05 março, 2008

Este Porto merece os quartos!!

‘Nortada' do Miguel Sousa Tavares

É para ver Quaresma que vale a pena pagar bilhete.

1 - Este FC Porto de Jesualdo Ferreira, reconstruído paulatinamente durante dois anos e após a devastação deixada pela passagem do furacão Adriaanse, merece acordar na quinta-feira e saber que está nos quartos-de-final da Champions — o que quer dizer que figura no lote das oito melhores equipas da Europa. Merecem-no, por exemplo, Bosingwa que se vem impondo como um dos grandes laterais direitos do futebol europeu, ele que até começou a «trinco»; merece-o Bruno Alves, que em tão pouco tempo soube emergir de jogador trapalhão para um central cinco estrelas, tendo sabido tirar partido dos dois anos de convivência e aprendizagem ao lado de Pepe; merece-o o Fucile, que, se não fosse tão sacrificado com as deslocações ao Uruguai, poderia jogar a época inteira ao seu melhor nível; merece-o Paulo Assunção, o homem que juntamente com Pepe segurou aquela retaguarda nos tempos de loucura experimentalista do holandês e que vem fazendo outra época em cheio; merece-o Lucho González, este ano sim, a mostrar toda a sua classe e influência no jogo, depois de ter tido uma época decepcionante no ano passado (embora, curiosamente, este ano não marque golos, tendo deixado inexplicavelmente de arriscar o remate de meia-distância, que tantos golos importantes deu nos dois anos anteriores); merece-o Tarik, que, não sendo, de facto, nenhum Maradona nem próximo, tem sabido encontrar o seu espaço e a sua utilidade, apesar de não aguentar um jogo inteiro; merece-o, claro, Lisandro López, cuja colocação a ponta-de-lança foi a mais conseguida descoberta de Jesualdo Ferreira, e que, além dos golos que marca, tem um verdadeiro «espírito de dragão», incansável na generosidade que põe no jogo e na sede de vitórias que nunca sacia; e merece-o esse géniozinho do Ricardo Quaresma, um jogador que vale uma fortuna, não só pelo que joga, mas também pelo espectáculo que dá. É para ver jogadores como o Quaresma que vale a pena pagar bilhete. Ainda este sábado, no Bessa, quando ele entrou ao intervalo para as funções inéditas de nº 10, em substituição de Lucho, os comentadores televisivos apressaram-se a profetizar que não servia para a função — não tinha espaço no meio-campo e iria perder bolas, ocasionando contra-ataques perigosos do Boavista. De facto, começou por falhar um passe longo e perder uma bola no centro do campo, mas, logo a seguir, arrancou para meia-hora de show de bola, mostrando que os génios cabem em qualquer lugar. Em meia-hora, fez dois passes de ruptura para o ponta-de-lança, arrancou dois remates a rasar o poste e um estoiro na barra e cruzou com conta, peso e medida, para o golo de Stepanov, de que o juiz-de-linha não gostou.

Uma equipa que tem três ou quatro foras-de-série e sete ou oito grandes jogadores no total, tem de ter lugar entre as oito melhores da Europa. O Schalke não tem nada disso. Tem pior equipa e muito menos futebol que o FC Porto. É preciso não dar hipóteses ao azar, à descrença ou às circunstâncias imprevistas.

2 - Como já disse, o juiz-de-linha que acompanhava o ataque do FC Porto na segunda parte do jogo do Bessa não gostou do golo de Stepanov, quase ao cair do pano, e resolveu anulá-lo por off-side inexistente e que nem era assim tão complicado de julgar bem. Com isso, tirou a vitória e dois pontos ao FC Porto — coisa de menos importância, para quem já leva doze de avanço. E se por acaso os pontos fizessem falta?

