08 fevereiro, 2010

No trilho certo

http://bibo-porto-carago.blogspot.com/


assistência: 31.420 espectadores.

árbitros: Hugo Miguel (AF Lisboa), Pedro Garcia e Tiago Rocha; Diogo Santos.

FC PORTO: Helton; Fucile, Rolando, Bruno Alves «cap» e Alvaro Pereira; Tomás Costa, Ruben Micael e Belluschi; Varela, Falcao e Mariano.
Substituições: Belluschi por Guarín (66m), Fucile por Miguel Lopes (83m) e Ruben Micael por Valeri (83m).
Não utilizados: Nuno, Maicon, Addy e Orlando Sá.
Treinador: Jesualdo Ferreira.

NAVAL: Peiser; Carlitos, Gomis, Diego Ângelo e Daniel Cruz; Lazaroni «cap», Godemeche e Alex Hauw; Davide, Bolívia e Camora.
Substituições: Davide por Fábio Júnior (46m), Alex Hauw por Giuliano (67m) e Bolívia por Michel Simplício (75m).
Não utilizados: Jorge Batista, João Real, Adriano e José Mário.
Treinador: Augusto Inácio.

golos: Tomás Costa (38m), Falcao (79m) e Varela (88m).

disciplina: cartão amarelo para Alex Hauw (26m), Falcao (61m), Daniel Cruz (68m) e Alvaro Pereira (78m).

"Abençoado é o homem que acredita na palavra do Senhor". Livro de Jeremias.

Não. Não virei um daqueles beatos. Ou pior. Um fundamentalista religioso. Nem sou, confesso, um seguidor regular destas coisas da religião. Acredito em Deus? Acredito em Algo. Em Alguém que vele pela Justiça, neste vale terreno de pecadores inveterados. E alguém deve ter acordado de uma lo9nga hibernação. E não gostou do que viu…

O Porto tem jogado mal. Facto. Tem levado os seus fiéis e pacientes adeptos ao desespero. Facto. Esquecendo por momentos os famigerados juízes de campo, não tem beneficiado dos doces afagos da Sorte. Essa Deusa instável. Senão, vejamos:

  1. Dois pontos preciosos perdidos, de forma aberrante, em casa, perante um patético Belenenses. Nos minutos finais, já entrados nos descontos, a fúria de Bruno Alves levou o esférico à trave. Um minuto decorrido, Meireles falha por milímetros a baliza adversária.


  2. Dois pontos perdidos em casa, perante um abnegado Paços. Descontando já os golos [mal] invalidados a Falcao, já decorria o minuto 94 quando um golo cantado caprichosamente ficou pelas intenções.


  3. Nas derrotas de Braga e Funchal, perante o Marítimo, o estertor final dos azuis e brancos esbarrou sempre em defesas impossíveis dos guardiões contrários.


  4. O seu mais directo rival conquistou, num assomo de notória injustiça, 5 preciosos pontos para o seu pecúlio, já com o tempo regulamentar esgotado. Naval, em casa, Guimarães, fora e jogando contra 9 adversários e Olhão, quando cirúrgicas expulsões abateram os briosos algarvios.
Isto significa o quê? Que pese a notória má qualidade do futebol do actual campeão, tem sido a aragem da Fortuna a distanciar, na classificação, os encarnados. Como referi, Alguém deve ter despertado, recentemente, e não gostou do que viu.

Em Setúbal, novo crime de lesa-majestade era perpetrado, perante o encobrimento dos diligentes funcionários dos pasquins da praça (por onde andam agora as capas inflamadas, apontando erros arbitrais?), quando Ele disse: “BASTA!”. Cardozo rematou à trave. Primeiro – e importante – sinal de que as coisas estão a mudar. Inexoravelmente. Na falta de justiça terrena, outra força poderosa entra em campo. Pinto da Costa já apelou, várias vezes, a ela. A Justiça Divina.

Mas, para aproveitar as escorregadelas alheias, os pupilos de Jesualdo sabem bem o que têm que fazer. Repetir, preferencialmente, o correctivo aplicado aos leões, até final do campeonato. Com mais ou menos golo, o importante é mesmo consolidar o bom momento e somar mais 3 pontos.

