21 novembro, 2007

O direito ao assobio

‘Nortada' do Miguel Sousa Tavares

A veneração patriótica que não admite críticas nem objecções.

1 - Há umas semanas atrás, Ricardo Quaresma foi assobiado no Dragão, depois de insistir em várias jogadas individuais inconsequentes. A mim, aquilo pareceu-me injusto: não só porque o FC Porto deve muito, muitíssimo a Ricardo Quaresma (incluindo a sua recusa em ser vendido ao desbarato ao Atlético de Madrid, vai fazer um ano), mas também porque o individualismo, muitas vezes inconsequente, de Quaresma é o preço a pagar por tantas outras jogadas individuais que saem dos seus pés e que resolvem jogos em golpes de génio. Não se pode exigir a um desequilibrador nato que se abstenha disso e se remeta a um papel banal de «jogador de equipa». Faz-me lembrar quando há uns anos atrás, também no FC Porto, se criticava o Jardel porque ele não defendia. É claro que, por vezes há exageros e que podem ser evitados, mas o génio também é um exagero…Veja-se a jogada do Sektioui contra o Marselha: se tem sido desarmado durante aquele incrível slalom em que deixou para trás seis adversários, também se teria dito que fora um individualista. Mas, como a coisa resultou, escreveu-se antes que tinha sido uma jogada de génio.

O ponto importante, todavia, é que, assobiado, o Ricardo Quaresma reagiu com toda a naturalidade: considerou legítimos os assobios e confessou até que estava a jogar menos do que o habitual, mas que iria melhorar. Diferente é a atitude de alguns jogadores da Selecção Nacional, depois de escutarem assobios durante a sua paupérrima prestação contra a Arménia. Para estes, assobiar a Selecção é quase uma atitude antipatriótica. Eu compreendo-os: foi esta mentalidade que Scolari conseguiu introduzir nos espíritos de todos. Quando joga a Selecção de Scolari, os portugueses têm que se abstrair de que estão perante um espectáculo e um jogo de futebol: trata-se, sim, de um momento de veneração patriótica, que não admite críticas nem objecções. O mesmo pode valer para outras coisas: quem não gostar dos livros do Saramago ou da arquitectura do Siza Vieira é um português indigno de o ser.

E, à conta desta chantagem patriótica, vamos assistindo, conformados, a sucessivas exibições miseráveis da Selecção de Scolari. Há, pelo menos, meia dúzia de equipas na Liga portuguesa que jogam melhor futebol do que esta equipa de supervedetas e há meia dúzia de treinadores portugueses que seriam capazes de demonstrar muito melhor serviço do que o intocável seleccionador. É difícil, de facto, entender como é que tantos e tão talentosos jogadores são capazes de jogar tão mal durante tanto tempo. Por que é que o Ronaldo e o Nani rendem muito mais no Manchester United do que na Selecção de Scolari? Por que é que o Quaresma rende muito mais no FC Porto? E o Deco no Barcelona? E o Simão rendia muito mais no Benfica? Etc, etc. Haverá alguma espécie de epidemia colectiva que lhes tolhe o talento quando envergam a camisola da Selecção? Ou, como escreveu o Paulo Sousa e eu subscrevo, qual é a explicação para o facto de a equipa de Scolari não aparentar ter qualquer estratégia ou plano de jogo, nada ensaiado ou treinado, como se bastasse mandar lá para dentro onze grandes jogadores e esperar pelos resultados consequentes?

Enfim, esperemos que amanhã, contra a Finlândia, este grupo triste de grandes jogadores, possa ao menos sacar o empate que lhe garante uma qualificação que seria um escândalo não se conseguir.

2 - Jesualdo Ferreira tem um problema entre mãos, após as tonitruantes declarações de Bosingwa. Um problema clássico: fingir que não ouviu e abrir uma possível brecha em termos de disciplina interna, ou mostrar-se inflexível, castigando o jogador e com isso prejudicando a equipa. A questão é ainda mais delicada porque qualquer dos dois intervenientes teve razão a um tempo, mas não a teve noutro.

