26 outubro, 2009

Numa exibição desafinada, valeu a Tecla certa...

assistência: 29.209 espectadores.

árbitros: Hugo Miguel (AF Lisboa), Ricardo Santos e Pedro Garcia; Bruno Esteves.

FC PORTO: Helton; Fucile, Rolando, Bruno Alves e Alvaro Pereira; Fernando, Raul Meireles e Mariano; Hulk, Falcao e Rodríguez.
Substituições: Fucile por Sapunaru (5m), Rodríguez por Farías (58m) e Raul Meireles por Guarín (69m).
Não utilizados: Beto, Maicon, Nuno André Coelho e Sebastián Prediguer.
Treinador: Jesualdo Ferreira.

Académica: Rui Nereu; Pedrinho, Orlando, Berger e Emídio Rafael; Nuno Coelho, Tiero e Cris; Sougou, João Ribeiro e Lito.
Substituições: Lito Por Miguel Pedro (66m), Nuno Coelho por Éder (71m) e Tiero por Diogo Gomes (84m).
Não utilizados: Ricardo, Amoreirinha, Paulo Sérgio e Hélder Cabral.
Treinador: André Villas Boas.

disciplina: cartão amarelo a Bruno Alves (66m), Nuno Coelho (71m) e Berger (87m).

golos: Mariano (65m), Farias (68m), Miguel Pedro (76m), Farias (82m) e Sougou (92m).


Confronto de tradições – e de extremos – hoje na soirée do Dragão. Jogo com elevada carga mítica a rodeá-lo, não fosse a Briosa um contendor com enorme passado na prova máxima lusa, mas com uma curiosidade: um enorme fosso pontual a separar os adversários, com a equipa de Coimbra a ocupar o indesejado último lugar da tabela classificativa. Aliás, a curiosidade não se esgota nesse ponto. Quis o destino que o Estádio do Dragão, sedeado na mui nobre e leal cidade da Invicta, testemunhasse o início da carreira de treinador principal de André Vilas Boas.

31 anos, que o colocam como o técnico mais jovem nesta Liga Sagres, o agora treinador da Académica regressa a uma casa que já foi sua. E, ao entrar naquele majestoso anfiteatro, não deixará por certo de sentir um arrepio de excitação, ao relembrar os momentos sublimes ali passados, quando fazia parte de uma equipa técnica que alcandorou os Dragões ao topo da Europa.

Estereotipo do treinador moderno, jovem e esfaimado por conhecimentos, Vilas Boas tem o rótulo de profundo estudioso do fenómeno futebolístico, rasgando com a conformidade nos métodos de treino, optando sempre por uma abordagem menos convencional. Espero que o público do Dragão lhe conceda o afago de uma saraivada de palmas, tributo merecido a todos aqueles que trabalharam – e dignificaram - no nosso amado clube.

Quanto ao jogo, foi um confronto táctico interessante. A Académica, já com a marca do disciplinado ex-adjunto de Mourinho, copiando os modelos em voga em Itália. Linhas muito fechadas, fazendo do passe curto e acertado a principal arma para saírem em vagas atacantes. Na defesa, coesão como palavra-chave, num ferrolho táctico que, pasme-se manietou os Dragões na primeira parte.

Diga-se, como forma de contrariar os adeptos do assobio fácil, que não foi por falta de tentativas que os pupilos de Jesualdo não se libertaram do colete-de-forças com que eram tolhidos. Adoptando a mesma equipa que principiou o jogo da Champions, frente aos cipriotas do Apoel, o técnico portista foi gerindo o jogo, mudando várias vezes o sistema que vigorava. Ora trocava o 4-3-3 inicial para um mais conservador 4-4-2, colocando por momentos Hulk [jogo de tremenda desinspiração] a par com Falcao [outro que passou, literalmente, ao lado da partida], ou optava por trocar os extremos, numa dança curiosa mantida durante os 45 minutos iniciais entre Mariano, Rodriguez e Hulk.

Era no entanto notório que, perante um opositor acantonado no seu último reduto, faltava ao Porto alguém cerebral, capaz de pensar o jogo de ataque dos azuis e brancos. Com dois médios centros destacados – Meireles e Fernando – foi com algum espanto que se viu o brasileiro a pegar, em grande parte do tempo, na batuta, arvorado numa espécie de maestro que, convenhamos, está longe de possuir a capacidade técnica para a função.

