28 maio, 2014

“ATÉ NO CÉU POR TI EU VOU CANTAR”

http://bibo-porto-carago.blogspot.pt/

Desculpem os meus leitores, mas esta semana recuso-me a falar dos jogos do fim-de-semana, como faço sempre. Esta semana não, não vou falar de nada disso, nem mesmo do jogo do título em andebol contra os lampiões. Nada! Esta semana a minha crónica vai servir de sincera homenagem ao ANÍBAL QUARESMA, um membro dos Super Dragões que já não está entre nós. Por respeito à sua alma, assim o farei.

Quando somos “pequeninos” e entramos para a Curva, a sensação é estranha. Por um lado sentimos que é ali que estamos bem e onde sempre devíamos ter estado. Mas ao mesmo tempo sentimo-nos muito verdes, temos a noção clara que tudo ou quase tudo à nossa volta tem mais experiência do que nós. Desde míudo vamos fixando umas caras. Até podemos olhar para um individuo todos os fins-de-semana e nem saber o nome dele. Mas fixamo-lo, sabemos que ele anda lá como nós. Percebemos que já leva vários anos daquilo, gostamos da sua postura e tentamos imitá-lo, de modo a crescer também. Creio que acontece um pouco com toda a gente.

O Aníbal Quaresma era daquelas caras que eu fixei desde pequeno. Pertencente ao mítico núcleo dos Super Dragões de Rio Tinto, o “Vidraças”, como era conhecido entre nós, era já considerado um Velha Guarda da claque. Um membro muita acarinhado e respeitado por todos, pelo seu passado enquanto ultra. Alguém que dedicou anos da sua vida a apoiar o FC Porto, a sua grande paixão desde sempre. Além disso, era segurança na empresa SPDE e também funcionário da Casa do Dragão. Mantinha uma relação muito próxima com variadíssimos jogadores da nossa formação!

No passado dia 2 de Março, o FC Porto foi a Guimarães. Lá fomos nós. Lá foi o “Vidraças”. Uma queda aparentemente normal foi o suficiente para se perceber o grave problema de saúde que tinha, já de forma adiantada. Nos últimos dois meses foram centenas os que se dispuseram a ajudar o Aníbal a encontrar um dador compatível de medula óssea. Ele lutou com todas as suas forças, como era seu hábito, mas a doença derrotou-o na madrugada de segunda-feira. A semana começou de luto para todos os ultras do FC Porto.

Uma grande onda de pesar se criou, não vou descrever ao pormenor o que vivi mas fica aqui o registo de uma grande claque que são os Super Dragões, que foram gigantescos na homenagem prestada ao grande Aníbal!! O Colectivo, os jogadores da formação, os seguranças do estádio e do pavilhão, um mar de gente prestou uma última homenagem ao nosso grande Dragão.

Não vou esquecer os conselhos que felizmente me chegaste a dar. Não vou esquecer os simples cumprimentos na bancada ou as conversas mais demoradas. Ficarás para sempre na memória de todos os ultras do FC Porto. Olha por nós na “Curva do Céu”. Iremos continuar a torcer pelo nosso clube, aquilo que tu mais gostavas de fazer.

Um Até Sempre, Aníbal!

4 comentários:

  1. Conheci-o pessoalmente...morei relativamente proximo...Na 2ª feira fiquei estupefacto( e ainda não acredito) pk sempre acreditei, que a sua garra vencesse essa maldita doença...O cemitério de Rio Tinto hoje foi pequeno demais...ATÉ SEMPRE CAMPEAO!!

    Eduardo

    Rio Tinto

    ResponderEliminar
  2. Não conhecia a pessoa em causa, mas associo-me a todo o vosso pesar.

    "Os que caminham connosco, quando partem não vão sós, deixam de si qualquer coisa, levam um pouco de nós..."

    ResponderEliminar
  3. Viva.
    Como diz o Post, habituámo-nos a ver algumas caras sempre que vamos ao Dragão. E embora não saibamos o nome, há um reconhecimento, quanto mais não seja por estarmos do mesmo lado.
    Aqueles que vão sempre, e veêm outros que tal, cria-se uma relação mesmo com alguémue não se conhece. Dizemos para nós mesmos "este também não falha um".
    É o caso do Anibal Quaresma. Que só hoje fiquei a saber o nome, mas cuja cara reconheci imediatamente. Infelizmente pelos piores motivos. Ficam os pêsames à familia e amigos.
    Abraço.
    Sérgio

    ResponderEliminar
  4. Conhecia o Aníbal há cerca de 15 anos.

    Nunca fomos os melhores amigos, pois não tínhamos grande relação fora do futebol, mas sempre nos respeitamos e compartilhamos opiniões.

    Quando se conhece alguém há 15 anos, há naturalmente muitas histórias em comum, principalmente se pensarmos que ambos percorremos a Europa a apoiar o mágico Porto, e que por inerência, partilhamos muitas horas de convivência.
    Recordo apenas o último momento que com ele vivi em Guimarães, quando longe de imaginar o que se seguiria, gozei imenso com ele quando entrou para a ambulância....mal eu suponha que aquela seria a última vez que estaríamos juntos em dia de jogo do mágico Porto.

    Nesta hora, muito mais do que o recordar, quero reforçar o que fiz ontem, dando um grande abraço á família enlutada (pois é sempre essa que mais sofre) e desejar as maiores felicidades á filhota que cá deixou.

    Acho que teve a homenagem que merecia por parte do grupo ultra do qual fazia parte.
    O hino do nosso clube naquele derradeiro momento, foi seguramente aquilo que ele gostaria de ter ouvido.

    Vidraças, grande abraço!

    ResponderEliminar