28 setembro, 2008

115 anos de vitórias

No dia 28 de Setembro de 1893, um comerciante de vinho do Porto descobriu o futebol numa viagem a Inglaterra e decidiu fundar por cá um clube. O seu nome foi António Nicolau d'Almeida e hoje, esteja onde estiver, certamente estará orgulhoso por ver como o "seu" clube cresceu e se tornou um dos maiores do mundo.

Ao longo destes anos todos nem tudo foi fácil, porque em 115 anos é óbvio que as coisas nem sempre correm bem. E é também verdade que a muitos não convém que as coisas nos corram da melhor maneira. Mas contra tudo e contra todos este clube continuou a crescer, e as dificuldades nunca hão-de deixar de existir, mas ainda bem que assim é. Quem ganha mete medo, quem ganha é importuno, quem ganha chateia os outros e quem ganha é o FC Porto.

Podemos bem dizer que somos um clube eclético. Temos títulos em tudo quanto é modalidade. Futebol, andebol, hóquei em patins, hóquei de campo, ginástica, natação, boxe, bilhar... é um sem fim de modalidades que já puderam presenciar ou que ainda vão presenciando a infindável grandeza do nosso clube.

Cada dia que passa o nosso orgulho em fazer parte deste grande clube vai aumentando. Todos os dias mais uma vitória, mais uma adversidade passada, mais uma volta dada por cima.

A vencer desde 1893.

16 comentários:

  1. Oh, meu Porto, onde a eterna mocidade
    Diz à gente o que é ser nobre e leal.
    Teu pendão leva o escudo da cidade
    Que na história deu o nome a Portugal.

    Oh, campeão, o teu passado
    É um livro de honra de vitórias sem igual
    O teu brasão abençoado
    Tem no teu Porto mais um arco triunfal
    Porto, Porto, Porto, Porto
    Porto, Porto, Porto, Porto
    Porto, Porto.

    Quando alguém se atrever a sufocar
    O grito audaz da tua ardente voz
    Oh, Oh, Porto, então verás vibrar
    A multidão num grito só de todos nós.

    Oh, campeão, o teu passado
    É um livro de honra de vitórias sem igual
    O teu brasão abençoado
    Tem no teu Porto mais um arco triunfal
    Porto, Porto, Porto, Porto
    Porto, Porto, Porto, Porto
    Porto, Porto.

    A Vencer desde 1893.

    ResponderEliminar
  2. Type_o_negative28 setembro, 2008

    Bem que podias ter explanado mais a ideia. Parece-me que dois parágrafos, escritos a despachar, não atestam assim tanto a honra que o nosso clube deveria merecer.

    Fica o reparo.

    ResponderEliminar
  3. O FC Porto é hoje um dos maiores clubes do Mundo. E, claramente, o maior de Portugal.

    Hoje no novo parque Vitalis na Constituição (15h) há um porto-boavista em veteranos para comemoração do nosso 11~5º aniversário.

    ResponderEliminar
  4. Boas,

    Escrevi um post acerca do momento actual do nosso clube no meu blog, que visou 3 temas: as críticas dos adeptos, o jogo com o Paços e a opinião acerca do Arsenal-FC Porto. Para poupar trabalho, vou transcrevê-lo aqui e assim fica dada mais uma opinião sobre o momento actual do clube, até porque o tempo que tenho para cá vir comentar é menor do que gostaria.

    Escrevi assim:

    "O FC Porto voltou à normalidade e venceu o Paços de Ferreira, no Dragão, por 2 - 0. O momento não era o melhor. Depois do empate em Vila do Conde, o FC Porto passou uma semana algo intranquila, sobretudo ao nível dos seus adeptos, que, por estarem habituados a ganhar compulsivamente, tornam-se demasiado exigentes e, por vezes, até irracionais. Não percebem que o FC Porto perdeu três jogadores cruciais em relação à época passada e é uma equipa em fase de remodelação e consolidação de processos colectivos, com vários jogadores novos e muitos deles já titulares, necessitando, portanto, de algum tempo para que atinjam o nível exibicional que Jesualdo Ferreira pretende.