E assim, sem uma oportunidade de golo flagrante – com manifesta boa vontade podemos contabilizar dois remates de perigo relativo a cargo de Hulk e Bruno Alves – o intervalo chegou. Um teimoso 0-0 no marcador, que correspondia na perfeição ao que se tinha passado dentro do campo. Uma primeira parte que ficou também marcada pelo infortúnio, com Fucile a aumentar o contingente entregue aos cuidados médicos. Uma lesão muscular, logo no inicio do encontro, numa boa iniciativa atacante do uruguaio.

Aguardava-se com impaciência pelo regresso dos campeões em título. Exigia-se, sobretudo, uma maior acutilância ofensiva, impregnada de velocidade. Hulk procurou rectificar a pálida imagem deixada, rematando com maior acuidade – bom remate à trave, ainda com o nulo a persistir no marcador – mas com os comandados de Vilas Boas a rebaterem os maiores argumentos portistas.

Foi, no entanto, de forma algo irónica que o Porto chegou à vantagem. Irónica e fortuita. No primeiro caso, por o marcador do golo inaugural ter sido a aposta fetiche de Jesualdo, mimoseado por vaias quando, aos 60 minutos, retirou de campo Rodriguez por troca com Farías. Na prática, o Porto voltava ao 4-4-2, novamente com as alas entregues a Mariano – que reparte a assobiadela com o técnico – e Hulk. Por uma vez, a aposta do veterano técnico foi coroado com um prémio. No segundo caso, porque o golo resultou, não de uma elaborada jogada, mas sim de um canto, onde sobressaiu novamente a intranquilidade de Rui Nereu, guardião academista.

Não tardou muito para que Farías, que parece manter um pacto diabólico com o esférico, marcasse o segundo, aproveitando novo erro grosseiro de um defensor contrário. Parecia a sentença do encontro. Assim pensei eu, os quase 40.000 espectadores – notável média – e Jesualdo. Entrou Guarin, saiu Meireles – novamente pouco esclarecido – e a Académica marcou.

Um golaço, fuzilando um atarantado Helton, que pouco pode fazer. A 15 minutos do final do encontro, voltou o nervosismo. Aquele miudinho, que corrói as entranhas e nos deixa em sobressalto a cada lance do adversário.

O jogo ficou partido, com o Porto a poder sentenciar o encontro, com Falcao a desperdiçar, de forma escandalosa, um golo certo. Não marcou ele, aproveitou o argentino Farias. Segunda oportunidade, segundo golo. Destaque para o milimétrico passe de Guarin. Respiro de alívio. Três pontos no bolso. Aparentemente.

A gritante permeabilidade, aliada a uma falta de agressividade, por parte da defesa, ainda deu uma centelha de esperança à Académica, com Sougou a reduzir distâncias. Felizmente, já sem tempo para mais diatribes.

Análise final: Se o mais importante são os 3 pontos, então isso foi alcançado, e não se escreve mais nada. Mas não penso assim. Mesmo sabendo que a consolidação de um modelo táctico, com novos jogadores, aliado a lesões em pedras cirúrgicas, permite um desconto no grau de exigência, os patamares exibicionais do Porto andam pelas ruas da amargura. Tem valido, na mediocridade que impera, uma postura que vence adversidade e ultrapassa obstáculos. Algo que é inato. Coragem, garra e atitude. Tudo condensado, é a mística que de alguma forma tem impulsionado a equipa. E a tem mantido na corrida ao ceptro de campeã. Falta ao Porto um médio, capaz de gerir os tempos da partida, um maestro com poder de movimentar os cordelinhos, ora iniciando transições rápidas, ou optando por gestões mais comedidas. Actualmente, os azuis e brancos são presa fácil para os laboriosos técnicos contrários. Marcação cerrada a Hulk, impedindo o brasileiro de explodir e de criar os desequilíbrios, uma zona central que impeça os movimentos de Meireles, alas que estanquem as subidas de Fucile e A.Pereira, e está o bico de obra montado. A previsibilidade do jogo portista tem sido o maior inimigo dos azuis e brancos.

