02 novembro, 2014

MÁQUINA COMEÇA A CARBURAR.

http://bibo-porto-carago.blogspot.pt/

FC PORTO-nacional, 2-0

Primeira Liga, 9ª jornada
Sábado, 1 Novembro 2014 - 20:15
Estádio: Dragão, Porto
Assistência: 30.202


Árbitro: Nuno Almeida (Algarve).
Assistentes: Pais António e Luís Ramos.
4º Árbitro: Eugénio Arêz.

FC PORTO: Fabiano, Danilo, Maicon, Martins Indi, Alex Sandro, Casemiro, Óliver Torres, Quintero, Quaresma, Jackson Martínez, Brahimi.
Suplentes: Andrés Fernández, Marcano, Tello (75' Brahimi), Herrera (55' Quintero), Adrián López, Rúben Neves, Aboubakar (82' Jackson Martínez).
Treinador: Julen Lopetegui.

NACIONAL: Rui Silva, João Aurélio, Miguel Rodrigues, Zainadine, Marçal, Boubacar, Aly Ghazal, Gomaa, Mario Rondón, Lucas João, Marco Matias.
Suplentes: Gottardi, Ayala, Camacho (79' Lucas João), Reginaldo, Willyan (55' Miguel Rodrigues), Sequeira, Edgar Abreu (79' Boubacar).
Treinador: Manuel Machado.

Ao intervalo: 1-0.
Marcadores: Danilo (9'), Brahimi (74').
Disciplina: amarelo a Casemiro (19'), Gomaa (45+1'), João Aurélio (57'), Boubacar (63'), Fabiano (82'), Alex Sandro (90').

Com o futuro na Liga dos Campeões a ser decidido dentro de quatro dias, o treinador do FC Porto fez uma rotatividade pontual, mas no início da 2ª parte teve que colocar Herrera – poupado para Bilbau - para suster o ataque do Nacional de forma a conseguir a vitória e manter a perseguição ao líder. E, como nestas coisas todas as ajudas são bem-vindas, o golo madrugador de Danilo facilitou, de certa forma, a tarefa do FC Porto perante um adversário que, tradicionalmente, cria muitas dificuldades ao Dragão.

Mas vamos por partes. A primeira foi bem conseguida. O FC Porto entrou muito bem na partida, encostou o Nacional atrás, não deu abébias na defesa e nem permitiu que os insulares explorassem as transições rápidas. Ainda assim, mesmo com Brahimi pouco inspirado e Alex Sandro fora de forma, o FC Porto conseguiu aproveitar o encolhimento do Nacional para dominar o jogo pela ala contrária por Quaresma, regressado à titularidade.

O Nacional, tão realista e pragmático como Manuel Machado costuma preparar as suas equipas, ocupava-se da demolição das iniciativas contrárias com algum sucesso excepto no golo aos 9 minutos obtido por Danilo. No entanto, o FC Porto teve oportunidades para dilatar o marcador ainda na 1ª parte mas a sorte não quis nada com os Dragões. Machado aproveitou o descanso para devolver alguma normalidade à sua equipa.

Os alvi-negros surgiram na 2ª parte com as linhas mais subidas e com outra agressividade. Lopetegui sentiu que teria que mexer no onze e reforçou o meio-campo. A equipa estava um pouco nervosa e Herrera entrou para dar apoio a Casemiro. Quintero saiu para a entrada do Mexicano. O jogo ficou mais controlado pelo FC Porto. O Nacional não tinha grandes argumentos para chegar ao golo, embora em um ou outro lance tivesse causado algum “frisson” à defensiva portista.

O segundo golo do FC Porto surgiu com alguma naturalidade, num grande golo de Brahimi, numa altura em que o FC Porto voltava a ser a equipa dominadora e em que Lopetegui preparava-se para substituir o argelino por Tello. Estavam decorridos 74 minutos de jogo. O golo de Brahimi é de fazer levantar qualquer estádio do mundo. Numa jogada de combinação entre Quaresma e Óliver que deixou para Brahimi, este tirou um adversário do caminho à entrada da área e em arco rematou fulminante ao ângulo da baliza insular.

Até ao fim, o jogo serviu apenas para os jogadores do FC Porto gerirem o resultado, já a pensar no jogo de Bilbau a contar para a 4ª Jornada da Champions League e que pode carimbar em definitivo o passaporte para os 1/8 de final da prova.



DECLARAÇÕES

Lopetegui: “Temos de manter esta ambição”

​Julen Lopetegui mostrou-se satisfeito pelo triunfo sobre o Nacional (2-0), o terceiro consecutivo dos Dragões na presente edição da Liga portuguesa. Feliz pela imbatibilidade do FC Porto no campeonato, a única equipa que ainda não conheceu o sabor da derrota na prova, o treinador basco considera essencial que os Dragões mantenham a mesma ambição nos compromissos que seguem, até porque “ainda falta tudo por fazer”.

“Estamos felizes com o nosso registo, pois tudo é importante na mecânica da equipa. É bom levar tantos jogos sem perder, mas não pensamos nesse tipo de coisas. Defrontámos boas equipas e ainda não perdemos, algo que naturalmente nos deixa satisfeitos. O mais importante neste jogo é que conquistámos mais três pontos, frente a um adversário difícil e inteligente, que se esforçou muito para nos criar dificuldades”, declarou Julen Lopetegui na conferência de imprensa que se seguiu ao desafio com os madeirenses.

Para o técnico espanhol, o pecúlio mais recente dos azuis e brancos no campeonato “dá confiança e motivação”, mas “ainda falta tudo por fazer e o mais importante é continuar no caminho que estamos a trilhar”. “Temos de manter esta ambição para chegarmos ao objectivo que todos queremos”, reforçou Julen Lopetegui, que também não se escusou a falar sobre Brahimi, autor de mais uma obra de arte no golo que sentenciou a partida. “Brahimi melhora de dia para dia e tenho a certeza que continuará a evoluir, tornando-se um jogador ainda mais completo”.

Danilo: “As coisas vão acontecer!”

​O brasileiro Danilo, autor do primeiro golo da vitória dos Dragões na partida com o Nacional (2-0), disse, em declarações ao Porto Canal, no final do jogo, estar “num bom momento” e que já procurava “há algum tempo” marcar o primeiro golo da época, destacando que, em casa, a equipa “tem de demonstrar” a sua força.

“Não posso deixar de estar satisfeito, é um momento feliz e importante para mim e para a equipa. Se estou a fazer bons jogos é porque o conjunto está a trabalhar bem e continuamos a trabalhar para alcançar os nossos objectivos”, referiu o internacional brasileiro, que foi chamado recentemente para mais dois compromissos da selecção canarinha.

Em casa, segundo Danilo, têm de mandar os Dragões: “Na nossa casa temos de demonstrar a nossa força e continuar a trabalhar durante a semana para não desperdiçar pontos. Temos de continuar a seguir este caminho, com humildade, que as coisas vão acontecer!”.

Afirmando que já procurava o golo há algum tempo, pois trabalha “finalizações e chegada ao ataque” frequentemente, Danilo espera que o golo frente aos insulares “abra a porta para poder marcar mais” e vê a deslocação a Bilbau como um jogo importante: “É uma partida que pode definir a qualificação e temos de jogar com intensidade e inteligência. Sabemos das nossas capacidades e vamos procurar a vitória num jogo que sabemos que vai ser muito difícil”.



RESUMO DO JOGO

0 comentários:

Publicar um comentário