10 novembro, 2007

Duas visões “Stéphanoises” de Postiga !

Viva!

A entrevista que segue, a dois ferrenhos assinantes (sócios) do Saint Etienne, não foi fácil. É que andam zangados. E andam zangados por questões tácticas quanto ao Saint Etienne. E eu no meio e o meu Porto aqui tão perto! Ao menos mostram que não é só no rugby que se pensam estratégias. Isto é, não é só no rugby que há pensamento!

Queria, em primeiro lugar, agradecer quer ao Jean Marc, quer ao Henri, por terem aceitado apresentar a sua identidade a este blog... e, é, claro, a sua confiança neste blog.

Henri Linard está aposentado. Foi jogador de futebol. Jogou na terceira divisão como amador. Depois, foi treinador de jovens em organismos mais que refereciandos pela Federação Francesa de Futebol. E, tudo isto, na região de Saint Etienne e, mais tarde, nos subúrbios de Paris. Para poder conjugar o futebol com a realidade, foi “Stor” de Francês e responsável de rede informática dum liceu.

Jean Marc Truffault é professor de matemática no ensino superior.

Ambos percorrem milhares de quilómetros todos os fins de semana vestidos de verde.

Henri e Jean Marc amam o Saint Etienne e o futebol porque sabem que foi o Saint Etienne que, neste país, levantou o futebol. A carreira europeia do Saint Etienne na década setenta apelou a miudagem para o futebol, destruindo, em parte, a imagem do rugby. E, desde então, nasceram Platini e... Zidane!

Mas, como dizem os meus colegas Gaúchos do Rio Grande do Sul: Voltemos à Vaca Fria!

Eu vi o jogar o Postiga no Saint–Etienne. Mas acho que não posso ser objectivo. Sempre o vi como um ex-jogador do Porto. Melhor dar, pois, a palavra a dois adeptos do Sainté! Eles pensam em termos de colectivo. E o futebol é um jogo colectivo.


Vejamos: Henri Linard (HL), Jean Marc Truffault (JM)



Quais são, para ti, as qualidades de Postiga?

HL
: Postiga tem uma boa técnica de base aliada a uma certa malícia (nos limites do espertalhão, o que acabou por se voltar contra ele aquando da sua passagem pelo “Sainté”). É um jogador hábil nos pequenos perímetros que adivinha bem as jogadas, mas...

JM: É um jogador com muita técnica. Penso que é muito elegante na sua maneira de jogar.

Quais são, para ti, os defeitos de Postiga?

HL: Mas “voilà” não é um atleta. Ora o futebol é um desporto de contacto em que se não tens um mínimo de qualidades atléticas (velocidade de execução nos gestos técnicos, resistência para aguentar 90 mn, força para ganhar os duelos, extensão para o jogo aéreo, etc.) é melhor ires jogar à “pétanque”.

JM: Penso que tem tendência em mergulhar em demasia. Confunde a piscina com o relvado. Como professor de matemática, posso aceitar que uma bola no poste é falta de sorte. Mas não duas ou três. Matematicamente, já não é falta de sorte, mas sim falta de concentração.

Porque é que não conseguiu no Sainté?

HL:Não conseguiu no Sainté (nem no Tottenham, aliás) porque é um jogador médio que está demasiadamente cotado. Para mim, é o Le Tallec do futebol Português. Uma coisa é ser brilhante nos júniores outra é de confirmar isso no Top. Terás compreendido que, na altura, só tinha um receio, vê-lo ficar no Sainté. No tempo bendito em que era treinador, tinha um certo número de critérios de avaliação para os jogadores em função do lugar ocupado ou a ocupar (muito importante de nunca encerrar, bloquear, inibir um jogador jovem num lugar determinado). Fiquei muito feliz de ver, há 3 ou 4 anos, num canal um documentário no qual tiveram a excelente ideia de perguntar a Wenger, Ferguson, Lippi e Capello só para falar dos mais conhecidos (na altura) o que procuravam num avançado centro. E todos tinham a mesma resposta: a velocidade, a velocidade, sempre a velocidade. A velocidade de análise e de apreciação em certas situações, a velocidade de execução dos gestos técnicos (amortecer, dominar, rotação, passe, remate, corrida, etc ) aliada a uma boa pujança atlética para ir ao contacto das defesas adversas e ganhar os duelos (relva e ar). Repara nos grandes avançados actuais (Etoo, Drogba, Henry, Cristiano Ronaldo, Torrés, ...): eles fazem a diferença graças a este casamento entre a velocidade-técnica-força. A altura também não é um obstáculo se és um atleta com velocidade e uma boa técnica (Pelé, G.Muller, Puskas, Papin, Carlos Tevez...).