Melhor do Porto: Farías. Começa a ser sinónimo de golos. O argentino, com o habitual ar ausente, numa postura relaxada, aproveita de forma sôfrega os minutos que lhe concedem. Hoje, desatou um nó enorme, marcando por duas vezes. Com o companheiro de sector em acelerada baixa de forma – incríveis os desperdícios de Falcao, contra o Apoel e a Académica – “Tecla” vai somando pontos. No velho Oeste, os pistoleiros marcavam na coronha da arma o número de inimigos abatidos. A Farías começa a faltar o espaço, com o avolumar de golos. Seja bem aparecido!

Arbitragem: Para não destoar, medíocre. Irá, não tenho qualquer dúvida, ser aproveitada pelo contingente encarnado na imprensa desportiva. O fora-de-jogo de Farías, no 3º golo portista, será esmiuçado, não por uns gatos de humor duvidoso, mas por bajuladores encartados, dispostos a facturarem mais uns cobres ao incendiarem o ambiente. E, como já ando nisto à 3 décadas, também sei que o golo de Sougou – irregular, pois o avançado da Briosa ajeita o esférico com a mão – será esquecido, num canto da memória não incomodativo. A branqueamentos destes, não existem labaredas que escaldem ninguém…

32 comentários:

  1. Viva !

    Mais uma Vitória mais uma Alegria !

    Foi preciso esperar pelo 57º minuto para ver uma acção do Porto construida.

    A vitória é indiscútivel.

    Todavia, o momento mais bonito do jogo é o 2º golo da Académica ( sem qualquer culpas para Helton ).

    Falta mesmo um criador no meio campo. Como jogar ou abrir jogo contra onze que jogam só nos 22 metros ?

    Acho que vai ser um problema recurrente.

    E Viva o Porto !

    ResponderEliminar
  2. Péssima exibição.É daqueles jogos em que só vale mesmo a pena recordar o resultado.É cada vez mais evidente que Belluschi é o jogador mais importante da equipa.Sem ele não há criatividade,não há imaginação,não há nada,que volte rápido.Eu tenho tido muita paciência,mas está a chegar ao fim.Estou farta de ver 3 ou 4 Portos diferentes em cada jogo.
    Aquela primeira parte foi de levar a um verdadeiro ataque de nervos,e na segunda só vale mesmo a pena recordar os golos e a inconformidade de Mariano Gonzalez.

    Assim não.

    ResponderEliminar
  3. Armando Pinto25 outubro, 2009

    Jogo atípico, em que podíamos ter goleado e vencemos apenas pela margem mínima. Contudo, é revoltante como o adversário conseguiu reduzir a diferença mais pela "cegueira" do árbitro e do auxiliar desse lado, pois ambos os golos da Académica foram precedidos de falta, irregulares, pois as respectivas partes finais dessas jogadas foram ajeitadas com os braços. Basta ver as imagens, tendo no 1º de se ver a jogada toda, pois é quem faz o passe que leva o braço à bola para a controlar e no 2º a falta é meio escondida com o corpo ao rodopiar. Curioso que os comentadores da rtp tanto alarido fizeram em sucessivas repetições do 3º do FCP e nos dois irregulares deles nem disseram nada... A mafia continua...!
    Porém, independentemente disso, com que sabemos ter de contar sempre, há a registar que a equipa acumula erros imcompreensíveis e há jogadores que não se entende o que têm na cabeça... Mas o importante é ganhar, desde que se marque mais golos que os outros e se consigam diferenças para evitar que as habilidades dos árbitros tenham compensações na pontuação e classificação.
    Acabou, no fim de contas, por até ser um bom fim de semana, com os resultados das nossas equipas nas diversas modalidades, e sobretudo um domingo para trazer mais uma semana de boa disposição, com a vitória no andebol sobre os mouros e os três pontos conquistados pela nossa equipa principal de futebol.

    ResponderEliminar
  4. no 1º da Académica dá a sensação que usa o braço mas tal não chega a acontecer
    no 2º é clarissímo. tão claro que as gayvotas nada viram

    ResponderEliminar
  5. Uma equipa com uma primeira linha de 5, e uma mais recuada de 4, uma pressão à revelia das regras, mas com a complacência do regulador, não são motivos por demais evidentes para a dita "descolorida" exibição?
    Nos noventa minutos de jogo, só houve um conjunto buscando a vitória. O resto são fait-divers, com putativos comentadores. Façam como eu. Antes de ligar a televisão, já lhe tirei o som! Afinal qual é o papel destes pseudo profissionais? Quando forem sérios e competentes, podemos conversar, e comentar as suas opiniões. No contexto actual, são irelevantes, inócuas e despidas de seriedade as suas considerações. Quem se respeitar, nem houve o que esta gente diz...
    Querer carne de primeira, e pagar com trocos...é a postura de muitos pseudo portistas.
    Deixem-se de críticas. Apoiem a equipa

    ResponderEliminar
  6. Viva !

