra ti? Obviamente não é. Tu sabes disso. É isso que pretendes também. Os conflitos só existiriam se já houvesse feridas abertas, principalmente da tua parte, porque és tu que trabalhas. Trabalhas por gosto, por amor ao FC Porto mas também para os outros. E são desses outros que gostas de receber esse reconhecimento, esse agradecimento. Não devia ser preciso vir cá eu para se encher a tua caixa de comentários e o mais curioso é que nem sequer se falou das modalidades amadoras. Falou-se do teu trabalho e do pouco reconhecimento de todos. Dois comentários às 18h? Ontem, às 18h já estavam 17 comentários. Percebes a diferença? E muitos desses comentários eram dos teus amigos. Os tais que estão muito ocupados durante o dia à terça-feira. É preciso fazer um desenho? Acredito que as coisas mudem um pouco nas próximas semanas. Acho que todos perceberam que se calhar é melhor contribuirem um pouco mais para ti.

    Quanto a mim. Escrever como anónimo ou como tone é irrelevante. Ficavas a saber o mesmo. Hoje, posso ser o anónimo, amanhã posso o zé ou o joaquim. É irrelevante.

    ResponderEliminar
  27. Filipe Costa tás avisado
    a partir de agora nem mais um vai passar

    ResponderEliminar
  28. Quanto a teres estado ocupado. Bom, acredite quem quiser. Este é o teu dia. Esta é a tua posta. Se há dia em que estás particularmente atento ao que se passa na caixa de comentários é esse. Inteligente como és, ficaste na expectativa para ver o que acontecia. Para ver o que os outros faziam e diziam. Para contares armas. Para saberes quem está e quem não está. Nada que eu já não esperasse.

    ResponderEliminar
  29. Agradeço os elogios mas ESSA de andar a contar armas n percebo.

    Compreendo-te até certo ponto mas isto aqui é feito de forma gratuita, não estou a ganhar dinheiro, tudo por amor ao FCP.

    Qd achar q não gostam, q n ligam nenhum, q na agradecem serei eu a tomar decisões. E n acho isso.

    ResponderEliminar
  30. Contar armas significa ficares a saber quem está do teu lado. Quem deu a cara para te defender. Para saberes quem está e não está. Simples. Os tais que deviam estar todas as terças-feiras.

    ResponderEliminar
  31. Quanto à questão de tomares decisões. Tu não queres tomar essas decisões. E vais procurar evitar ao máximo ter que as tomar. E enquanto houver um que te apoie, tu continuarás o teu trabalho. O problema não está aí. O que tu queres e querias é ter o apoio de todos e de muitos. E daí a tal frustração. De qualquer maneira, estou convencido que a partir de agora as coisas vão mudar e terás mais razões para sorrir. Tenho a certeza que finalmente os teus amigos perceberam e saberão o que fazer para te verem feliz e não é preciso muito.

    Um abraço e um grande reconhecimento pelo teu excelente trabalho. Ponto final.

    ResponderEliminar