Com o adversário sabiamente escalpelizado pela verve do Bruno Rocha, sabe-se de antemão que o treinador portista não mexerá no esquema táctico, procedendo a duas alterações, no onze inicial. A esperada entrada de Tomas Costa, substituindo o castigado Fernando, e o regresso de Bruno Alves, para o eixo defensivo. Durante a semana, existiu uma clara e pouco subtil tentativa de pressionar o timoneiro portista, apregoando (nomeadamente nas páginas da Bola) o bom momento do brasileiro Maicon, aludindo a um eventual descontentamento de Bruno pela sua não transferência no mercado de Inverno. Nada que não se espere, quando se jogam as cartadas todas, numa luta sem quartel pela conquista do título.

Foi pois, sem surpresas, que a noite chuvosa da Invicta saudou o regresso dos seus ídolos. Ainda com as frescas memórias da exibição de gala na Taça de Portugal, o Porto desde cedo procurou imprimir velocidade no seu jogo, com os flancos a serem explorados por duas duplas, bastante activas: Alvaro Pereira e Mariano, no lado esquerdo, e Fucile e Varela, na direita. A rapidez de processos, aliada à superior capacidade de passe de Belluschi e Ruben Micael, fizeram com que os azuis e brancos ocupassem, durante largo tempo, o meio-campo defensivo da Naval.

Detesto estes jogos. Se o golo não surge, com celeridade, a ansiedade torna-me facilmente irritável. Com a defesa porfiada e abnegada dos homens da Figueira a servirem de retardador ao momento de júbilo, os portistas não esperaram que as coisas caíssem do céu. Fizeram por isso. Belluschi arvorado em maestro, com passes precisos, procurava carrilar o jogo dos campeões nacionais. Importa destacar alguns momentos:
  • 6 minutos. Soberbo lançamento de Belluschi para um cruzamento de Fucile, culminado com uma cabeçada de Falcao, por cima;


  • 14 minutos. Magnífico trabalho do médio argentino, serpenteando dentro da área, cruzando de trivela para um pontapé de bicicleta de Falcão, ao lado;


  • 29 minutos. Na cobrança de um livre, após a enésima falta dos navalistas, Bruno Alves obriga Peiser a grande defesa;
Não enchendo as medidas, pela oposição cerrada que encontrava, o futebol portista era, ainda assim, fluido, procurando a diversificação de processos. O golo surgiu, num remate afortunado de Tomas Costa (lá está, a Fortuna a cuidar de quem merece), que traiu o guardião contrário. O jogo podia ter sido sentenciado, bem antes do apito para um intervalo regenerador. Falcao falhou, quase por artes mágicas, o 2º tento, com Diego Ângelo a evitar males maiores.

A segunda metade, apesar de mostrar, nos seus predicados iniciais, uma nova atitude da Naval, manteve o sinal mais nos homens da casa. Varela travava um duelo particular com Peiser. Jesualdo optava pelo habitual conservadorismo. Retira Belluschi e faz entrar Guarin. O jogo estava tenso. Difícil. Nervoso. Pairou, sobre o Dragão, a ameaça de uma síncope colectiva. A 15 minutos do fim, uma bem desenhada iniciativa atacante do adversário, explorou o flanco esquerdo, deixado vazio pelo apoio de Alvaro Pereira ao ataque. Simplício, acabado de entrar, isolado na frente de Helton, permitiu a defesa deste. Respirou-se, audivelmente, de alívio. Seria um castigo tremendo – e injusto – para os azuis e brancos.

E depois, acabou num ápice. Bruno Alves subiu à área adversária, serviu com altruísmo o colega colombiano e o jogo ficou, inequivocamente, encerrado. Ainda houve tempo para o terceiro tento, obra de Varela, após assistência de Falcao, para o desejado amarelo de Alvaro Pereira, que limpa o cadastro antes da recepção ao Braga e da deslocação a Alvalade e para uns minutos de rotina a Miguel Lopes. Estamos a sete pontos dos “que fazem as coisas por outro lado”, tendo ainda um jogo a menos.