    Excelente texto Paulo Pereira !

    Não vou discutir nem imagens nem ninharias. O futebol não é isso !

    Concordo : Falta ao Porto um médio capaz de gerir . Creio que o que escreves é mesmo isso : Saber gerir é o verbo pedido e adequado para o meio campo do Porto .

    Mas amanhã é outro dia !

    E Viva o Porto !

    ResponderEliminar
  7. Completamente de acordo com esta crónica. Uma equipa que venha ao Dragão jogar muito fechadinha, com 1 jogador em cima do Hulk e bem povoada nas alas, transforma o Porto numa equipa sem ideias.

    É verdade que faltaram Belluschi e Varela, que Tomás Costa e Valeri também estão lesionados (embora nunca tenham sido reais opções para Jesualdo, até agora) e que Fucile se lesionou no primeiro lance do jogo mas é impensável que se tenham contratado 11 jogadores e, não houvesse alternativas no banco. Mariano no centro do campo é miserável e Meireles, sem ninguém de qualidade ao lado dele parece que também não sabe jogar.

    No jogo da Taça deu-se uma oportunidade a Sérgio Oliveira e este fez um belo jogo. Porque não dar-lhe uma oportunidade no campeonato quando Bellushi está fora e não há alternativas?
    Jesualdo é incapaz de apostar num jogador português jovem (muito menos junior) e é por isso, que por muitos jogadores que saiam dos escalões de formação, nenhum entra na equipa principal. Os grandes jogadores em todo o mundo começam a jogar nas primeiras equipas aos 17 18 anos de idade. Nesse aspecto Jesualdo Ferreira é medroso e muito mau.

    Outro dos problemas da equipa, é a forma como desliga quando se apanha a ganhar. Desaparece a intensidade de jogo e baixam-se as linhas quase automaticamente.

    De qualquer maneira, valeram os 3 pontos e mais uma vitória. No entanto, é preciso arrepiar caminho e começar a jogar melhor para que não se corram riscos desnecessários.

    ResponderEliminar
  8. Muito bem, Paulo.

    Uma exibição mesmo muito desafinada, principalmente na primeira parte. Equipa sem ideias, e onde não existe um médio criativo que pegue no jogo. Não exite um comandante! Meireles continua em baixo de forma. Que o Belluschi recupere rápido.

    Na segunda parte melhorámos, mas era escusado aquele aperto final, e acabar o jogo com dois golos sofridos!! Não se pode dar tanto espeço ao adversário!

    Dou o mérito da vitória ao Jesualdo, mesmo admitindo que fui um dos muitos que ficaram incrédulos com a segunda alteração. Ele arriscou, foi assobiado, mas acabou por dar resultado!

    Falcao não pode falhar golos iminentes! Farías mais uma vez mostrou que tem valor, e segundo as declarações que li no MaisFutebol, deu praticamente certa a sua saída em Janeiro!

    Valeram os 3 pontos, no culminar de um grande fim-de-semana, e o salto rumo ao primeiro lugar!

    FORÇA PORTO

    TETRAbraço

    ResponderEliminar
  9. Só vou dizer o seguinte: não há tolerância e paixão que resistam a tantas exibições medíocres. Digo-o com a autoridade de ser um portista de sempre e para sempre, dos tempos bons, dos tempos maus e não só do futebol.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  10. Primeiro há que dizer que a grande vitória no andebol que o FCPorto conseguiu este domingo (27-25 ao Benfica) muito se deveu ao público dedicado que esteve presente no dragãozinho.

    Depois sobre o futebol há que dizer que sexta feira lá estarei de novo a apoiar. Mas não posso esconder a minha insatisfação com Jesualdo Ferreira. As pobres exibições da equipa são da sua responsabilidade. É muito fácil apostar nos jovens frente ao sertanense mas eu queria era ver coragem e ousadia para o ter feito ontem. Porque quer Mariano, quer Rodriguez não são jogadores para aquela posição (Mariano esteve bem mas a extremo) e Meireles está uma sombra daquilo que já mostrou. E com a falta de coragem do nosso técnico, com uma convocatória de 70% de elementos defensivos levamos com um festival de mal jogar.