Já aqui tenho escrito sobre a fatal tentação dos nossos árbitros assistentes marcarem off-side a tudo o que mexe. Mas nos últimos três jogos do FC Porto, eles exageraram. No Bessa, custou dois pontos. Contra o Gil Vicente, para a Taça, segundo rezam as crónicas, só o árbitro assistente impediu até final que o FC Porto pudesse descansar sobre a magra vantagem de um golo. E, na jornada anterior, contra o Paços de Ferreira, se é verdade que um dos assistentes terá validado o segundo golo do Porto, em off-side de um ou dois palmos, tanto ele como o colega do lado oposto cortaram nada menos do que quatro jogadas de avançado isolado frente ao guarda-redes, com fundamento em foras-de-jogo perfeitamente imaginados, além de um outro golo anulado também por off-side (e o treinador-adjunto do Paços ainda teve o topete de se queixar do segundo golo!).

Esta tendência é preocupante. Sobretudo quando se joga contra uma defesa em linha, em que, para quem ataca, a melhor forma de evitar o fora-de-jogo sistemático, são os passes de ruptura pelo centro da defesa, com o avançado a desmarcar-se entre a linha, nas costas dos centrais. Contra o Paços, Lucho González deu um verdadeiro recital de passes desses, mas o seu esforço foi inglóriamente destroçado, quase na totalidade, por juízes-de-linha precipitados e sem capacidade de leitura do jogo. Sucede que a defesa em linha — (que pode parecer um sistema pouco defensivo, se a linha jogar adiantada) — é, de facto, um sistema altamente defensivo, porque visa evitar o confronto directo com a linha atacante adversária, limitando-se a roubar-lhe os espaços de que os atacantes e o futebol de ataque precisam. E sucede também que o futebol precisa de quem ataque, precisa de golos e do espectáculo que os golos são. Não precisa de juízes-de-linha que parecem sofrer de tiques de personalidade, estando sempre a dar nas vistas marcando off-sides que não existem e, com isso, roubando golos e espectáculo ao futebol. Já vai sendo de mais e o que é de mais basta.

3 - «Felizmente, está quase a acabar para ti e para mim», disse Paulo Bento, referindo-se ao iminente final de carreira de Paulo Paraty. Disse-o bem. Eis mais um árbitro que não vai deixar saudades. Para final de festa, deram-lhe o Sporting-Benfica — o sempre tão propagandeado derby, que alguns ainda pretendem ver como «o» derby. E ele tratou de mostrar que não estava à altura de um jogo onde, entre outras coisas, estavam pelo menos seis milhões de euros em jogo. Infelizmente, falhou sempre para o mesmo lado, mas não prevejo que isso possa levantar suspeitas ao nível daqueles que se esforçam desesperadamente para encontrar provas de corrupção num FC Porto-Estrela da Amadora, já com o Porto campeão e o Estrela condenado à despromoção. Também o apito apita sempre para o mesmo lado… (mas isso é assunto a que espero voltar em breve e em força).

Em trinta minutos, Paraty não viu a cotovelada de Cardozo em Tonel (será que se vai aplicar a «doutrina Quaresma», de três jogos de suspensão?); perdoou o vermelho directo a Katsouranis por uma verdadeira agressão a pontapé e sem bola sobre João Moutinho; não viu o penalty de Katsouranis sobre Purovic — bem disfarçado, mas penalty; e, vá-se lá saber porquê, ali, a cinco metros de distância, conseguiu não enxergar um dos penalties mais evidentes do campeonato, do Léo sobre o Vukcevic.

No resto, «o derby» foi mal jogado, enfadonho e acabou empatado, com incidentes nas bancadas e fora do estádio — tudo como se vem tornando hábito, de há uns anos para cá. No saldo das ausências, Paulo Bento saiu a perder. Não só porque dez Makukulas não valem um Liedson, mas também porque o seu substituto, um jogador com nome de pássaro amazónico, ainda daqui a uns anos se deve estar a interrogar porque carga d'água é que lhe aconteceu estar no derby e logo no relvado e não na bancada. O Benfica conseguiu o empate apenas porque Cardozo tem 1,93 metros e o Sporting, não fossem os erros de Paraty, nem sequer podia reclamar injustiça no resultado. Enfim, não foi uma jornada brilhante para ninguém.