Análise final: Será ainda prematuro deitar foguetes, dizendo que o Porto de raça está de volta. Ainda é cedo para isso. A exibição, a espaços agradável, enfermou de males antigos. Incapacidade de asfixiar um opositor nitidamente inferior. Produção atacante não compatível com grande número de oportunidades. Mas, o que importava mesmo, foi conseguido. 3 pontos. Se a estes somarmos os próximos 9, vão ter que levar connosco, até final da prova. É uma prova hercúlea. Leixões. Braga. Sporting. Dentes cerrados, concentração competitiva, criatividade à solta. É esta a receita que se quer. E pretende. Vamos a isso, rapazes?

Melhor do Porto: Não um, mas dois. Alvaro Pereira. Alguém ainda se lembra de Cissokho? O francês deixou algumas saudades, pela qualidade técnica e, sobretudo, pelo euromilhões encaixado, com a sua venda aos franceses do Lyon. Se, desde a saída de Nuno Valente, o Porto procurava com enorme ansiedade um lateral-esquerdo com capacidades comprovadas, nos últimos dois anos encontrou dois. O ex-setubalense e o uruguaio Pereira, aportando uma dose industrial de habilidades no flanco esquerdo que o tornam precioso, nesta altura da época. Desinibido, confiante, com um pulmão do tamanho da Torre dos Clérigos, ele defende afincadamente (excepção feita ao calafrio sofrido aos 75 minutos), apoiando com enorme assiduidade o ataque, através de venenosos cruzamentos.

Para além dele, nunca será demais destacar, Falcao. É um jogador baixo, relativamente lento, sem uma presença física considerável. No entanto, revela-se persistente, lutador, muito móvel, difícil para os defesas acompanharem, inteligente nas desmarcações, intuitivo na procura da bola. Tem uma recepção orientada do esférico praticamente perfeita, uma protecção à posse do mesmo fantástica, uma capacidade para conseguir espaço para rematar. E, quando surge a oportunidade, este surge pronto, eficiente. No seu imenso lote de aptidões, o seu jogo aéreo ameaça tornar-se lendário. Cabeçada certeira, com um posicionamento e movimento na área que é um primor. Falta-lhe apenas velocidade pura, e saída em dribles.

Arbitragem: Não anulou nenhum golo regular a Falcao. Por isso, merece claramente o nosso aplauso. Um HIP, HIP, HURRA, acrescido do facto de não ter marcado nenhum penalty, nos descontos, contra os Dragões. Como não consta, igualmente, que os seus auxiliares e o 4º árbitro tenham, de alguma forma, presenciado qualquer altercação no túnel que resguarda a passagem dos atletas a caminho dos balneários, podemos dizer, com toda a propriedade, que este árbitro tem bons hábitos. Ainda. É imparcial. Segue as leis do jogo. Não adultera resultados. No meio de alguns normais pecadilhos, a nota é francamente positiva.

31 comentários:

  1. boas pessoal,
    só agora conseguí chegar a casa e boas noticias, estamos a ganhar.
    podem dizer-me se estamos a jogar bem?

    ResponderEliminar
  2. Missão comprida, um bem-haja a todos os BLUES.

    ResponderEliminar
  3. Viva !

    Mais uma Vitória mais uma Alegria !

    Vitória indiscutível do Porto.

    Todavia, esta vitória nascida de bolas paradas ( o que mostra que o trabalhar destas é precioso ) mostrou um meio campo do Porto ainda convalescente. Digo convalescente porque se sente que está a crescer. Micael trouxe algo mais, mesmo se hoje foi mais discreto. Houve grandes aberturas. Mesmo se o encandeamento não estava lá a intenção existia.

    Esqueci-me de lembrar que a relva estava impecável, apesar da chuva. O que parece ser raro nos estádios Portugueses e ,sobretudo, nos ditos grandes clubes.

    Eu não percebo nada de futebol. O Porto está a começar a abrir pelas alas. Só que na primeira parece se ter esquecido da melhor : a ala esquerda. Porque ter sistematicamente desenvolvido o jogo pela direita , a ala mais povoada ?