    Para a SAD:

    Aquela assobiadela ao técnico passará a ser para a SAD se não reforçarem a equipa (meio campo e ataque) convenientemente em Janeiro.

    ResponderEliminar
  11. Aplaudo os que aqui se congratularam com a vitória e de facto viram o que também vi, que a Académica fechou todos os caminhos e mais algum, e que marcou dois golos bonitos, mas ambos com a bola ajeitada com a mão, e não tenho mesmo paciência para os adeptos que são portistas, agora e sempre, e só emprenham pelos ouvidos e olhos (muitas horas a ouvir a tv e ler os diários desportivos) e têm o benfica na cabeça, e no subconsciente querem é que o porto marque mais golos que as gaivotas... como se isso quisesse dizer alguma coisa e equivalesse a mais do 3 pontos! Detesto os que estão sempre prontos a criticar jogadores e treinador (principalmente este último) e vão encontrar os salvadores e milagreiros nos d. sebastiões! E claro, sabem sempre muito mais de futebol que os profissionais!... A nós cabe-nos apoiar - incondicionalmente - haja o que houver, aos pseudo-jornalistas escrevinhar, e ao treinador e jogadores levar-nos à vitória! O resto é dar pontos aos adversários! Desculpem, mas é assim! ...
    PS: Já agora... que ideia é essa de achar que o puto de 17 anos deve jogar com os "grandes"???? Graças a Deus que no porto ainda se pensa: fez um jogo bom, teve notoriedade, e voltou para a escolinha, que é onde os meninos de 17 anos devem estar... alguém ouviu o mourinho a dizer que o problema na formação é que os putos só sonham em comprar os ferraris?...

    ResponderEliminar
  12. Meu caro amigo Lucho,

    desculpa lá mas não posso conoordar contigo!
    Reforços!? Porquê?

    O que precisamos é que o Prof. ponha os jogadores a jogar nas suas posições e coloque quem está melhor.

    Mariano não é médio. É um extremo. Marcou e assistiu quando jogou na sua posição.

    Meireles se não está bem, tem de descansar um ou dois jogos. Este ano temos mais opções que no ano passado.
    Trinco - saiu o Madrid e entrou o Prediguer;
    Médio centro - saiu o Lucho e entrou o Bellushi
    Ficou o Guarin (que melhorou face ao ano passado)e o Tomás Costa.
    Fomos ainda buscar o Valeri.

    No ano passado para extrmos tinhamso além do Hulk e CR10, o Tarik e o Mariano.
    Saiu o Tarik e entrou o Varela.

    O nosso problema actual é fisico. Não são precisos reforços. Não percebo porque é que a recuperação dos nossos lesionados demora tanto tempo. (no SLB o Maxi recuperou rapidamente...)

    Temos muitos jogadores lesionados e se mesmo assim estamos a ganhar, vamos esperar que quando todos estiverem bem, vamos juntar resultados com exibições.

    Prevejo uma surpresa para logo à noite. Depois mando-te SMS

    Abraço

    ResponderEliminar
  13. 1 - Primeira parte apática para não esquecer.
    2 - Já não é de agora, autêntico festival de passes errados. Gitava o saudoso Robson: "Passe precise".Isso não existe e é preciso mudar com (muita) urgência.
    3 - Não existe meio campo.E sem Belluschi, pior. Mesmo com as lesões não há gente à altura. Logo um reforço de Inverno para este local precisa-se com urgência também.E apostar na juventude, sem medo...
    SE não nos atrasarmos à concorrência ainda vamos a tempo de resolver esta pecha de mau planeamento do plantel e de que tenho falado amiude.
    4 - Ausência de Killer Instinct ( mais uma de Bobby Robson...).
    A ganhar recua tudo e não se vai à procura de marcar o mais possível ( e não, não é uma indirecta às goleadas benfas mas uma constatação).
    5 - O trio da frente - Falcao, Cebola Hulk - insiste em afunilar o jogo e tentam passar por três adversários constantemente.
    6 - Mariano, joga mal mas há quem esteja a jogar pior. Com erros e tudo foi ele quem virou o jogo se calhar no seu lugar natural.
    7 - Farias a resolver e ainda bem.É um rato de área e muito útil.
    8 - Parece-me que Guarim está a merecer a titrularidade.Meireles à beira de ter de descansar...
    9 - Apesar de tudo três pontos, um triunfo suado e vontade a certa altura de virar as coisas.
    Mas há que fazer muito mais e temos de confiar e ... apoiar.

