14 novembro, 2007

Palavras e silêncios

O FC Porto tem sucesso na Europa.
Mas para o conseguir abriu os horizontes, formou talentos e vendeu-os bem. É uma boa forma de trabalhar.

Erwin Staudt (presidente do Estugarda) no maisfutebol

Palavras como estas não foram as primeiras e seguro que não serão as últimas.
Ou, melhor ainda, não há duas sem três.

Na senda de Lennart Johansson e muito recentemente Eric Gerets, chegou a vez do elogio de alguém com aquela mentalidade reputada de muito rigorosa e respeitadora dos compromissos assumidos. E embora as palavras da segunda crónica sejam apreciativas só em termos desportivos as outras duas (ou serão ambas as três?), não escondem o sentimento na apreciação do enorme valor e pujança da instituição.
Nada mal, mesmo nada mal como projecção de um clube que alguns, cada vez menos mas alguns, mais incautos e ávidos de inveja, teimam em apelidar de regional.

Escreveu-se, ainda há poucos dias e na primeira pessoa, que era costume dizer que não via a árvore mas sim a floresta. Foneticamente até que soa bem mas a verdadeira questão será a dimensão da própria floresta.
Para uns o Pinhal de Leiria, regional, é já enorme. Para outros, a imensidão da Floresta Amazónica, mundial, cabe num simples quintal.
Talvez seja até necessário, aos primeiros, que alguém de fora e imune ao estado a que isto chegou consiga ter uma visão mais clara e independente do sucesso dos segundos.
Será este mesmo sucesso da regionalização ou, quiçá, da falta dela?
Ou não será elementar que se queira descobrir, e porque não seguir, os porquês de uma carreira Nacional arrebatadora e uma presença além fronteiras de assinalar?

E para que não existam dúvidas sobre tais palavras que se termine como se começou:

No extremo ocidental da Europa e parafraseando o grande Camões, onde a terra dá lugar ao mar, nas movimentadas margem do Rio Douro, Jorge Pinto da Costa conseguiu construir uma potência do futebol europeu, o FC do Porto.

Como complemento e ainda no rescaldo do resultado na Reboleira (onde a bola jogada com a cabeça, às vezes dá grande penalidade), dois pontos a reter:

1. As palavras do Bosingwa no pós jogo.
De louvar a opinião própria e até a própria liberdade de expressão mas não apraz utilidade alguma a crítica na praça pública, o minar da organização de dentro para fora. Se há algo a esclarecer que se faça dentro do balneário. A ver vamos se foi ingenuidade ou falta dela.

2. A visita do Presidente ao balneário.
Não terá sido para tomar banho.
Aqui, aparentemente imperou o bom senso, o contrário do ponto anterior.
É que muitas das vezes é preferível e necessário saber escutar o silêncio.

Agora são duas semanas sem bola.
Voltamos no dia 25 com um Setúbal ao seu melhor nível.
Espera-se que até lá renasça, do silêncio, raça e atavio.

Nem que seja necessário pôr a equipa a dar voltas à parada.

Saudações,
Estilhaço.

10 comentários:

  1. Em forma Estilhaço. O nosso clube é de facto uma potência Europeia mas o q os Alemães n sabem é tudo o que temos q ultrapassar para sermos Campeões. Ganhar um campeonato nestas condições vale por 4 ou 5 na Alemanha. De qq forma é bom saber q fora de portas alguém nos elogia pq cá dentro é só inveja.

    ResponderEliminar
  2. Excelente trabalho de pesquisa Estilhaço, lá fora há quem reconheça o nosso trabalho, enquanto que cá dentro só nos querem tirar mérito e valor.
    A farpa da cabeçada e do penalty está muito interessante e quanto ao Bosingwa comigo levava uma repreensão, a roupa suja-se lava-se me casa e não cá fora.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  3. votação do jogador mais irritante da liga bwin em http:\\bolanamesa.blogspot.com

    ResponderEliminar
  4. Viva !

    Bravo Estilhaço : Repetir é pedagógico ! Claro que o Porto é o clube Português com maior projeção internacional !