    Gostei de Helton . Salvou o empate defendendo uma bola à queima roupa. Para quem foi espectador durante quase todo o jogo , mostrou que estava atento. Antes já tinha desviado uma bola com a mão.

    Fucile bem na primeira parte a subir e a cruzar bem na zona do campo muito povoada.

    Micael parece ter dado confiança a Beluchi.

    O que dizer do melhor jogador em campo : Falcão ?

    Grande leitura de jogo : Vê-se apertado, rodopia e atrasa para Micael. Este atirou ao lado , mas foi uma jogada que mostra que o futebol é colectivo. Para mim, um dos momentos altos do jogo.

    Em seguida marca. E dá a marcar : Grande passe , em seguimento de cruzamento milimétrico de Guarin, para trás como mandam as regras, para Varela.

    Penso que o Porto está a crescer e que um meio campo vai nascendo.

    E existe um grande avançado centro ( sempre o escrevi ) que sabe que o futebol é colectivo.

    Recupera , dá a marcar e marca !

    E Viva o Porto !

    ResponderEliminar
  4. Fucile, Pereira, Falcao. Excelentes.
    Mal no geral a qualidade do passe, faltou quase sempre alguma coisa.
    Vitória indiscutível.
    Não se pode ter ópera todos os dias...

    ResponderEliminar
  5. Mais um jogo, que para além da vitória, valeu pela garra e a entrega dos nossos jogadores!
    Vai ser difícil a votação para os melhores jogadores!;)

    BIBÓ PORTO

    ResponderEliminar
  6. Assim estamos no rumo certo... o do PENTA!!

    Mais uma vitória, mais uma boa exibição dos nossos jogadores.

    Não se deu pela falta do Fernando, grande jogo do Tomás. Muito bem esteve também o Falcao (para não variar!!), Álvaro e Varela.

    Aquele meio-campo com Belluschi e Rúben lado a lado é qualquer coisa de fantástico!!

    "SEMPRE PORTO ATÉ MORRER... EU VOU-TE VEEEEEEEEEEER" ;)

    TETRAbraço

    ResponderEliminar
  7. Excelentes: Tomás Costa, Alvaro Pereira e Falcão. Ruben um pouco mais discreto mas, com ele, é outra alegria aquele meio-campo.
    Bellusci ainda um pouco inconstante mas, a evoluir desta forma, vai ser ser um caso sério.
    Amigos, estou a gostar!
    Todos unidos, rumo ao Penta.
    Nem com todas as ajudas aqueles mouros nos derrubarão.
    Abraço

    ResponderEliminar
  8. Vitória justa com exibição q.b., mas ainda sem o fulgor da taça e com vários jogadores a acusarem desgaste físico.

    Já o fiz noutro post, mas gostava de chamar a atenção para o ocorrido durante: os Super Dragões na voz do seu líder, entoaram como habitualmente o nome de diversos jogadores, tendo começado por Tomás Costa e tendo-se "esquecido" de Bruno Alves. Percebeu-se depois que alguns elementos isolados entoaram o nome do capitão, tendo de imediato sido advertidos pelo líder.

    Aitude irreflectida ou recado da SAD? Que motivações podem existir para não apoiar o capitão de equipa? A quem interessa que esse apoio não se verifique?

    E as declarações do jogador a dizer que "quer ser solução e nunca problema"? Quem deixou transparecer essa ideia ao jogador?

    Ficam as questões e as dúvidas...

    Ass: Apenas um sócio

    ResponderEliminar
  9. Houve de facto bastantes erros de passe, mas a razão é bastante óbvia: Faltava Fernando.
    Quanto á exibição, apesar de ser longe de perfeita, fizeram o seu trabalho e ficaram com os 3 pontos no Inferno do Dragão.

    ResponderEliminar
  10. Confesso que me deu um particular gozo o FC Porto ter ganho este jogo... È que agora a tremideira vai tomar conta da equipa da Luz e nem as ajudas, nem os favorzinhos da Liga Portuguesa de Futebol os safarão.