    Quando se ganha 3 - 1 ao Fenerbahçe, num jogo da Champions e, mesmo assim, se recebem assobios no próprio estádio, está tudo dito quanto ao elevadíssimo grau de exigência dos adeptos portistas. Por isso, depois do nulo e do desempenho cinzento defronte do Rio Ave, era expectável que as críticas destrutivas subissem de tom e se começasse, por um lado, a pedir a cabeça do treinador e, por outro, a depreciar o valor dos jogadores. O adepto de futebol é, por norma, uma pessoa pouco inteligente, que quer sempre bom futebol e que tende a analisar os jogos isoladamente, sem cuidar de os inserir no contexto vigente. Quando a vitória faz parte do seu quotidiano, essa pouca inteligência transforma-se em irracionalidade pura, que é aquilo de que padece uma grande parte dos adeptos do FC Porto. Querem sempre vitórias e grandes exibições, em casa e fora; o facto de muitos elementos serem jovens e estarem na primeira temporada no clube é para eles irrelevante. Enquanto portista, sou apologista da exigência, mas também da racionalidade, pelo que se deve exigir à equipa aquilo que ela pode dar em cada momento. O FC Porto não se tem exibido em grande nível, nem outra coisa era de esperar, mas tem conseguido bons resultados (a excepção foi a igualdade em Vila do Conde) e esse factor é o mais importante nesta fase.


    FC PORTO - P.FERREIRA

    Sobre o jogo, foi uma vitória justa, sem grande brilhantismo e com alguns períodos de futebol algo cinzento, que valeu essencialmente pela excelente entrada portista no encontro. Até ao belo golo apontado por Raúl Meireles, o caudal ofensivo azul e branco foi intenso e as jogadas nas imediações da área pacense sucederam-se. O FC Porto teve posteriormente novas oportunidades para dilatar a vantagem, das quais se destaca um falhanço de Lisandro, que continua muito perdulário neste início de época. Neste período de maior fulgor, Meireles foi o melhor elemento, comandando, na falta de Lucho, toda a organização ofensiva caseira, chegando perto da área adversária inúmeras vezes e assegurando a circulação da bola com sabedoria. Igualmente em bom plano estiveram Tomás Costa, Lisandro, Rodríguez e Lino.

    A partir de determinada altura o FC Porto desacelerou e o jogo tornou-se monótono, lento e mal jogado. Esta quebra de qualidade prolongou-se pela segunda parte, razão pela qual o Paços conseguiu subir as suas linhas e ser mais incomadativo e pressionante, levando os portistas a falharem alguns passes nas transições e a jogar mais devagar. Helton sofreu então alguns calafrios, embora sem significado de maior. Os assobios fizeram-se ouvir nas bancadas do Dragão.

    Sem nunca alterar o 4-3-3, Jesualdo Ferreira mexeu e bem na equipa, operando duas substituições em simultâneo que me pareceram totalmente acertadas. Candeias entrou para o lugar do inerte Farías - andou a dormir no relvado e, mais uma vez, não aproveitou uma oportunidade que lhe foi concedida -, o que fez Lisandro ocupar o centro do ataque. Sapunaru, displicente em alguns lances, justificou a saída, entrando Guarín para o miolo e gerando o recuo de Tomás Costa para lateral-direito. Por mim, nada a dizer, até porque Candeias se mostrou bastante activo (apesar de algumas perdas de bola) e Tomás Costa mostrou que pode ser uma alternativa bastante credível para jogar na lateral direita defensiva. Posiciona-se bem, é seguro em posse de bola e, não sendo muito rápido, tem bons pés e boa leitura, o que lhe pode permitir dar uma profundidade interessante ao flanco.

    Mais tarde, a entrada de Hulk para o seu lugar de origem revitalizou a equipa, ao mesmo tempo que preservou Lisandro para o jogo com o Arsenal. O FC Porto partiu então para uma parte final um pouco melhor, com mais algumas oportunidades de golo e controlando mais calmamente os movimentos do Paços. Excelente golo do 'Incrível', a culminar uma magnífica combinação com Meireles.


