15 agosto, 2009

Um manto azul celeste...

É natural para quem está fora (fisicamente), pois de paixão estou colada à minha Invicta Cidade (de preferência ali juntinho da Igreja das Antas onde fui baptizada), que procure tudo aquilo que de alguma forma atenue essa distância.
Dai a minha recente “cruzada” em busca de uma medalhinha da Padroeira da Cidade do Porto.

Pesquisa daqui, indaga dali e eis que venho a descobrir Nossa Senhora de Vandoma, que com um manto azul celeste é a minha Padroeira.

A sua história faz parte da nossa e não resisti a partilhar aquilo que aprendi:

O Porto teve a sua origem no Morro da Sé no século VIII a.C.
Esta poderá não ter sido a primeira Padroeira desta cidade, mas é a que figura entre as duas torres do nosso Brasão.

No ano de 999, chega uma armada vinda da Gasconha Francesa com o intuito de expulsar uns Mouros que haviam ilegalmente ocupado umas terras. Era chefiada por D. Moninho Viegas, acompanhava-o seu irmão, D.Sesnando e o Bispo de Vandoma.
Este ultimo, vem a desistir desse cargo para chefiar investidas que expulsaram os mouros da nossa Cidade. Esta armada faz-se acompanhar por uma imagem de Nossa Senhora de Vandoma.

Destes confrontos, a nossa cidade fica destruida. Era hora de começar a reedificar a mesma. Numa das portas da cidade é colocada a sua imagem.
É então adoptada como armas da cidade que toma o nome de “Civitas Virginis”, ou seja “Cidade da Virgem”.

A Sé do Porto era uma ermida, que passou a ser do especial agrado de D.Teresa (mãe do nosso primeiro Rei) e posteriormente de D.Mafalda , esposa do mesmo.
Depressa passa a Catedral , sofrendo ao longo dos séculos remodelações dos vários bispados.

Originalmente a imagem trajava um manto azul sobre uma veste vermelha. Durante as lutas Liberais, o manto mantem a côr original , ao passo que a veste passa a branca.
É por esta altura – Cerco do Porto – que a Rainha D.Amélia concede à cidade e aos seus habitantes o título único entre as demais cidades de Portugal, de Invicta Cidade do Porto.

A imagem de Nossa Senhora de Vandoma, é posteriormente retirada do arco, quando este é destruido em 1855, passando para a capela de S.Vicente.

Em 1954, é finalmente colocada na Sé do Porto, em lugar de culto de destaque, no transepto da mesma onde se pode actualmente venerar.

Não encontrei relação directa entre as cores da nossa padroeira com as do nosso Clube, mas quem assim o entender e desejar está à vontade.
Eu assumo-as como tal.


Heliantia.

11 comentários:

  1. Então Sodani, o manto "azul" e a veste "branca"?...

    "Originalmente a imagem trajava um manto azul sobre uma veste vermelha. Durante as lutas Liberais, o manto mantém a cor original, ao passo que a veste passa a branca."

    ResponderEliminar
  2. Desculpem, Sodani não, Heliantia.

    ResponderEliminar
  3. Armando Pinto15 agosto, 2009

    Assim, sim. Grande tirada, neste bonito post. Gostei.

    ResponderEliminar
  4. É só para informar que o grande D. Moninho Viegas era tatatatatataravô do Pinto da Costa.

    E quem era o asqueroso chefe dos mouros? Um tipo que tinha umas orelhas enormes.

    E ainda dizem que a história nunca se repete.

    ResponderEliminar
  5. Mas que belo texto =)
    Adoro quando a História,o Clube e a Cidade se unem de forma tão harmoniosa...

    ResponderEliminar
  6. Temos Professora...de história:)

    ResponderEliminar
  7. http://mexidasdomercado.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  8. a parte do manto vermelho deve ser boato :)

    ResponderEliminar
  9. a parte da "veste vermelha" quero eu dizer :)

    ResponderEliminar
  10. Viva !

    Artigo interessante.

    Penso que Armindo de Sousa, nas suas obras, retraça, quanto possível a história do Porto.

    Talvez as escavações arqueológicas efectuadas na porta Vandoma nos esclareçam, no que diz respeito à história do Porto antes da romanização.

    Para mim, sem qualquer ofensa, a padroeira do Porto é o São João !

    Festa pagã cuja origens se perdem na noite dos tempos. A desentronização da sociedade, mesmo se só dura 24 horas ( segundo a classificação do teórico Russo Baxtin ) continua ainda hoje a persistir. Como e porquê ?

    Festa pagã que resistiu a tudo. Porquê ?

    Vou desligar do tema porque o Blue Boy está a chegar de férias : E Estilhaço mais Blue Boy vão pôr o meu pescoço a andar à roda. Quatro mãos é energia demasiada para o meu pescoço. Lol !

    Hoje, na imprensa Francesa o Porto é novamente falado.

    Indirectamente : o "Le Parisien", no caderno desporto fala de Paulo Machado com foto deste.

    Directamente : "L'Equipe" concede uma entrevista a Bernard Lacombe. Este gaba as potencialidades de Cissokho que esteve muito bem contra o Le Mans na segunda parte.

    Prefero-o ao internacional Fabio Grosso que deverá sentar-se no banco.

    Tudo isto na pag 2 do diário referido ( ed hoje ).

    E Viva o Porto !

    ResponderEliminar
  11. Armando Pinto15 agosto, 2009

    Agora que chega o campeonato, tem que se ter mais uma vez atenções redobradas, em tudo. Não nomearam logo um tal Xistra...?
    ...«Carlos Xistra, árbitro de Castelo Branco, especialista em prejudicar o F.C.Porto e em permitir, que autênticas caças ao homem, com agressões bárbaras, como aconteceu em Guimarães e na Amadora, na época passada, passem completamente impunes.» Como muito bem recoda o amigo Vila Pouca no seu blog.
    E que tal a nossa claque ostentar uma tarja a lembrar isso, já em Paços?
    Antes que eles pensem que somos ingénuos...

    ResponderEliminar