    Com Micael o FC Porto é outra coisa, pois a bola chega á frente em condições e há uma coisa que não havia desde que o Dragão começou a temporada: Organização.

    Até Falcao parece ter melhorado, pois deixou de ser um Farias 2 para ser uma especie de Lizandro. E com a bola a ser-lhe bem colocada a coisa é outra. Habemos matador. e se o deixarem teremos nas fileiras Portistas o Melhor Marcador desta temporada.

    Varela para mim esteve em grande apesar de ter falhado golos de uma forma impressionante.

    Segue-se agora o jogo das meias finais da Taça dos Treinos. Jesualdo que aproveite para rodar os Jogadorese, dar ritmo aos menos utilizados, pois o que interessa vem a seguir contra o Leixões e o FC Porto x Arsenal é já ali ao virar da esquina.

    Grande abraço e saudações Portistas!!!

    ResponderEliminar
  11. Não foi Ópera, mas também não foi música pimba. Digamos que foi um fadinho, o nosso fadinho, sofrido, com o susto da praxe, mas tudo está bem quando acaba bem.

    Equipa da Naval fechada e algum cansaço, natural, na base da exibição menos conseguida. De qualquer maneira, o fundamental, a vitória, foi conseguida e encurtamos distâncias para o andor vermelho que era o mais importante.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  12. Algum caNSAÇO mas uma exibição no geral positiva.

    E como diz o PAULO PEREIRA:

    "Mas, o que importava mesmo, foi conseguido. 3 pontos. Se a estes somarmos os próximos 9, vão ter que levar connosco, até final da prova. É uma prova hercúlea. Leixões. Braga. Sporting. Dentes cerrados, concentração competitiva, criatividade à solta. É esta a receita que se quer. E pretende. Vamos a isso, rapazes?"

    Está tudo dito. FORÇA PORTO!

    ResponderEliminar
  13. Tendo em conta o cansaço provocado pelo o jogo com o sporting a meio da semana, eu gostei da exibição.

    Os próximos jogos podem decidir muito do que nos espera até final do campeonato... VAMOS PORTO!

    ResponderEliminar
  14. Mafaldinha foi algo que já escrevi e continuarei a escrever, mas continuo achar ou a não querer acreditar que muitos que só aqui vêm para criticar sejam Portistas.

    Quando ganhamos isto não passa dos 25 posts mesmo com vitórias categóricas como foi a dos quartos-de-final da taça.

    Ontem estive com quase todos os que aqui comentam para assistir a um jogo em que o adversário fez escola com manuel josé, 10 defesas cá atrás bem fechadinhos sempre espera de de um deslize, é incrivel ver que nem a levar 2-0 eles saiam da toca, triste futebol o nosso que continua a dar guarida a treinadores como Inácio.

    Lá estarei em Matosinhos no sábado para apoiar o clube do meu coração espero que aqui alguns me acompanhem, esta foi para ti lucho já que tenho a certeza que o Blue não me deixará sozinho, se me deixarem sozinho sabem que faço barulho na mesma.

    Outra coisa que me tirou do sério no nosso estádio é o sistemático uso do assobio, arre tristes adeptos que nem se levantam para festejar um golo mas à minima falha lá estão eles assobiar, vou ter de requisitar o sapato do meu amigo Blue.

    ResponderEliminar
  15. ANTAS:

    "Lá estarei em Matosinhos no sábado para apoiar o clube do meu coração espero que aqui alguns me acompanhem, esta foi para ti lucho"

    Eu tb estive lá ontem e não assobiei:)

    No sábado vou para S.Pedro do Sul e só regresso terça... Por isso não posso ir... Na quarta estarei no futebol e sexta no basquetebol... :)

    ResponderEliminar
  16. Mas que bela vitória e... exibição!
    Nada do outro mundo mas ainda assim fiquei mais que satisfeito!

    Falcao (que jogador), Varela idem, A. Pereira a subir que nem uma flecha, Fucile a regressar às boas exibições. Enfim, conta acima de tudo o estado anímico da equipa que agora parece muito mais solta, talvez devido ao efeito R. Micael. Tantas vezes aqui pedi a contratação deste jogador, e não me enganei. Uma pérola, um pêndulo naquele meio-campo, que serviu até para Belluschi jogar em condições.