Jesualdo teve razão ao não querer individualizar culpas pelo modo como o FC Porto desperdiçou, nos cinco minutos finais, uma vitória mais do que tranquila na Amadora. Evitando destacar os dois culpados óbvios, ele quis preservar o espírito de união na equipa, tal como é seu dever. Mas, podia ter ficado por aí, podia ter dito que houvera falta de sorte ou de concentração nos minutos finais, erros que não se podem repetir, etc, essa linguagem cifrada que não atinge ninguém e todos entendem. Porém, ao responsabilizar toda a equipa pelo que aconteceu, ao remeter a responsabilidade para uma meia hora colectiva de relaxe (que não existiu, a equipa nunca se relaxou ao ponto de fazer perigar a vitória), ele foi atingir inocentes para poupar os culpados. E Bosingwa, um jogador com personalidade, acusou o toque e, legitimamente, não gostou. A verdade é que, como todos viram, aconteceu apenas que o Helton resolveu oferecer um golo repetindo um erro em que é recorrente, e o Stepanov resolveu oferecer um penalty, fazendo a equipa perder pontos pela quarta vez em cinco jogos seguidos. Mas José Bosingwa, quando confrontado com as declarações de Jesualdo, devia ter-se limitado a dizer «é a opinião do treinador», sem acrescentar «a minha não é essa». Ao fazê-lo, quebrou a tal solidariedade entre todos que é essencial numa equipa. Mas também chamou a atenção para uma questão a cuja responsabilida Jesualdo Ferreira não pode fugir: no futuro, o esforço de todos vai continuar a poder ser comprometido por erros habituais dos suspeitos do costume?

3 - Qualquer dia o Sporting não arranja um árbitro que lhe queira apitar os jogos. A menos que eles se disponibilizem para assinalar os dois ou três penalties que os sportinguistas reclamam em todos os jogos — para além de todos os que já assinalam e que, apesar dos protestos, fazem do Sporting o campeão destacado dos penalties a favor, no século XXI.

Se agora, todos os jogos em que o Sporting reclama dos árbitros vão ter como consequência a penalização a posteriori dos árbitros — e sem que os outros clubes façam o mesmo e nomeadamente, quando é o Sporting o beneficiado —, vai ser difícil querer arbitrar um jogo do Sporting. Pela simples razão de que não há nenhum árbitro que não cometa pelo menos dois ou três erros durante um jogo. Mas, se só são escrutinados e passados à lupa os erros cometidos em desfavor do Sporting, e não também todos os outros erros e em todos os outros jogos, isso significa que se criou um regime de excepção, que prejudica uns e deixa passar os outros.

4 - Há um jovem jogador em Braga, chamado Bruno Silva, que estava apalavrado e ajuramentado para o Sporting e que parece que acabou desviado pelo Benfica «à má fila» e inscrito, contra sua vontade e a do pai — representante legal —, na Associação de Futebol de Lisboa. Inacreditável nesta história é que o miúdo tem oito anos (!) de idade e estava assente entre o Sporting e o pai do jogador que, aos onze anos, ele daria entrada na Academia de Alcochete. Mas agora, inscrito pelo Benfica e vivendo em Braga, ele, pura e simplesmente, já não pode competir como até aqui por uma equipa de Braga e também não pode competir pelo Benfica, porque mora a 350 quilómetros de distância!

Eu confesso a minha estupefacção e a minha ignorância: não sabia que se podia inscrever jogadores com oito anos de idade; não sabia que a ganância chegava a tal ponto que se podia assentar com os pais levar-lhes o miúdo aos onze anos e pô-lo a viver a 370 quilómetros da família e dos amigos, traçando-lhe desde logo o destino e a profissão; e não sabia que os dois grandes «moralizadores» do futebol português se podiam envolver em disputas pouco dignas pelo futuro «passe» de um miúdo de oito anos, que, por agora, quer apenas que o deixem jogar futebol.

# jornal “A BOLA” de 2007.11.20
# origem: "Futebolar"

0 comentários:

Publicar um comentário