    O DESAFIO LONDRINO

    Para o jogo de Londres, estou em crer que o sistema portista será o 4-1-4-1 utilizado na Luz, com Fernando a pivot-defensivo, Tomás Costa a médio-ala direito, Rodríguez no flanco oposto, Lucho e Meireles na faixa central e Lisandro na frente. Dependendo da dinâmica que os jogadores conseguirem imprimir a esta configuração táctica, à partida mais conservadora, parece-me ser uma excelente aposta para conseguir um bom resultado no Emirates Stadium. Como se sabe, o FC Porto controlou grande parte do jogo com o Benfica e o Arsenal joga, tal como os encarnados, em 4-4-2 clássico.

    O Arsenal é uma grande equipa, tem jogadores de indubitável qualidade (Fabregas, Walcott, Van Persie, Adebayor...) mas não chegam para assustar, como demonstrou o Hull City no último jogo da Premier League. O segredo passará por conseguir fazer uma pressão efectiva ao portador da bola, que impossibilite de algum modo o futebol curto e de trocas de bola constantes tão característico dos 'gunners'. Se isto não acontecer, o FC Porto pode vir a passar um mau bocado. Deve haver muita atenção aos corredores laterais dos londrinos, sendo uma das principais preocupações não dar espaço de embalo ao supersónico Walcott, que previsivelmente actuará no lado direito (nunca colocaria Lino como lateral-esquerdo). Ao mesmo tempo, Tomás Costa e Rodríguez devem vigiar bem de perto as constantes subidas de Sagna e Clichy. Se tudo for como espero, o FC Porto poderá conseguir ter superioridade numérica no miolo, com Fernando, Meireles e Lucho para Fabregas e Denilson, algo que significará uma crucial vantagem, especialmente se Lucho se conseguir libertar para o espaço vazio entre-linhas concedido pelo Arsenal. Lisandro, se mantiver a capacidade de luta habitual, será importante para fixar os dois centrais em terrenos recuados, não deixando que nenhum suba com a bola dominada e pronto a criar desequilíbrios, fundamentalmente Gallas, que é perito nessas situações.

    Isto no papel é tudo muito simples, algo que, por vezes, a prática vem desmentir. O factor de maior importância será, quanto a mim, a dinâmica que o FC Porto conseguir impor e a mentalidade com que entrar no imponente Emirates. Será fundamental, numa primeira fase, contrariar o jogo de posse de bola e constante movimentação dos londrinos, para que, numa fase posterior, se possa começar a pensar em chegar com perigo à baliza de Almunia, algo perfeitamente possível, se Lucho, Meireles, Rodríguez e Lisandro estiverem na plenitude das suas faculdades e mentalizados para vencer. Para que isto se verifique, será vital que o FC Porto se estenda bem no campo e consiga pressionar longe da sua baliza, porque senão pode ser a morte do artista. Colocar um 'autocarro' cá atrás e esperar passivamente pelo Arsenal, deixando-se envolver na sua teia atacante, será como dar um tiro na própria cabeça. Estou convencido que, desta vez, o FC Porto não vai perder no Emirates. Terça-feira se verá."

    ResponderEliminar
  5. "Colocar um 'autocarro' cá atrás e esperar passivamente pelo Arsenal, deixando-se envolver na sua teia atacante, é dar um tiro na própria cabeça"...

    "Stepanov chamado pela primeira vez esta temporada...",

    Parece que a convocatória do "mestre" vai no sentido do "suicídio"... temido pelo Bruno Pinto....

    Esperemos que seja apenas uma manobra de diversão e não de mais uma inventona desastrada a que o mestre já nos habitou nos jogos mais importantes...
    E parabéns ao FCP e aos seus mais importantes "inventores":
    - O fundador, comerciante de vinho do porto Nicolau de Almeida e o vendedor de fogões Pinto da Costa que re-inventou o FCP ganhador a nível mundial!