    Estamos de parabéns! Contra tudo e contra todos!

    Saudações

    ResponderEliminar
  17. É triste, mas é verdade, as caixas de comentários tem mais sucesso quando o nosso PORTO, faz más exibições ou perde pontos, parece que é mais fácil dizer mal do que dizer bem! ;(

    BIBÓ PORTO

    ResponderEliminar
  18. Antas, não vais estar só no Estádio do Mar, nós também lá estaremos!

    BIBÓ PORTO

    ResponderEliminar
  19. Antas,

    Subscrevo tudo o que disseste amigo!!

    E é óbvio... contem comigo no Sábado também para o apoio frente à peixeirada!

    ONDE FORES, AÍ VÃO... OS RAPAZES DO DRAGÃO!

    ResponderEliminar
  20. Ah carago!! BiBó-PoRtO sempre presente!!

    http://photos-4.dropbox.com/i/l/qgf2oD0dCo6iGFrI21fK6tAKIdyWksBda2GJovysoE0#12

    http://photos-2.dropbox.com/i/l/QbShURZCnnt_HbeM5S2e4O5Dz40t3SPoFqnJAOYM7_k#6

    http://photos-2.dropbox.com/i/l/lcrF84DQZcYe2exf49oFEOYCXAnjO74Bi7ul5XFS72M#18

    http://photos-3.dropbox.com/i/l/2gbRNz30SuT0xVOfzoDxEhTsQNx74nC27Bw_r2bae4w#19

    http://photos-4.dropbox.com/i/l/wXk4TIyaJuV-kQl-da0gNz5UAVkB9kMQ_vOZk1ymaNc#20

    =)

    ResponderEliminar
  21. Se este, e em face do ocorrido nos últimos 2 jogos do FCPorto, era por si só, de elementar importância, a partir do momento em que havia a oportunidade de aproximação e colocação de pressão sobre o 1º classificado (virtual), passou a ser de extrema importância.

    É verdade que não tivemos a ópera de 3ª feira (tb já era pedir demais), é verdade que não conseguiram manter a bitola dos primeiros 45m (o cansaço em algumas da unidades, fez mossa), mas ganhamos, merecemos ganhar e tudo fizemos para ganhar... quando assim é, o PoBo Portista só tem mesmo é que ficar satisfeito e fazer votos para que assim continue... em crescendo, agora que entramos num momento delicado e de muitas decisões no que a esta (des)Liga (da vergonha) diz respeito.

    Agora, contra factos e números, não há conversa de ressabiado que resista... nos últimos 3 jogos, 12 golos marcados e 3 vitórias incontestadas. Era de pedir mais? Sinceramente, não!

    Vai ser um mês de Fevereiro d'arroba para o Dragão e que melhor altura do que esta, do que todos podermos assistir a este assomo de coragem, a este assomo de raça, de crença Portista, ao renascer do espirito do Dragão que tão parecia adormecido?

    Se pelo meio, vamos apanhar Académica (c) e Arsenal (c) para competições distintas, a segunda, muito, muito mais importante que a primeira... internamente, esperam-nos 3 batalhas que podem muito ditar no que ainda faltará para terminar esta liga, com Leixões (f), Braga (c) e Sporting (f)... espero, esperam-se, todos ansiamos por 3 vitórias consecutivas, 9 pontos no bornal e o arranque definitivo na busca do PENTA, que até que matematicamente se torne impossivel, estará sempre presente nos meus horizontes... sempre, convicto, ou não fosse eu Portista de corpo e alma, das festas, é verdade, mas mais, muito, mas muito mais, nos momentos chamados de dificeis ou complicados, carago!!!!

    ps - consta-me, ouvi dizer, contaram-me que, BA, vai levar com mais um exemplar castigo disciplinar... ontem, aquando do golo do Tommy, enfiou-lhe mais 2 cachaços e pêras à socapa, e como tal, o Prof. JF não vai perdoar mais uma atitude irreflectida... Maicon, aquece que vais entrar a seguir, pois o BA, é bancada com ele no próximo jogo ;)