4 - Notícia da última página de A BOLA de sábado passado: a PJ esteve no Estádio da Luz a apreender documentos relativos às contrapartidas que a CML deu ao Benfica para a construção do novo estádio. Isto, três dias depois de Luís Filipe Vieira, na sua eterna campanha de provocação a Pinto da Costa, se ter gabado de que problemas desportivos podia ter, mas judiciais não. Querem ver que…?

# jornal “A BOLA” de 2008.03.04
# origem: "Futebolar"

6 comentários:

  1. Boa, Miguel ! Hoje estiveste +certo! P'ra meu ver, os valentes do Porto é tudo malta de 5 estrelas , de uma forma ou de outra ...
    Prepara-te que os mouros vâo-te derrancar lá nos (mictórios)d blogues donde gatafunham a merdia deles !

    ResponderEliminar
  2. Excelente crónica de MST.
    Desde a análise ao plantel do FCP às arbitragens detes fim de semana com destaque para o Paraty.

    Eu aprecio o fiscal de linha (Bertino Miranda) q anulou o golo ao Porto e Stepanov milimetricamente adiantado faz com q a razão esteja do lado dele. Mas em 99% dos casos estes off sides não se marcam. Mas para mim (NÃO PARA TI)o Sr.Bertino Miranda é isento e o melhor liner Português.

    ResponderEliminar
  3. Lucho, estou contigo na análise do fora de jogo. Foi bem tirado.
    Não seria de marcar caso existissem dúvidas. O liner não as teve e assinalou bem.

    Na análise ao plantel faltou, pelo menos um nome: Mariano.
    Pelo que tem feito e pelo que poderá ainda fazer.

    A análise ao Sr. Paraty está correcta embore ache que só o lance do Leo é verdadeiramente grande penalidade.

    ResponderEliminar
  4. Gostei de ver no Trio de Ataque o diálogo entre o Rui o, cOSTA e o inenarrável Pedro Vasconcelos ...
    sobre arbitragem e o branqueamento benfa.
    Rui Moreira muito bem a proclamar bem alto o benfiquismo Paraty.
    Mas o que a crónica de MST tem de mais interessante é a questão judicial das buscas aos lampiões... Esperamos vigilantes para ver...

    ResponderEliminar
  5. Se fosse Feita uma busca judicial no Dragão, aí sim esses fdp de jornalistas e directores de jornais que ainda sao escumalha pior davam destaque ao FCP.

    Hoje o Porto tem um dos jogos mais importantes, senão o mais importante da temporada e a vergonha dos jornais é o que se vê. (Presidente desculpa o desabafo e os insultos, mas já não posso com jornalistas merdosos, coagidos por esse mito que existe em torno dos «passarecos bermelhos»)

    Quanto ao MST, esta-lhe a dar forte e a dizer verdades. Ser portista em Lisboa ainda é difícil... Parece que se está a cometer um crime, mas isso ainda nos faz crescer mais e cada vez mais...

    Na análise ao jogo da segunda circular, concordo com o que diz o estilhaço, aí o MST exagerou nos lances, mas não exagerou no que transparece desse senhor que finalmente deixa a arbitragem...

    Brilhante o apoio e a analise à equipa. Faltaram algumas menções honrosas, mas creio que as mesmas virão quando ganharmos o TRI.

    Saudações azuis e brancas
    Carlos Pinto

    ResponderEliminar
  6. So nao gosto da parte "É para ver Quaresma que vale a pena pagar bilhete" discordo totalmente e ainda digo mais. Dou 60 euros para ver o Meu Porto colectivamente, dou 60 euros pa ver o emu idolo Lucho Gonzalez(que hj teve nule) mas nao dava 60 euros SO para ver Quaresma, muito menos pa ver Quaresma falhar aquele lance (Desculpem vai ficar.me na memoria)

    De resto dou tudo para ver o Porto, tudo e daria 60 euros outra vez para os ver outra e outra vez, fossem as vezes que fossem!

    Mas como sabemos, MST é defensor do nosso mustang em dia bom e em dia mau...

    ps. o homenzinho da rtp1 ja tava a insinuar a falta de eficiencia de helton nos penaltis. Como se fosse por ele que perdemos a eliminatoria...pffff

    ResponderEliminar