12 fevereiro, 2009

Outro golpe no Apito Final

Pinto da Costa não vai a julgamento no "caso da fruta"
Nuno Miguel Maia


O Tribunal da Relação do Porto indeferiu o recurso do Ministério Público no chamado "Caso da Fruta" do processo Apito Dourado.

O presidente do F.C. Porto não vai assim a julgamento, confirmando a decisão, de Junho de 2008, do juiz Artur Ribeiro, do Tribunal de Instrução Criminal do Porto (TIC).

O caso tinha sido inicialmente arquivado pelo MP, mais foi reaberto mais tarde por decisão da equipa especial constituída para investigar o processo Apito Dourado, coordenada por Maria José Morgado, com base no testemunho da ex-namorada de Pinto da Costa , Carolina Salgado.

Esse mesmo testemunho foi fulcral para a decisão de acusar Pinto da Costa e os restantes arguidos.

Na decisão do TIC, de Junho de 2008, o juiz considerou falsas algumas afirmações de Carolina Salgado, tendo mandado abrir um processo-crime por falsas declarações.

Em causa estava o jogo entre o F .C . Porto e o Estrela da Amadora arbitrado por Jacinto Paixão, na época de 2003/04. O Ministério Público sustentava que teriam sido fornecidas prostitutas à equipa de arbitragem e que lhe teria sido propiciado um jantar como contrapartida por violação das regras de jogo naquela partida.

Eram ainda co-arguidos o vice-presidente do F. C. Porto, Reinaldo Teles, e o empresário António Araújo, além dos árbitros auxiliares Manuel Quadrado e José Chilrito.

Em Junho de 2008, o juiz do TIC havia decidido não levar Pinto da Costa a julgamento, ao considerar que "só ficcionando ou conjecturando" se encontraria "nexo de causalidade" entre os factos alegados pelo Ministério Público, que assentava a acusação na permissa de que foram fornecidas prostitutas à equipa de arbitragem para que esta violasse as regras do jogo.

Artur Ribeiro considerou, em Junho de 2008, que não houve violação da regras no Estrela da Amadora-F. C. Porto, tendo por base a análise que ex-árbitros, arrolados como peritos, fizeram aos lances capitais.

No despacho, do qual o MP recorreu para a Relação, o juiz do TIC argumentou, ainda, que não ficou provado que o "JP", a que se aludia em telefonemas escutados, a Pinto da Costa fosse Jacinto Paixão, dado que o presidente do F. C. Porto associou as iniciais a Joaquim Pinheiro, um dirigente portista.

# fonte: Jornal de Noticias em 12Fev2009

14 comentários:

  1. PortistaAlentejano12 fevereiro, 2009

    Essas GAYvotas bem querem ver o n/ Presidente atrás das grades.

    Tomem lá mais esta para engolir.

    Força POOOOORTOOOO

    ResponderEliminar
  2. Isto só vem dar razão a Pinto da Costa. Nós portistas que até chegamos a pôr em dúvida a excelência do nosso Presidente, não nos podemos calar. Esta trama já foi longe demais e é tempo de nos revoltarmos contra esse crápula Ricardo Costa e toda a corja que o ajudou. Temos direito a manifestar a nosse indignação contra essa gentalha.

    ResponderEliminar
  3. Pedra a pedra, o muro da crucificação pública e «encomenda» está a desmoronar-se!!!

    No final, nem uma pedra se vai manter erguida... vai uma aposta?

    Afinal, com muito pouco chinfrim, falatório e blábláblá, por parte da nossa SAD (aquela a quem muitos vaticinavam a morte anunciada), afinal, pelos vistos, trabalha bem... e de que maneira!!!... e mesmo assim, perante factos atrás de factos, continuam na mesma ordem do dia: pouco bláblá e muito, muito trabalho!!!

    Um bem haja para todos os 'mentores' desta estratégia... que devegar, devagarinho se vai mostrando ter sido a mais correcta.

    Houve quem não pensasse assim, mas ainda vai a tempo de emendar a mão, ou continuaremos no mesmo discurso, curto e grosso, do apenas «bota abaixo»?