    ResponderEliminar
  14. Não há trabalho, não há interligação de sectores, as bolas paradas são uma desgraça, enfim. Só os jogadores do Porto não conseguem fazer dois passes seguidos. Porque é que Meireles tem que jogar sempre se anda desde a pré época a fazer figura de corpo presente. Mariano e Farias nos seus devidos lugares, são jogadores imprescindíveis. Parece que Jesualdo tem a mesma missão de Lucilio Batista, já é muito tarde para se ir embora.

    ResponderEliminar
  15. Ó margot, eu até te respondia, mas não quero. Não vale a pena e sabes porquê? Margot não me diz nada. Eu sou Vila Pouca, sabes, é a diferença entre uma pessoa que se sabe quem é e que dá a cara pelo que escreve e outra que ninguém sabe quem é.

    ResponderEliminar
  16. Reforços em Janeiro? O Farías ontem, pelo que li, admitiu praticamente a sua saída.

    Não sou médico, mas também gostava que não houvesse tantas lesões, e que os jogadores ficassem aptos mais rapidamente...

    Sexta, mais 3 pontos!!

    ResponderEliminar
  17. Concordo com o Dragão66, se temos nas selecções nacionais jovens entre 6 a 7 titulares indiscutiveis que palhaçada é esta?
    Se o Sr. professor tem medo que compre um cão.
    Cansei-me, mesmo se ganharmos eu não quero ganhar assim a jogar tão mal.
    Prefiro não ganhar do que gramar com exibições mais que miseráveis, defendam os adversários com 10 ou 20, o FCPorto tem é que cair em cima deles, e como dizia um celebre cartaz dos anos 80 no Estádio das ANTAS " Ides sofre como caês".

    Saudações desportivas
    Tripeiro com orgulho

    ResponderEliminar
  18. É constrangedor ouvir a “massa assobiativa” quando o que era preciso era apoiar sem reservas e ajudar com isso a resolver a complicada situação que nos colocou a Académica. Perto de meio plantel, ou esta no estaleiro, ou tem treinado aos soluços, devido as ausências nas varias selecções. Não pode haver milagres na gestão de tais problemas, só depois de os reconhecer jogo a jogo, e entrar em cena a experiência do professor Jesualdo é que as coisas correm melhor. Ontem correndo o risco evidente (4-2-4) da substituição do Rodriguez e do Meireles é que foi possível quebrar aquela muralha, e o mal amado do Mariano desatar o ferrolho, mas como seria de esperar corríamos o risco de contra-ataques mais perigosos.
    Os aplausos tardios da “massa assobiativa” têm todo o ar de madalenas arrependidas.
    Obrigado pelos três pontos, Professor!

    ResponderEliminar
  19. Pois, é um dejá vu dos anos transactos.

    E ainda bem.
    Discute-se se é opera ou pimba com o resultado a ser relegado para segundo lugar.

    O Mariano lá estragou a noite aos assobiadores profissionais.
    Que chatice.

    E, pode ser até impressão minha, mas o golo dos estudantes tem um bocado (ou até muito) do 'desleixo' táctico do Guarin.

    Prova que o Prof., que treina os jogadores diariamente, sabe bem o quando e o que estes valem.

    Pois claro o mesmo Prof. que , alheio às vaias, ao número anormal de lesões e aos treinadores de bancada, abriu o livro e sacou uma vitória com as alterações efectuadas.

    O seu a seu dono.
    Vá lá, não deixem as meas culpas para o fim da Liga.
    Tirem-lhe agora o chapéu.

    ResponderEliminar
  20. "Prefiro não ganhar do que gramar com exibições mais que miseráveis".

    Por amor de Deus, isto é o cúmulo...
    Nem quero imaginar se não tivessemos ganho...

    ---------------------------

    "É constrangedor ouvir a “massa assobiativa” quando o que era preciso era apoiar sem reservas e ajudar com isso a resolver a complicada situação que nos colocou a Académica."

    "Os aplausos tardios da “massa assobiativa” têm todo o ar de madalenas arrependidas.
    Obrigado pelos três pontos, Professor!"

    Muito bem fimoze!

