17 janeiro, 2013

O nosso destino

http://bibo-porto-carago.blogspot.pt/

Vou ver o Porto ao estádio da luz desde que me conheço. Parte das minhas memórias apesar de vividas são contadas. Cada vez que se fala do Cubillas cá em casa, o meu pai recorda-me dos seus feitos e de como eu festejava os golos e as fintas do grande peruano que fazia sempre grandes exibições cá por Lisboa. Eu até sou capaz de descrever muitos dos lances, mas não sei dizer se de facto me lembro deles ou se foi o meu pai que mos plantou na memória.

Lembro-me, porém, perfeitamente do dia em que percebi que alguma coisa tinha mudado nas nossas vindas ao local referido (confesso que me custa escrever o nome do campo). Foi em Janeiro de 1979. Já era um rapaz espigadote. Apanhei a maior molha da minha vida, levei uns tabefes no autocarro, mas cheguei com um sorriso a casa que dava para alumiar o meu bairro.

O resultado não foi grande coisa: empatamos. O slb marcou de penalty para os lampiões e o grande, o enorme Duda, o dragão de S. Siro, marcou para nós a passe do Costa. O Toni partiu a perna ao Marco Aurélio e o Frasquinho encheu de merecida porrada o Alves.

O Porto já tinha acabado com a malapata no ano anterior mas só naquele jogo senti que as coisas tinham mudado duma vez por todas. Foi a arrogância com que entramos em campo, o grande Rodolfo a estender o dedo à lampionagem, o Pedroto a rir dos insultos. Já não havia medo, nem respeito, nem nada. Havia um jogo para ganhar e tanto dava para os nossos jogadores terem pela frente umas camisolas vermelhas, verdes ou ás riscas, estar naquele ou noutro estádio qualquer. Depois desse jogo tive no dito sítio uns desgostozitos (há um jogo em 87 que ainda me está entalado ), uns jogos que me enfureceram por falta de garra, mas nunca mais senti que os meus tivessem medo (e deus sabe que sou suficientemente velho para ter visto isso).

Esta gigante introdução para falar do jogo de passado domingo de que não vou falar. Durante o almoço desse dia deu-me para falar aos meus filhos de jogos de antigamente, do algum receio que eu sentia quando era novito quando via o FC Porto cá em Lisboa e do tal jogo de 1979. Depois lá lhes fui dizendo que não achava que a nossa equipa estivesse a jogar grande coisa e que talvez as coisas não corressem bem.

Apesar de nesta casa ainda haver respeito, fui brindado com uns impropérios e umas larachas do género: “oh pai, tu és do tempo das chuteiras de travessas” ou “para estes tristes até tu chegavas”. O pior, corrijo, o melhor foi ver a cara de espanto dos rapazes e da rapariga, como se não estivessem a perceber bem o que eu estava a dizer. Para eles é tão evidente que somos melhores que eles, a confiança deles nas nossas camisolas é tal, que pura e simplesmente não percebem receios ou inseguranças.

Saíram de casa, foram ter com a nossa rapaziada à Pontinha, mas antes de sair o meu filho do meio veio-me dar um beijo e com a minha camisola do Porto de 87 vestida mostrou-me o brasão e disse-me: “o que conta é isto, até podiam ser mil contra um. Vamos ganhar”.

Sentado na merda do camarote, longe dos meus que saltavam dentro da jaula para onde fizeram questão de ir, vendo a naturalidade com que os nossos jogadores comiam vivos os adversários e lembrando o que o meu rapaz me tinha dito fiquei com a certeza que a nossa história ainda está a começar. Aquela camisola é mesmo mágica e os nossos filhos sabem isso melhor que nós. E eles vão viver mais alegrias que nós. É mesmo o nosso destino.

16 comentários:

  1. Sou Luiz P.Sousa

    Grande post...
    De um verdadeiro Dragão que sempre soube cultivar o espirito de Vitoria nos filhos !!
    E ser assim em Lx é de se tirar o chapeu...ao Pedro e aos Filhos e Filha !!

    ResponderEliminar
  2. Por falar em Cubillas, lembro-me como se fosse hoje de assistir à vitória do nosso clube no antigo galinheiro em 1974, salvo erro. Num Sábado à noite tivemos um Gabriel a jogar adaptado a central, um Rodolfo a comandar as tropas, um Oliveira endiabrado e D. Teofilo a reger a orquestra e a marcar o penalty que nos deu a vitória (falta cometida sobre o Oliveira). O Gomes teve que ser substituído, porque lhe partiram o malar. Imaginem o que senti no 3º anel com um resultado que raramente conseguíamos! Saltos e mais saltos e o meu pai a tentar refrear-me os ânimos com receio da "azia" vermelha. Tão diferentes eram esses tempos! É sempre com muito orgulho que vejo agora a nossa equipa entrar naquele estádio e mostrar a sua superioridade! Pena não haver mais soluções nas alas...!
    Um abraço
    Sckit

    ResponderEliminar
  3. Tou como o Vila Pouca.
    De arrepiar.
    Bravo, Pedro!!!

    ResponderEliminar
  4. siulloureiro17 janeiro, 2013

    Saudações Azuis e Brancas Pedro Marques Lopes.

    Os seus filhos só podem ter um grande orgulho no Pai que têm!

    ResponderEliminar
  5. Brilhante e arrepiante!

    Parabéns Pedro!
    Conto os dias até se tornar residente do Dia Seguinte, nesse dia volto a ver o programa!

    ResponderEliminar
  6. PML, sempre em grande!

    Para a próxima já sabe, fique na "jaula" ao lado dos seus filhos, ao nosso lado!

    Um grande abraço

    ResponderEliminar
  7. Parabéns Pedro!
    Portista do carago!!

    ResponderEliminar
  8. enorme!

    (sem palavras)

    somos Porto!, car@go!
    «este é o nosso destino»: «a vencer desde 1893»!

    saudações desportivas mas sempre pentacampeãs a todas(os) vós! ;)
    Miguel | Tomo II

    ResponderEliminar
  9. Muito bom!
    só alguém do meu clube poderia sentir algo tão bonito assim!



    ... nós centenários, com muitas glórias, só agora começamos a nossa história... - ou seja, preparem-se que isto não está para acabar, antes pelo contrário , está mesmo a começar...

    ResponderEliminar
  10. Pela santa madrugada, que grande texto!!!!

    ResponderEliminar
  11. Pedro está uma delicia, foi tão ler e sentir tudo o que aqui escreves-te.
    Até deu para para ficar com uma lágrima nos olhos...;)



    BIBÓ PORTO

    ResponderEliminar
  12. “O que conta é isto, até podiam ser mil contra um. Vamos ganhar” – onde é que já ouvi isto ou parecido! Sim, os nossos rebentos já ganharam tudo e não admitem outra coisa que não a VITÓRIA. Quando falei à minha dragona (de 22 anos) em 19 anos de jejum, ela disse-me que “isso eram tempos em que o Dragão estava a incubar e a sair da casca…”.
    Grande post, tocante, lindo… como é habitual, à PML!
    Obrigado. Abraço.

    ResponderEliminar
  13. Poesias como este seu texto é que deviam ser divulgadas no site do FCP! Assim se ganham adeptos! Assim se revela a ambição e quebram (ainda) alguns receios! Assim se assume a superioridade e um futuro vitorioso! Cumprimentos a todos de um Dragão da Margem Sul do Tejo e de uma Dragoa de 2 anos! Cada vez somos mais e em mais lugares! Até os comemos, carago! DMST

    ResponderEliminar