    ResponderEliminar
  22. Antas,

    Ora nem mais, vais tu, vou eu e vamos mais uns quantos, aposto... sábado, tamos lá, vamos invadir o Estádio do Mar... com sapatilha branca sempre a acompanhar :)

    Ahhh, é verdade, e vai mas é organizando a tua agenda social, porque daqui a nada, dia 28, é dia de visita ao WC XXI... não esquecer, toma já nota de mais esta (nossa) «trip»... ou vais querer levar com a sapatilha? não vais, pois não? ;)

    ResponderEliminar
  23. Blue já está marcado na minha agenda ir ao WC mas ainda falta algum tempo e ainda estou a ver se o nosso "Vitorino" arranja uma camioneta maior com 24 lugares.

    Achas que depois de ver a maneira convicta com que tu prometes enfiar essa sapatilha onde o sol não brilha um "gajo" tem é de andar na linha, por isso não vou falhar. Aliás o meu Portismo não permite tal vocabulário.

    Lucho se fosse a ti ia ver a probabilidade de um fenómeno sismico acontecer em S. Pedro do Sul posso-te dizer que é 0,45% , eu coma taxa destas não ia passear para aqueles lados. Pensa bem que isto é um argumento decente para vires ver o FC Porto.

    De resto já andei a passar os olhos na blogosfera Portista e há gente que vê coisas do Arco-da-velha, desde Bruno Alves não cumprimentar os adeptos ao lider da claque não querer que se cante o nome do jogador, só falta dizer que não choveu durante o jogo e que jogamos com equipamento diferente. Conheci amigos meus que viam este género de fenómenos que mais ninguém via mas não fumavam propriamente tabaco diga-se de passagem.

    ResponderEliminar
  24. Vitória agradável num jogo que podia ter sido mais fácil se a equipa jogasse com mais intensidade logo de início. E depois aquela 2ª parte é fraquinha com muita falta de pernas mas também a costumeira convicção que o jogo se decide mais tarde ou mais cedo.

    Gostei muito do Tomás Costa que joga diferente do Fernando, mais à frente e por isso mais pressionante. Belluschi com boa movimentação mas com muitos passes errados no meio do campo tal como o Mariano. E que dizer do Álvaro Pereira que até cansa de o ver correr cima abaixo durante os 90 minutos. Na única jogada de perigo da Naval ele não está lá simplesmente porque a jogada resulta de um passe errado (mais um) do mariano quando o Álvaro já se tinha soltado para o ataque. Ruben, Falcão e Varela parece que já jogam juntos e no Porto há muitos anos. Que diferença, mesmo sem uma exibição de encher o olho, este Porto com muito mais confiança e qualidade e apenas houve a entrada do Ruben Micael.

    ResponderEliminar
  25. Estamos numa fase em que todas as vitórias são importantes, face ao atraso na classificação.

    Mais que as exibições, os resultados são determinantes.

    Por isso, o meu grau de exigência é um pouco menor, satisfazendo-me com as vitórias, condição única para alimentar o sonho do bi-pentacampeonato.

    Não tendo sido uma exibição de encher o olho, como contra o Sporting, a exibição portista frente à Naval, foi diversa, alternando momentos de futebol pouco apelativo com outros de fulgor futebolístico.

    Frente a equipas demasiado defensivas, as dificuldades são mais evidentes. Contudo, devo realçar a atitude da equipa que, inteligente e pacientemente pôs em prática o rolo compressor que haveria de aniquilar a réplica adversária.

    Nos últimos jogos, coincidentes com a inclusão do maestro Ruben Micael, os Dragões vêm evidenciando uma melhoria prometedora.

    A ambição está intacta e a esperança sobe.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  26. Quando os outros começam a afrouxar, o Porto (re)começa a ganhar! Como portista, já vi muitos momentos dourados. Mas há um que ainda falta: a famosa discussão entre Manuel Serrão e Alfredo Farinha. Alguma Alma Caridosa mo faculta? Muchas Gracias!!!

