23 junho, 2008

Estatísticas são estatísticas…

Poucos dias antes do anúncio da convocatória para o Euro-2008, o então seleccionador nacional respondeu da seguinte forma a uma pergunta acerca de Paulo Ferreira: “Convoco-o pelo seu passado e porque é uma excelente pessoa!

Ora bem, não havendo dúvidas de que Paulo Ferreira tem um excelente passado, aliás foi campeão europeu no FC Porto e já ganhou vários títulos no Chelsea, e de que também é uma pessoa bastante correcta e íntegra, uma questão fundamental impõe-se: Fará sentido um jogador ser convocado pelo seu passado ou pela sua conduta enquanto ser humano? A mim parece-me que não.

Ao contrário, Scolari ao longo destes 5 anos à frente da selecção nacional sempre primou pela falta de critério. Além de ser um treinador pouco astuto em termos tácticos, basta ver as derrotas de Portugal em fases finais, sempre foi um treinador que fez da sua principal arma a parte psicológica dos seus jogadores. Aí, verdade seja dita, Scolari sempre foi um treinador que conseguiu unir e motivar os jogadores que treinou, todavia, no futebol de hoje não basta ser um bom condutor de homens, é necessário ser evoluído tacticamente, ter boa visão de jogo e, finalmente, conhecer e estudar bem os adversários. Neste último aspecto, Scolari nunca mas nuca mostrou ser um treinador perspicaz, tal como por exemplo José Mourinho, um treinador que estuda os adversários até ao mais ínfimo pormenor.

A juntar a isto tudo, a situação mais ridícula, mais incompreensível e até hoje nunca explicada, por mais versões estapafúrdias, invenções idiotas e teorias da conspiração que possam haver: Em 2004, Vítor Baía foi considerado o melhor Guarda-Redes Europeu, não por um qualquer site de adeptos portistas, não por qualquer casa do FC Porto, mas sim pela UEFA. As brilhantes exibições na Liga dos Campeões que o FC Porto ganhou naquele ano de 2004 e também a brilhante campanha interna em que o FC Porto somou mais uma vitória no campeonato nacional fizeram com que Baía fosse considerado o melhor da Europa, no entanto, curiosamente não entrou no lote dos 3 GR portugueses convocados para o Europeu. Deste modo, apenas uma e só uma conclusão pode ser retirada: O melhor GR europeu não pertencia ao lote de 3 melhores GR portugueses! Só num país de 3º mundo, um país em que o mérito é uma treta e a inveja alastra perigosamente!

Finalmente, desmistificar um dos vários mitos que se ergueram ao longo destes 5 anos: “Scolari fez com a selecção aquilo que mais nenhum outro seleccionador conseguiu fazer!”. Ora bem, em primeiro lugar é preciso ter muito cuidado ao analisar os contextos em que os treinadores trabalham em determinado clube ou selecção e, em segundo lugar, é preciso recorrer a estatísticas, estas sim indesmentíveis, para analisar mais detalhadamente o trabalho de Scolari e dos outros seleccionadores portugueses, senão vejamos:

- Mundial-66, em que Portugal atingiu a sua melhor participação de sempre, terminando no 3º lugar, depois de muitas aldrabices do país anfitrião, a Inglaterra (aldrabices muito próprias dos anos 50 e 60, não só em Portugal como em toda o mundo onde a balbúrdia no futebol era uma constante). Não, o treinador não era Scolari…

- Euro-84 em França e Euro-2000 na Holanda/Bélgica, Portugal depois de fantásticas participações onde o bom de futebol foi uma realidade bem visível a toda a Europa, atingiu as meias-finais, caindo aos pés da França. Não, o treinador não era Scolari…

Quanto a Scolari, no Mundial de 2006 disputado na Alemanha, a selecção atingiu o 4º lugar, logo uma marca inferior à obtida em 66. Caros fãs de Scolari, estatísticas são estatísticas…

No Europeu de 2008, Portugal atingiu os quartos–de–final, uma marca idêntica à conseguida pela selecção de António Oliveira no Euro-96 em Inglaterra, onde Portugal caiu aos pés da República Checa, uma equipa que apenas perderia na final frente à Alemanha… Por fim, a ÚNICA coisa que Scolari fez de inovador na selecção em termos de resultados: No Euro-2004, disputado em Portugal onde os estádios repletos de portugueses a apoiar a sua selecção e onde todas as condições estavam criadas para uma boa participação da selecção nacional, a equipa das “quinas” atingiu a final frente à Grécia: Perdeu, tal como tinha perdido no jogo inicial frente a esta mesma Grécia e da mesma forma. Termino, com uma frase dita por um ex – treinador do nosso clube: “As finais foram feitas para se ganhar!”. Enfim, estatísticas são estatísticas…

ps - Ao que parece, Rodriguez vai mesmo ser jogador do FC Porto. Já era tempo do urugaio chegar a um clube Grande, depois de passagens por clubes de menor dimensão! Os meus parabéns!! Não é todos os dias que se tem uma promoção dessas!!!

ps2 - O FC Porto foi campeão de Hóquei pela 7ª vez consecutiva… No entanto, a cor dos patins dos jogadores do FC Porto vai ser alvo de minuciosa investigação por parte do gabinete jurídico de um “certo clube”…

ps3 - Única forma de um “certo clube” jogar a Champions League da próxima época!