    Lucho, só há uma revista (mensal) especializada no andebol ( Hand Action ). É só esperar pelo L'Equipe que hoje não estava nas bancas devido às grandes greves.

    E Viva o Porto

    ResponderEliminar
  5. ola presidente e amigos blues;

    amigo estilhaço, tb ja lés os jornais(bola)? tb li essas palavras do presidente do estugarda, e verdade, da sempre um pouco de orgulho ao ver que ainda a pessoas fora deste país que reconheçe os nosso(f.c.p)valor como clube da europa, pena que ninguem em marrocos reconheçe isso, invejosos de merda(mouros).

    em relaçao ao assunto ainda do ultimo jogo do f.c.p, desculpa-me, mas ja nao vale a pena comentar, algo me diz que vao fazer a cama(jesualdo)a esse martelo d´orelhas, mas a ver vamos, dou ate final de dezembro, depois da deslucaçao a luz, porto em segundo lugar, ta tudo dito, espero que esteja enganado quanto ao segundo lugar , mas nao em relaçao a mudança de treinador, mas um treinador de raça, nao um morcão como este que esta lá...

    aquele abraço amigos blues

    ResponderEliminar
  6. pORto maravilha:

    Sábado sempre vou estar em S.Tirso a ver o FCP-Paris. Depois conto os pormenores e deixo a minha opinião sobre as perspectivas q se abrem para o jogo de França onde espero depois a tua colaboração.

    E hoje VOU MEDIR o pulso à equipa, vou ver o FCP-A.SANTAS em andebol.

    ResponderEliminar
  7. Ganda Estilhaço :-P

    Pois, lá fora, onde a inveja não impera, somos reconhecidos... cá dentro, é o que todos bem sabemos.

    Depois, a visita do Mítico PdC ao balneário, terá valido pela presença e pelo silêncio ruidoso que o mesmo terá provocado no balneário... dia 25, logo veremos as suas consequências, mas admito que são medidas que nos tempos que correm, e falo em todas as áreas dentro do clube, já não me comovem assim, tanto, mas aguardemos.

    Quanto ao Zé, pois, tem tanto de bom jogador, como de não saber falar português, porque para ter dito o que disse, e a minha leitura é só uma (enterrou literalmente o treinador), mais valia ter estado calado. Não discuto o modo como o fez, mas sim e tão onde, onde o fez e isso não é de profissional, porque esses assuntos, duscutem-se no balneário, não na praça pública. Pode ser que as bancadas voltem a contar com a presença dele em breve, porque um corretivo nunca fez mal a ninguém... a ver vamos.

    aKeLe aBrAçO,
    http://bibo-porto-carago.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  8. Pois,

    Não existe um ditado qualquer k diz "santos da casa não fazem milagres"? Ai está a concordância. Reconhecidos lá fora, injustiçados, perseguidos e odiados cá dentro. Por mim, sinceramente, até prefiro assim...

    Não gostei das delarações de Bosingwa, logo aroveitadas pelo palhaço do José Manuel Delgado como um exemplo de independência. Mas qual independencia? O bosingwa é um assalariado do FCP e, como tal, deve estar sujeito à disciplina hierarquica. Se Jesualdo afirma o que disse, o assunto não tem k ser debatido na praça pública, k é o k os nossos detractores bem querem...

    Sempre em grande Estilhaço. Abraço,

    ResponderEliminar
  9. A INVEJA , cega !
    Por isso , 6 milhões , não conseguem ver o que outros vêem !

    ResponderEliminar
  10. Aqui neste país de invejosos e que só olham para o umbigo da capital do império não se dá o valor a quem o tem.
    Os elogios e reconhecimento tem de vir defora. Não admira.
    Mas neste canto peninsular, onde " quem vem e atravessa o Rio junto à Serra do Pilar " encontra um bando de irredutíveis portistas (que não se esgotam na Cidade e são cada vez mais ) e um Clube que pelo seu valor projecta o nome do Porto e até do país que o não merece.
    Irinia das coisas ... pela sua acção vitoriosa até permite que outros tenham acesso directo às competições europeias.

    ResponderEliminar