    ResponderEliminar
  6. Viva !

    O Fc Porto é o clube Português com maior projeccção internacional e um dos mais reputados e temidos por esse mundo fora.

    Obrigado Bruno Pinto por teres colado aqui o teu artigo.

    E Viva o Porto !

    ResponderEliminar
  7. Hulk Onze Milhas,

    Não sei, pode ser apenas para ter mais uma opção no banco de carácter defensivo, porque o jogo a isso pode obrigar, não creio que o sérvio vá jogar a titular. Mas sinceramente há algo que me preocupa muito que é a forma como se vai parar o Walcott, um gajo rapidíssimo, que ainda há pouco fez um hat-trick pela selecção inglesa!! Ele deve jogar sobre a ala direita, foi aí que jogou no último jogo da Premier League contra o Hull City e, para ser franco, não vejo nenhuma opção muito fiável para colocar a lateral-esquerdo e contrariar a velocidade do 'puto'.

    Lino acho que não serve ou então terá que se superar neste jogo, porque ele defensivamente é muito permeável. Benítez não é muito rápido e, apesar de se posicionar bem, em velocidade pode ficar nas covas. Fucile é, à partida, o que me parece mais adequado, porque é agressivo e rápido, mas isso é quando está em forma e ele está claramente em baixo de forma. E... Vi agora que não foi convocado! Está lesionado? Acho que o maior perigo para a nossa equipa vem daí...

    PortoMaravilha, de nada... Lol (olha, hoje sou eu que estou com os 'lol')!! Lol

    ResponderEliminar
  8. Sorte a minha em ser PORTISTA !

    ResponderEliminar
  9. F.C.Porto cheio de pujança e vontade de vencer.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  10. Bruno, quem entra para o empate, arrisca-se a perder. Por mim, o Porto entraria em todos os jogos para ganhar. Não gosto de defesa de resultados. Seja contra quem for e onde for, é entrar para ganhar (lembram-se do Co ?!!)

    :)

    Sr. Hulk onze milhas, que quis dizer com os fogões ?

    Teixeira, "António Nicolau d'Almeida e hoje, esteja onde estiver, certamente estará orgulhoso por ver como o "seu" clube cresceu e se tornou um dos maiores do mundo."

    Não podia estar mais de acordo, e julgo que o sentimento é reciproco: os adeptos do FCP estão gratos e orgulhosos a António Nicolau d`Almeida :)

    ResponderEliminar
  11. Exma. Senhora D. Heliantia: :-)

    Porque questiona os "fogões" e não o "vinho do porto"?

    Como foi referida a actividade profissional do nosso fundador eu lembrei-me de referir a do nosso actual Presidente e responsável pelo grande salto que o nosso clube deu...
    Esclarecida?

    ResponderEliminar
  12. Questiono, porque da actividade de António Nicolau d´Almeida tinha conhecimento :)

    Já da do presidente, desconhecia.

    Obrigada :)

    E para amanhã ? Por quantos vamos ganhar ?

    ResponderEliminar
  13. Por mim chega 0,05 a zero... Mas já ficava bem contente com dois empates: no nosso jogo e no dos russos contra os turcos...
    A propósito: a capa dos "desportivos de hoje, incluindo "O Jogo", é de morrer a rir. Com o importante jogo da CL e eles continuam a ocupar as capas a falar da vitória dos gayvotas sobre os lagartos...

    ResponderEliminar
  14. Heliantia,

    Eu nunca disse para o FC Porto entrar para o empate. Não percebeste bem os meus comentários.

    ResponderEliminar
  15. Venham de lá outros 115 anos... cheios de glórias e sede de vencer!

    A vencer desde 1893!

    ResponderEliminar
  16. Tens toda a razão, Bruno Pinto.
    Desculpa :)
    Eu é que sou tão contra entrar em campo para defender empates que já os vejo em todo o sítio.

    Sorry once again ;)

    0-1

    ResponderEliminar