    ResponderEliminar
  4. Depois do, tão pouco badalado pela cs, parecer do Constitucional este soa a um tal de atestado de incompetência a quem teve o desplante de reabrir tal processo.

    De arrepiar tb. o pensamento de que o acordão da Liga se baseou nestas certidões de acusação que, uma a uma, são desmontadas pelos Tribunais.

    Esperemos agora até à novela de 3 de Março pois...largos dias tem cem anos.

    E de não esquecer os outros que encomendaram directamente os árbitros.

    ResponderEliminar
  5. Serenidade, profissionalismo e... deixá-los pousar.
    Dia 3 de Março começa o julgamento - isto se a Carolzinha não meter baixa - é o último passo, para se ver o que está por trás de tudo isto. Lá no sítio certo, a verdade virá ao de cima e espero, muita coisa interessante se vai ficar a saber.
    Aguardemos com tranquilidade

    Um abraço

    ResponderEliminar
  6. É ainda possível o recurso para o Supremo embora e passo a citar o jogo:

    O acórdão do Tribunal da Relação, a que a agência Lusa teve acesso, rejeita a tese da equipa especial de investigação liderada por Maria José Morgado, especialmente no que diz respeito ao testemunho de Carolina Salgado, ex-companheira de Pinto da Costa: "(...) Como é bom de ver, tal prova testemunhal não se revela, a nosso ver e de forma alguma, credível".

    ResponderEliminar
  7. Mais um prego no caixão da mizé Morgado e sus muchachos.

    ResponderEliminar
  8. A Mitzé que se vire para o FreePort...Embora eu ache que ela não vai mexer uma palha! Ou não estivesse o Fiscalista envolvido com o PS...

    ResponderEliminar
  9. Pessoas Isentas!...Deixa-me Rir...Grande Jorge Palma!

    ResponderEliminar
  10. "só ficcionando ou conjecturando" se encontraria "nexo de causalidade"

    Esta foi uma piada do juiz, ao Filme do João Botelho. :-)))

    ResponderEliminar
  11. A peça apresentada no jornal da rtp é bastante elucidativa da cobertura que estes tentam dar ao caso.

    Até se esqueceram de mencionar que a certidão das declarações prestadas pela tal de escritora tinham sido já enviadas, por mando do juíz de instrução, ao diap para eventual procedimento criminal por testemunho agravado falso.

    http://jn.sapo.pt/PaginaInicial/Policia/Interior.aspx?content_id=963078

    ResponderEliminar
  12. Mais kompensan...
    Aqueles que "andando por outro lado" montaram esta cabala com a conivência da comunicação social e outros em lugares de responsabilidade é que deviam ser investigados.
    Pinto da Costa ... Olé ... e viva o Porto

    ResponderEliminar
  13. Qualquer pessoa isenta, que leia o acordão da Comissão de Disciplina que condenou a SAD e Pinto Costa, percebe facilmente que existiam indícios mas nada ficou provado.

    Como é possível acusar-se alguém de corrupção se não ficou provado que o corrompido tivesse conhecimento que estava a ser corrompido?

    O que não invalida que se possa ter passado algo, mas é preciso provar.

    Não havendo confissões. Não havendo provas irrefutáveis. Só fazendo deduções pré-concebidas no sentido de se penalizar a SAD e Pinto da Costa, é que possível haver uma condenação. No entanto, não posso deixar de me perguntar: Porque raio não havia gente nossa na Comissão de Disciplina? Porque motivo se permitiu que um indefectível benfiquista presidisse a referida Comissão? Erro estratégico notório. Teriam-se evitado muitos dissabores.

    Relativamente ao caso da visita de Augusto Duarte a casa de Pinto da Costa, dadas as contradições verificadas no acordão pelos depoimentos das pessoas envolvidas, parece-me que a juíza decidiu bem pela ida a julgamento.
    Justifica-se uma clarificação do que se passou. Veremos quem fala verdade.

    ResponderEliminar