JM: Penso que há que ter em conta a mudança do treinador. A falta de estabilidade no Sainté. Por outro lado, estava em concorrência com o Piquionne (que foi vendido ao Mónaco).

Pensas que Postiga poderia ocupar outro lugar ?

HL: Como já te disse, Postiga tem uma boa base técnica e sabe advinhar as jogadas. Penso que poderia ser um centro campista útil. As capacidades físicas não são as mesmas. Mas para um jogador já habituado a um esquema, mudar de lugar pede muita abnegação e humildade. Mas não é impossível. Repara no exemplo de Janvion. Quando chega a Sainté, começa como extremo ou ala na direita. Mas teve a força de se adaptar ao lugar de defesa direito. Foi internacional nesta posição e ficou na história do futebol Francês como um dos melhores defesas direitos de sempre.

JM: Sim, poderia jogar em "neuf et demi" (nove e meio). Vocês Portugueses como não são bons em matemática eu explico (rssss!): um centro campista "neuf et demi" é um centro campista adiantado. Estou a brincar, é claro. Mas o que é o certo. Se o Porto joga contra o Lyon na Liga Europeia, todos nós seremos pelo Porto.
Obs: Le Tallec é um jovem formado no Havre. Jogou na Seleção de Esperanças de França... foi para o Liverpool! E, desde aí, nunca mais foi quem foi!

Obs: La Pétenque: jogo tipicamente do sul da França que é quase igual à malha.

Obs: terminus: Merci à toi Henri ; Merci à toi Jean Marc.

E Viva o Porto !

7 comentários:

  1. Boa tarde

    Sobre Postiga a unica coisa que me aptece dizer é: "com mais meia uva de cerebro era um jogador de top europeu"!

    Até lá, que se preocupe em jogar futebol que tem mais do que talento e que nao se esqueça que tem mais 10 colegas a correr e esforçar-se ao lado dele e com ele!

    Abraço a todos

    ResponderEliminar
  2. Boas,

    Postiga continua a provocar debate e isso tb é revelador da qualidade k todos sabem k o jogador possui. Por variadíssimas razões, vai continuando a passar ao lado da fama. Gostei do artigo, mostrando k o futebol, em todo o lado, é mesmo mais do k um desporto, sendo encarado como uma religião. O Henri e o Jean Marc são como milhões de outros, calcorreando caminhos, por essa Europa fora, venerando o seu clube.

    E é sempre bom saber k, qd defrontarmos o Lyon, lá para as meias-finais da Champions, a França vai ter milhares de novos adeptos portistas:)

    ResponderEliminar
  3. Uma artigo interessante com uma visão além fronteira do Postiga que claro, tanto faz o impossível como falha o mais fácil.
    Força Postiga.

    JM: 'Se o Porto joga contra o Lyon na Liga Europeia, todos nós seremos pelo Porto.' = Futebol e as suas emoções igual em qualquer parte do mundo.

    Portomaravilha nós aqui nas churrascads do blogo tb. somos bons no la pétenque :-)

    ResponderEliminar
  4. Amigo PortoMaravilha para mim o Postiga é um enigma muito grande. Nem ele se deve conseguir perceber. Deve ter uma mistura de pensamentos naquela cabeça que por vezes não sabe que fazer. Mas que tem bons pés, isso ninguem pode negar.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  5. PortoMaravilha, em 1º lugar, uma palavra de especial agradecimento para o tráfico de influência que tiveste que fazer junto de amizades tuas para conseguir este diálogo/entrevista... um obrigado para ti e tb de umodo especial para o Henri Linard e para o Jean Marc Truffault.

    Quanto ao tema propriamente dito, o Hélder Postiga, admito que aqui sou um pouco faccioso, ou seja, eu gosto do Postiga, admiro e gosto daquele jeito jingão que ele tem de jogar, mas fica-se sempre com a sensação de que falta sempre ali qualquer coisa... mentalmente, não me parece muito forte, porque se o fosse, seria muito, muito melhor do que aquilo que (já) é.... depois, aponto-lhe o mau hábito de se deslumbrar facilmente com as coisas quano lhe estão a correr bem, e sente-se que os níveis de esforço dispendido em campo vão baixando, quanto mais vai sendo falado positivamente... é a minha opinião.

    Mas que gosto dele enquanto jogador, gosto e ponto final!

    aKeLe aBrAçO,
    http://bibo-porto-carago.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  6. Viva !

    Esqueci completamente de especificar , mas creio que todas e todos entenderam, que existe uma rivalidade pré-histórica entre o Saint Etienne e o Lyon.

    Claro que todos os "Stephanois" serão a 200 por cento e mais, pelo Porto se este jogar contra o Lyon.

    E Viva o Porto !

    ResponderEliminar