    ResponderEliminar
  27. Bem, o amigo ANTAS pelos vistos esteve neste jogo ao lado dos seus amigos que não fumavam propriamente tabaco, dado que por aquilo que tenho visto, aquelas substancias devem provocar alucinações, amnésias, mas também distracções...

    É que só por distração ou nítido desconhecimento, poderá colocar em causa a palavra de camaradas tão portistas como ele, quando os mesmos afirmam que o lider da claque não quereria que os companheiros de bancada cantassem o nome do Bruno Alves.
    Foi audível a todos atraves da instalação sonora que a claque possui!

    Distracção ou desconhecimento?? Seja qual for a opção, como dizia o Diácono Remédios "não havia necessidade"...

    ResponderEliminar
  28. O que não havia necessidade é desta troca de galhardetes, muito menos com o que escrevi.

    Ora vamos por partes, como estou na bancada onde a suposta situação se passou devia e tinha obrigação de ver, mas como fui um dos muitos que cantou o nome do Bruno Alves alto e em bom som não me apercebi de nada.

    Aliás consegui ver o jogador agradecer aos adeptos ainda no decorrer de um ataque da equipa adversária.

    Ora estamos perante dois factos, o desconhecimento e a distracção visto que afirma que ouviu e viu a situação.

    Outra parte e para mim mais importante é o porquê perder tempo com este género de situações do canta não canta, todas a semanas é uma novela ou com equipa ou com os directores, cada um é responsável pelo que faz, diz e escreve e como tal se afirma que viu quem sou eu para discordar como sou uma pessoa correcta dou o meu braço a torcer pois eu não me lembro de tal situação a minha memória só guarda coisas realmente importantes.

    Também não sei o que se passou com Bruno Alves mas como já li de tudo na internet (as tais coisas do Arco-da-velha), por isso aplaudi e cantei o seu nome o resto são puros fait-divers.

    E Anónimo quer saber da melhor eu nem sequer tinha lido o que tinha escrito anteriormente,baseei-me apenas no que li noutro blog, ainda bem que prontamente me corrigiu é pena que só seja para este tipo de novelas.

    ResponderEliminar
  29. No meio de tanto comentário, escapou-se-me de facto, essa «provocação» do anónimo, sobre a questão BA.

    Sinceramente, e estando relativamente perto dos SD, apenas me apercebi de facto da cantarem pelo nome do BA, agora se foram todos ou parte, muitos ou poucos, não sei, porque a minha atenção estava mais centrada no relvado do que propriamente no que os SD fazem ou não fazem.

    Sinceramente, não me apercebi, se é que aconteceu, dessa suposta tentativa de calar o chamamento do BA, mas deduzo que esta semana, no post do Tripeiro sobre o apoio dos grupos Ultras nos últimos 2 jogos, talvez se possa fazer alguma luz do assunto.

    Aguardemos, pacientemente... fumando nem tabaco, nem a coisa que faz rir... mas unicamente o cachimbo da paz ;)

    ResponderEliminar
  30. Eu vi o Bruno Alves agradecer os cânticos tal como o Antas refere.

    Se o líder da claque, não gostou problema dele, que o resolva.

    Não há caso.

    Força Bruno.

    ResponderEliminar
  31. Amigo Antas, para que fique esclarecido, longe de mim pretender provocar, melindrar ou beliscar alguém. Pelo contrário, apenas referir um facto irrefutável de algo que se passou no terreno de jogo.
    Mas como "quem não se sente não é filho de boa gente", continuo a achar que não é de bom tom contradizer o que outros dizem sem termos fundamento para tal.
    Tudo não passou afinal de uma distração, tendo entretanto dado "o braço a torcer", reacção nobre e só ao alcance das pessoas de bem.
    Como diz o bLuE bOy, que se fume o cachimbo da paz.

    Mas não sejamos ingénuos, nem queiramos acreditar nas boas intenções de todos, e que tudo não passou de um "canta não canta"...sabendo-se das relações muito próximas claque\SAD, "cheira" a recado vindo do 14.º andar da torre das Antas e isso sim é preocupante.

    ResponderEliminar