    TETRAbraço

    ResponderEliminar
  21. Realmente, também não percebo a "massa assobiativa". Mas ainda há alguém que saia do estádio do Dragão enganado?

    Nos dias de jogo, está lá bem visível uma enorme placa com os seguintes dizeres: "Prato do dia: Vocês vão comer «merda», mais uma vez". (desculpem a linguagem, mas é o que penso sobre as exibições da nossa equipa)

    Já todos sabem o que vão comer antes de entrar lá para dentro, logo, que moral têm para assobiar???

    Comem o que querem e porque querem. Pelo menos, o Jesualdo não engana ninguém. Quem quiser, come, quem não quiser, fica em casa. Não tem muito que saber.

    ResponderEliminar
  22. Foi uma primeira parte má, sem imaginação nem criação de lances perigosos, mas mérito também para a formação de Coimbra.
    Na segunda parte, já se viu mais futebol, mas mesmo assim a baixo ritmo.
    Farías mais uma vez a mostrar que está cá, e que podemos - e devemos - contar com ele!

    Gaspar
    http://odragaozinho.blogspot.com

    ResponderEliminar
  23. Ponto prévio, não jogamos nada de especial, ganhamos com muitas dificuldades. E estamos numa fase exibicional complicada embora com 6 vitórias consecutivas...

    Agora quanto ao resto, acho que são males do nosso sucesso. Tornamo-nos incapazes de admitir períodos menos maus. E neste momento, por muito que nos custe admitir, somos mais fonte de pressão do que de ajuda a qualquer uma das nossas equipas. A piada é que até no andebol se vê "portistas" que insultam mais os seus jogadores do que os outros!

    Quando um treinador, que goste-se ou não dele, é 3 vezes campeão, tem carreiras de qualidade na champions e que sempre refez equipas anualmente é insultado como foi ontem aquando da 1ª subtituição é caso para questionar o nível de respeito e gratidão dos portistas. Comparem com outros, por essa Europa fora...

    O mal é que muitos não viveram, não conhecem ou já se esqueceram do passado. Porque "A ganhar desde 1893" é apenas uma frase. Os mais novos, por exemplo, já se esqueceram da viragem do século, em que parecia que já nos tínhamos "esquecido" de ganhar e chegamos ao abismo de 2001/02, a festejar o 3º Lugar...

    Gente, calma e ajudem, não vão espiar frustrações para os estádios ou querer vincar pontos do género "faça o que fizer, o Mariano é uma desgraça!!". Nenhum de nós é infalível nas suas profissões e os tipos que andam a jogar e a treinar também não. Mas se queremos ver os nossos a ganhar tentemos ajudar!

    Ler comentários de que preferiam perder a jogar assim... Francamente, tenham juízo, nós queremos é ganhar, sempre fomos conhecidos por preferir 1-0 a 4-3 (inerências de ter um ídolo como o Baía na baliza...) e o jogar à Porto nunca foi o jogar bonito, jogar à Porto é correr e lutar 90 min e no fim GANHAR!

    Muito mais espectáculo dava o Sporting do Figo e do Balakov e o Benfica de inícios de 90s (só para dar 2 exemplos) e no fim nós fomos na maior parte das vezes campeões!

    Vamos com calma e vamos fazer um esforço para sermos um apoio para novas vitórias em vez de ser mais um obstáculo que a nossa equipa tem de superar!

    Saudações portistas a todos e desculpem o texto longo!

    ResponderEliminar
  24. Excelente análise !

    De facto , a locomotiva azul e branca tarda em arrancar para
    exibições convincentes.

    Abraço

    ResponderEliminar
  25. Por causa das dúvidas, no vídeo do Andebol, cortaram a cabeça à primeira fila, mas nas fotos está em grande a Mafaldinha.

    Manda quem pode, obedece que tem juízo.

    ResponderEliminar
  26. Mau de mais para ser verdade. Má propaganda ao futebol, prestada lamentavelmente pelo emblema que mais responsabilidades tem em Portugal.

    Espero que tenha sido apenas um mau jogo, mas sinceramente suspeito que outros similares estarão no horizonte.

    No meio de tanta mediocridade emergiu o mal-amado. Sintomático!

