09 dezembro, 2009

Livre (in)directo - Champions 09/10, semana 6

Atlético Madrid 0–3 FCPorto

O francês, Stéphane Lannoy, foi o árbitro escolhido pela UEFA para o jogo no Vicente Calderón. Vamos aos casos do jogo.

O primeiro lance do jogo, foi ao minuto 22. Kun Aguero cai na área portista. Na visualização do lance, não parece ter havido grande penalidade. O jogador visitado parece ter-se aproveitado do encosto natural de Maicon para se atirar para o chão.

No minuto seguinte, os jogadores do Atlético de Madrid pedem mão na bola na área portista. Muito bem o árbitro ao deixar seguir o lance.

Ao minuto 35, Maxi pede mão de Álvaro Pereira. Mais uma vez sem razões para pedir falta os jogadores visitados.

Decorria o minuto 41, quando Fucile corta um ataque prometedor da equipa de Atlético. O árbitro optou por não advertir o jogador, mas deve-lo-ia ter feito.

Ao minuto 42, Simão é bem advertido por simulação de falta. Muito bem o árbitro da partida.

Já na segunda parte, ao minuto 71, Guarín rasteira Reyes e é advertido. Correcta a decisão do árbitro.

Ao minuto 87, Reyes retribui a falta e a advertência. Mais uma vez correcta a decisão do árbitro.

Avaliação global da equipa de arbitragem: 7. Decisões sempre correctas, quer a nível disciplinar, quer a nível técnico. Apenas a dificuldade do jogo (baixa) não permitiu que a nota tivesse sido melhor.

3 comentários:

  1. O palhaço do sim(ul)ão ao seu melhor nível!

    ResponderEliminar
  2. Sinceramente, foi um jogo de extrema facilidade para o árbitro... onde complicar, seria o mais dificil de conseguir, em face do ocorrido no relvado.

    Destaque apenas para o (mau) hábito do Simulão, qual aprendiz agora d'um tal de Aimar, em mergulhar de joelhos, a cada graínha de relva mais levantada... tudo uma questão de equilibrio... mental, que esse metro e dez de altura, não tem, nunca teve e jamais terá.

    ResponderEliminar
  3. Sou dos que defendeu, na antevisão do jogo, apesar da qualificação já garantida, uma postura da equipa, responsável, ambiciosa, capaz de defender o prestígio, na prova rainha do futebol mundial, conciliando os interesses financeiros com os competitivos.

    O FC Porto conseguiu superar a minha expectativa vulgarizando o A. Madrid, conseguindo um resultado volumoso e justo.

    Gostei da atitude e de alguns nacos de futebol de alta qualidade, a fazer crer que a pior fase se encontra debelada, numa altura em que se acumulam jogos a requererem um FC Porto muito forte.

    Foi a fibra de campeão que esteve no Vicente Calderón. É para manter daqui para a frente. Assim teremos o Dragão sempre cheio e as vitórias serão o corolário natural.

    Um abraço

    ResponderEliminar