13 comentários:

  1. Scolari já passou à história.

    Venha o próximo e q para este a Cidade do Porto não seja demasiado longe.

    ResponderEliminar
  2. Lucho, está a falar no Sr. Manuel José ? :-)

    p.s. - logo à noite, após o fogo, tá marcado uma matrecada nas Fontaínhas. Conto convosco.

    ResponderEliminar
  3. Vou estar perto da tua terra, em Gemunde, na Maia. Não sei se irei à baixa do Porto ver o fogo. Em principio não.

    ResponderEliminar
  4. Nem mais, nem mais... estas, são as tais estatisticas que há muito me servem de suporte para a discussão com os «patrioteiros»... mas eles não me ouvem, querem lá saber disso para alguma coisa? eu sei bem o que lhes dói, mas quanto a isso, que tenham paciência, que aguentem mais um pouco.

    Eu, nunca o escondi... sempre fui, sou e sempre serei de PORTOgal... quem quiser respeitar a minha opção, respeita... quem não quiser, que arrume pró lado.. o resto é bláblábláblá!!!!

    Esta coisa do patriotismo é toda muito linda e tal, mas faz-me lembrar a narrativa do Tiago na noite da passada 6ª feira... quem não quiser ver que a «realidade» é esta no que toca a selecção, que não veja... eu, é assim que sempre a vi! Não tenho pachorra para tar a aturar «palermas» que só porque o jogador é do FCPorto, já não presta...

    Tivesse um «português» feito o que esse «brasileiro» fez ao longo deste período, e não tinha lá estado 6 meses sequer, porque lhe tinham feito a cama... como é um brasuca e resolveu fazer seu inimigo, um clube a norte, um tal de FC Porto, para júbilo da corja invejosa e ridicula deste país, tasse bem, tudo bem, no problem... e passou a ser visto como um «deus».

    Eu, sempre o vi, como um DIABO... e não mudo uma vírgula!!!

    ResponderEliminar
  5. Estilhaço:

    E que esse próximo não seja nenhum Manuel José, senão, o meu ódio de estimação à selecção vai-se manter e neste caso, por um conhecimento mais que pessoal.

    Esse palerma, que não passa d'um badalhoco de primeira linhagem, e não tem mesmo outro nome, é dono d'um ódio visceral ao FC Porto.

    Para quem não sabe, essa figurinha, é natural da minha terrinha e vivei por cá muitos anos, treinando o Sporting de Espinho.

    Quem o quisesse ver a ele e ao seu treinador-adjunto, um tal de Raúl (que era outro igualzinho a este), era procurá-los no café mais emblemático de Espinho nessa época, o «Nosso Café», ali na zona central e ao lado da estaçao da CP.

    Bastava atentar no modo como se referia já nessa altura ao FC Porto, de uma forma completamente odiosa, invejosa e do mais badalhoca possivel... era um malcriadão de primeira linhagem, não se resguardando de quem lá estava, adultos, idosos ou crianças (como eu).

    Ainda muitissimo jovem, porque estava por lá com a minha Bisavó a passar as tardes, depois da escola, assisti a muitos desses diálogos e desde então que lhe tenho um «ódio d'estimação» e ainda bem que PdC, ao que sei, conhecedor do perfil dessa figurinha, nunca sequer equacionou a entrada deste no nosso clube... tb se o fizesse, não sei como reagiria... mas bem, não seria concerteza!

    Portanto, por mim, até que não seria mau... levem lá o homem e desta forma, poupam-me a ter que dividir um pouquinho a minha paixão pelo FC Porto.