    Um abraço

    ResponderEliminar
  27. Os tipos acabam de vencer o nacional com mais uma goleada 6x1. Será que andamos todos iludidos e eles este ano tem realmente qualidade? Ou será que as equipes entram no galinheiro já todas acagaçadas?
    Como é que vou aturar aquele ar de superioridade das “papoilas” amanha no café?

    ResponderEliminar
  28. foram várias as referencias a ameaças e tentativas de agressão ao intervalo no túnel das gayvotas
    vamos ver se alguém investiga

    ResponderEliminar
  29. Apesar de muito crítico para com as exibições e muitas das opções quer de Jesualdo quer dos jogadores dentro do campo, nunca assobiarei os nossos jogadores. Agora, não me venham defender o prof. porque ele não tem emenda. Depois da miséria do Mariano na 4ª feira, insiste em pô-lo no mesmo lugar (isto é burrice). Quanto aos que defendem o prof por ter feito as alterações, só digo que se tivesse colocado os jogadores no sítio certo provavelmente teríamos logo jogado melhor.

    Apesar de tudo, entendo que é preferível jogar mal e ganhar do que jogar bem e perder. Vitórias morais é na mouraria. Antes do 25 de Abril, as vitórias morais eram mais do que muitas; agora títulos, nem vê-los.

    Desde o início que me pareceu mais uma vez que o plantel foi mal construído pois faltam alternativas credíveis. Valeri, Tomás Costa, Guarin ou Prediguer parecem ser elementos quase só para fazer número apesar de terem custado uma pipa de massa. E é aqui que eu critico a SAD, Jesualdo todos que fazem parte da equipa técnica e direcção, por apostarem em estrangeiros caros e de qualidade relativa e não serem capazes de apostar em jovens oriundos da formação. Temos dezenas de jogadores emprestados que, com Jesualdo, nunca terão oportunidades de jogar no Porto ao contrário de estrangeiros de qualidade muito duvidosa (como Mariano - e não importa que tenha resolvido o jogo) que jogam sempre e que têm dúzias de oportunidades por época.

    Não sei se são precisos reforços em Janeiro mas que é necessário arranjar alternativas para o meio campo, disso não tenho dúvidas.

    PORTO SEMPRE!

    ResponderEliminar
  30. Anti-bastonada26 outubro, 2009

    Já vamos em 6 vitórias consecutivas. Isto é para os mais distraídos.

    Não gosto de Jesualdo nem um bocadinho, mas se ganharmos todos os jogos assim e formos os campeões, que se fod* se jogamos mal. Melhor do que isto vai ser difícil.

    Se há ano que dará gozo ser campeão é este ano, mas nem vale a pena ver os jogos. Mais vale perguntar pelo resultado só no fim do jogo e ver o resumo.

    Vai ser preciso um estômago de aço esta época.

    Se há ano em que a mediocridade do Jesualdo será desmistificada em todo o seu esplendor, é este.

    Quem se puser a comparar, até desanima e levanta as mãos para o céu.

    Joguem mal e porcamente, mas ganhem. Ao menos, ganhem. Mesmo com o estádio do Dragão vazio. Mesmo se os sócios se fartarem de tão más exibições. Mesmo que os assobios venham a fazer falta por lá não estar a ninguém. Mas ganhem. Ganhem.

    Se o Pinto da Costa ainda tem força no futebol português, que faça o seu trabalho. Não precisa de falar muito mas que faça o que tiver de fazer.

    Os palhaços da luz é que não poderão ganhar este ano. Custe o que custar.

    ResponderEliminar
  31. A exibição pode nem ter sido do nosso agrado, mas vale pelos 3 pontos!

    BIBÓ PORTO

    ResponderEliminar
  32. Propositadamente, deixei-o para mais tarde... propositadamente!

    E não é que anda tudo semi-emprenhado com as goleadas num qualquer azimute ali prós lados de Marrocos?!?!?! F*******!!!

    Que eu saiba, que me tenha sido dado a conhecer, de que tenha ouvida falar, lido ou até escutado, por esta altura, ainda nada perdemos, certo ou errado? E será que alguém já ganhou alguma coisa? Pois, bem me parecia!!!

    É indesmentivel que estamos numa fase «menos»... mas lá chegaremos, lá chegaremos... outros, não seu se chegarão. Vai uma aposta?

    Esta (minha/nossa) gente, anda a ficar doida, completamente doida varrida!!!

    No final, e para memória futura, voltamos a conversar... vou registando, apenas!!!

    ResponderEliminar