    ResponderEliminar
  6. Manel José é um armante e com dor de cotovelo por não vir para cá treinar pois o PDC não o deixa, conhece bem a peça. Que se deixe estar no Egipto que está bem. Ganha, é apreciado e está fora daqui.
    Só espero é que o que venha seja uma pessoa que não emprenhe pelos ouvidos e nos veja como deve ser.
    Mas da selecção não quero falar mais pois o que realmente me interessa é o nosso Porto.
    A selecção, salvo raras vezes, serviu sempre para mostrar desprezo ao FCP, mesmo em 66.Por exemplo, O melhor guarda-redes - Américo - não jogou, raramente tinhamos jogadores seleccionados, Pavão foi castigado porque se recusou a entrar a um minuto do fim depois de aquecer não sei quanto tempo, etc, etc...até termos chegado aos píncaros com o inenarrável soco-lari, o enganador de papalvos.
    Por isso, embora seja português não ligo muito à selecção.

    ResponderEliminar
  7. Blue Boy: apenas uma correcção, a figurinha MJ não é de Espinho, é de Vila Real de Sto.António e um dos mais viscosos lampiões de que há memória.

    Compartilho a sua repulsa pela figurinha.

    Abraço

    ResponderEliminar
  8. Aliás, recordo-me de uma entrevista que Scolari deu, antes da convocatória, dizendo que tinha ido a Inglaterra para dizer ao Paulo ferreira que ele seria convocado e que era o único nome que confirmava antes da convocatória. Está visto que era treta, o que ele foi fazer foi negociar com o Chelsea e usou essa desculpa para estar em Londres. revelador do carácter do senhor. Os papalvos adoram-no...

    ResponderEliminar
  9. Mefistófeles:

    Mea culpa... tens toda a razão, mas quando li aqui esse nome, veio-me logo à memória a recordação da demenência mental desse porco nojento, para não dizer pior... e acabei a meter água.

    O que queria dizer é que ele foi meu vizinho durante muitos anos em Espinho... assim a uns 100 mts de casa dos meus pais (era mesmo só atravessar a estrada e andar um nadinha prá direita e voilá, lá estava a casinha desse animal nojento).

    Rectificação feita.

    ResponderEliminar
  10. Quero lembrar que o Vitor Baía só não foi convocado para a selecção nacional porque foi uma das testemunhas,no processo que opôs o António Oliveira à FPF do Magdail.
    Quanto ao Scolari,o problema dele(falhanço)foi o facto de ter-se deixado influenciar pelas opiniões de todos aqueles,incluindo a Comunicação Social,que são afectos aos dois grandes da capital.
    É por isso que por exemplo,o Bruno Alves,o qual é neste momento,para mim,o melhor central que a selecção nacional tém ao seu dispôr,e,no entanto ficou no banco!
    Sem pretender retirar valor aos dois centrais que jogaram,contra os cavalões alemães,impunha-se utilizar a capacidade de choque, poder de elevação,eficácia do Bruno Alves, talvez até jogando com três centrais.Pelo menos neste jogo,a estatura e o poder físico do Bruno seria muito importante.

    Abraço

    ResponderEliminar
  11. Visitem:

    http://perigonaarea.blogspot.com/

    Interface gráfica renovada e qualidade e regularidade dos posts redobrada.
    Todo o desporto, futebol, modalidades, competições, análises, votações, vídeos, talentos, resumos e muito mais,...

    Obrigado pela visita!

    Parabéns pelo blog e pelo trabalho desenvolvido!

    ResponderEliminar
  12. Blue Boy:

    Na verdade, não é muito importante de onde o gajo é, o que interessa é que não presta mesmo. Estou contigo e não te invejo essas memórias desse triste.

    Abraço

    ResponderEliminar
  13. Mas que Manuel José? Aquele que é o Mourinho de África? O homem que já venceu para aí umas 7 Taças Mubarak? Ou o mesmo que treina esse colosso mundial, o Al-Alhy?

    Conhecia o ódio visceral k esse anormal nutria, e nutre, pelo FCP, mas as palavras do Blue só vieram acentuar ainda mais a minha aversão ao tipo em questão. Ele dá-se demasiada importância mas, como se constatará, é um mero grão de areia a quem ninguém dá atenção. Manuel José na Selecção só se for na playstation:)

    Qt ao resto, RCBC, não podia estar mais de acordo contigo. Por muitos hossanas que cantem a Scolari a realidade é só esta: ZERO títulos, um Europeu perdido em casa, com a GRÉCIA, com umas condições que nenhuma outra Selecção portuguesa teve e uma certa dose de sorte, em momentos cruciais (vide os desempates por penaltys) que colocaram Portugal nos píncaros...

    Mas esses píncaros deveram-se ao bom trabalho do seleccionador, ou ao lote de grandes jogadores que temos? Fica a questão, mas quer-me parecer que, tal como no Porto, o próximo treinador arrisca-se a ser...campeão.

    O que eu sei é que, a partir de agora, sou adepto de qualquer equipa inglesa, mesnos dos azuis de Londres:)

    ResponderEliminar